O amor (diluído) em 5 dicas

 

dariapetrilli
Ilustração da italiana Daria Petrilli

No canal do Youtube de um museu dinamarquês tem um programa que se chama Advice to the Young. Toda vez, eles convidam um artista diferente, renomado já, para deixar um conselho para os que estão começando. Acho muito bom, porque além de eles falarem sobre o que passaram – e, assim, baseados na experiência que adquiriram, indicarem caminhos para os novatos –, eles também dão dicas muito diferentes uns dos outros, o que só nos enriquece.

Esses dias, tenho pensado que conselho eu daria às mulheres mais jovens do que eu… talvez eu poderia falar de carreira (já fui de tudo: secretária, repórter de viagem, vendedora, dona de loja e, agora, educadora por paixão)… talvez eu poderia falar de espiritualidade (a base do que sou)… mas acho que quero mesmo é falar sobre amor. Delícia de tema, não? Tenrinho, chuchu, mas tão difícil de acompanhá-lo na dança! Mesmo nos meus 35 anos e muitos quilômetros de vida rodados, ainda levo uma surra dele. Sempre com amor, claro, rs.

Bom, para as interessadas, aqui vão vislumbres de uma sabedoria do amor que estou longe de dominar, mas que venho recolhendo como conchas na praia:

 1. Não entre e nem saia da vida de alguém com a mesma facilidade com que você entra e sai de um supermercado

Quem já não fez ou sofreu disso? A vida fica num tédio tal, que qualquer pessoa serve para você se envolver. A questão é que qualquer pessoa não existe. Qualquer pessoa é um ser humano com sentimentos, é profundo (mesmo que a pessoa não usufrua de sua própria profundidade), tem histórico emocional, relacional e, muito provavelmente, expectativas diferentes das suas. Por isso, acredite: um pouco mais de respeito pelo outro na hora de se relacionar pode fazer maravilhas. Qualquer pessoa agradece.

2. Não canse quem te quer bem

Essa frase eu li uma vez num artigo bem interessante. Sabe aquelas pessoas que te amam aconteça o que acontecer? Pois é, o amor delas pode ser ilimitado, mas a paciência talvez não. Cultive o carinho que essas pessoas sentem por você com um pouco mais de bom humor, menos cobranças, mais leveza, mais alegria. Já perdi quem me quisesse bem e, na parte que me coube do fim da amizade, posso dizer que esses segredinhos teriam feito toda a diferença.

3. Não, as pessoas não são substituíveis

Penso muito nesse blábláblá, de que a gente pode substituir as pessoas. “Ah, para de chorar! Supera! Ninguém é insubstituível!” – já ouviu? Eu não caio nessa, não. Sim, a gente precisa superar as perdas (mesmo porque muitas delas acontecem contra a nossa vontade), concordo, mas achar que uma pessoa que nos marca vai ser deletada da nossa existência sem deixar rasuras é uma inocência. Coleciono algumas perdas e nunca consegui encaixar a amiga nova no mesmo molde da antiga, por exemplo. Não existe. Não dá. Era outra pessoa, outra época, outra intensidade, outras afinidades, outros mergulhos. Era único. E, ao mesmo tempo em que isso pode soar bonito e poético, é também um pouco triste. Ao escrever este parágrafo agora, por exemplo, consigo pensar em, pelo menos, três amigos, com os quais eu amaria conviver outra vez. São três queridos pra mim, aos quais o acesso eu perdi totalmente. Assim, meu conselho seria: prepare-se, sua folha em branco será, inevitavelmente, rasurada. Mas não se desespere: ainda assim e, justamente pelas rasuras, haverá beleza genuína na sua história.

4. Doe-se

Não tenha medo de ser brega. Beije, abrace, fale que gosta, do que gosta, sem medo de ser feliz. Algumas pessoas acham isso pegajoso, mas tem gente que se sente amada com gestos assim e eu, por exemplo, não me importo nem um pouco de ser esse meio de amor para as pessoas. Se gosto, demonstro. E se recebo de volta, melhor ainda. Porém, não é só de pegação que vive o amor. Amor também é doar os ouvidos e a atenção para o marido contar o sonho comprido que teve na noite anterior; é doar o seu tempo – e com boa vontade – para ir à festa junina da escola do filho; é ouvir a amiga desabafando pela 37ª vez na mesma semana sobre o crush que ela não supera; é não comer a última trufa que a sua colega de trabalho vendeu pra você e deixá-la para o seu namorado;  é assistir ao terceiro filme de uma saga que você não acompanha só para estar com seus amigos preferidos. Enfim… doar-se é escolher o outro quando você poderia muito bem pensar apenas em si mesma.

5. Ame-se

Não estou falando aqui de um amor narcisista, ofendidinho, arrogante. Estou falando de dignidade mesmo.  De conhecer os próprios limites e respeitá-los; de não ter vergonha de não querer ou de não saber; de gostar da barriguinha saliente, das sobrinhas nas laterais da cintura; de reconhecer os defeitos e também valorizar as qualidades; de pedir ajuda quando não der conta sozinha de uma situação; de não se maquiar todos os dias e gostar do que vê (ou de se maquiar e detestar o que vê); de não ter vergonha de chorar e, menos ainda, não ter vergonha de amar.

Obviamente, não tenho a menor pretensão de achar que essas cinco pílulas sobre o amor esgotam o assunto. É uma descoberta constante, infinda, misteriosa e incrível… e, por mais que cada um siga sua própria via nos meandros definidos pelo amor, é sempre possível (e justamente por acreditar nisso é que escrevo este post) encontrar maneiras mais práticas de vivê-lo.


Luciana Mendes Kim trabalha como educadora, é amante da literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s