Porque eu decidi que quero ter um filho (e não foi porque bebês são fofinhos) – Capítulo III.

Meu padrão mental foi se transformando. Consegui me perdoar, pedi perdão a Deus e não só tenho certeza que Ele me perdoou como também ficou bem feliz por eu ter entendido que não era hora de ter filhos e provavelmente nunca seria a hora. Por muito tempo falei que não queria deixar a Terra sem passar pela experiência de construir um ser humano e sempre achei que estava falando sobre maternidade, mas, nesse período entendi que meu desejo se referia ao ser-psicóloga.

Continuei atendendo minhas queridas crianças e sempre aprendendo que ter um filho é muito mais sério que fazer enxoval em Miami ou fotografar a apresentação de Dia das Mães na igreja. É muito mais difícil que trocar fraldas fedidas de cocô ou escolher a decoração da festa de um ano. Dá mais trabalho que escolher o hospital pra fazer cesariana agendada-depilada-maquiada-deunhafeita-e-semcomernada. Exige mais responsabilidade, exige mais tempo, exige mais energia, exige mais, exige.

Álef 3
Pensa que é só ficar admirando esse olhar arrebatador? Não, não, não…

Entendi que se você não tem paciência, se você não tem disponibilidade de tempo (veja, eu disse tem-po, não dinheiro), se você não se desdobraria e esforçaria ao máximo pra construir decentemente um ser humano, se você não tem paciência de repetir oito mil quinhentas e trinta e duas vezes exatamente a mesma coisa, se você tem preguiça de acordar no meio da noite pra cuidar de criança doente ou não suporta dormir poucas horas mesmo que por só alguns anos, se você é incapaz de amar sem esperar nada em troca, se você não gosta de ouvir e ouvir e ouvir e ouvir e ouvir crianças falando na sua orelha repetida e infinitamente, se você é perfeccionista, se você é incapaz de deixar o celular de lado pra dar atenção pro seu filho, se você acredita em duendes e que são eles que fazem aquilo que você deveria fazer mas deixa de lado: não pode ter filhos.

E entendi que se você tiver todas essas questões e quiser muito ter filho, vai ter que tratar disso tudo antes. Antes. An-tes. E que se você já tem a criança, se vira pessoa, mas vai ter que fazer seu trabalho e bem feito. Terapia, por exemplo, ajuda, acredite em mim. Ajuda pais e ajuda filhos.

E a única coisa que impede uma pessoa de se tornar alguém melhor é uma mente preguiçosa e/ou fechada e/ou limitada. Então, se não for o caso, não arrume desculpas e vai se tratar. Pelo bem do Universo. E é o que resolvi fazer, porque minha mente é até que razoavelmente ativa, aberta e rica em possibilidades. Tento que ela seja, pelo menos. Eu decidi que quero ter um filho e vou tratar disso, em oração e em terapia.

E se você leu até aqui (tem paciência, pode ter filho!), vai entender o que me fez tomar essa decisão.

* Estrelando na foto deste post, o Álef, um dos bebês mais graciosos que já conheci, filho da Luciana Mendes Kim, uma das idealizadoras do Santa Paciência, e do David Kim, ilustrador da nossa incrível arte que representa o Santa Paciência, que me deram a devida autorização de compartilhar a gostosura que tão criando!


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s