Sede

 

xuanlocxuan
Ilustração de Xuan loc Xuan.

 

– Estou indo até o poço pegar água.

– Uhm… – Ele murmurou, sem nem se mexer da cama.

Eram onze e dez e eu, como de costume, cobri minha cabeça, peguei a moringa que guardo embaixo da pia, ajeitei-a no ombro e lá fui pela estrada poeirenta. Aquela caminhada me fazia bem, porque eu me distraía da angústia que me dava por vê-lo dormir até tão tarde. Gostava de pensar sobre nós dois e sobre o rumo que as coisas estavam tomando. Queria que conversássemos mais, que fizéssemos planos de viajar pela Palestina e ele me contasse como era o Reino do Sul, que lugares visitou em Jerusalém, quem ele conheceu… esses detalhes que eu só sabia por ouvir algumas conversas dele, quando alguém o visitava e eu me escondia atrás da porta. Ele sempre tão interessante. Conhecia gente importante, tinha amigos, tinha uma caligrafia linda e falava certinho, sem erros de aramaico. Tudo bem que o fato dele ser notívago (aprendi essa palavra com ele) sempre me incomodou, mas é que ele gostava de estudar até tarde. Era assim que ele era e era assim que eu o queria.

E foi enquanto eu pensava nessas coisas todas, que percebi que eu estava chegando ao poço e, à beira dele, vi um homem sentado. Que estranho… um homem que não era mestiço como nós. Um homem judeu. Estremeci por dentro. Fingi que não havia reparado na presença dele e me apressei para tirar água e começar a viagem de volta para casa. Lancei o balde poço abaixo e ele desceu despencando, batendo contra as paredes do poço até atingir a água. Trêmula, fui puxando o balde de volta e quando finalmente ia despejar a água na moringa, eu ouvi:

– Você poderia me dar um pouco dessa água, por favor?

Senti minhas bochechas vermelhas de vergonha. Respondi:

– Desculpe, mas como o senhor está falando comigo e me pedindo água? Vocês, judeus, não gostam dos samaritanos… não entendo.

–  Se você conhecesse a generosidade de Deus e quem eu sou, você me pediria água e eu daria a você uma água diferente, viva.

– Mas com o que o senhor pegaria essa água? O senhor não trouxe balde, nem moringa.

– Você não entendeu. Qualquer pessoa que beber da água desse poço aí vai sentir sede de novo. Porém, a água que eu ofereço não deixa ninguém com sede de novo, nunca mais. A minha água vai brotar de uma fonte dentro de você e vai jorrar para sempre.

– Eu quero dessa água! Já pensou? Nunca mais vou precisar vir aqui no poço! Que incrível!

– Vai lá chamar o seu marido, então, e volte.

Na mesma hora, fiquei sem graça e baixei a cabeça.

– Eu não tenho marido não, senhor.

– É verdade, eu sei. Você já foi casada cinco vezes e agora tem um caso com um cara. Sei de tudo isso.

– Então o senhor é profeta…  – tratei logo de mudar de assunto – Sabe, tenho algumas dúvidas sobre onde devemos ir para adorar a Deus… não sei se aqui ou se em Jerusalém, fico confusa.

– Não se preocupe com isso. Está chegando o momento em que todos os que acreditarem adorarão a Deus dentro de si mesmos, de forma sincera.

– Hum… acho que entendo, mas não muito. Mas quando vier o Escolhido de Deus, Ele vai nos explicar tudo isso direitinho, não vai?

– Sou eu mesmo o Escolhido de Deus.

Ao ouvi-lo dizer isso, senti o aceleramento do meu coração. Em uma fração de tempo, a paisagem desértica ao redor foi ganhando aos meus olhos colorações e matizes, como se até aquele momento, uma membrana houvesse turvado minha visão. E, naquele instante, a membrana era rompida. Por ela escorreram rios… rios que lavavam as marcas dos abusos, da exploração, das frustrações pelos relacionamentos idealizados, do preconceito, da violência, das humilhações públicas, dos julgamentos, dos xingamentos, da condenação. Minha alma, já dada como estiada, sorvia o orvalho das palavras do Escolhido, e dela brotavam raízes e cresciam ramos cobertos de novos brotos e, dos brotos, flores, e das flores, alegria. Ondas quebravam em meus pés e se retraíam, tornando, em seguida, a quebrarem-se, levando em seu movimento o pó dos quilômetros que percorri sem rumo, das estradas ermas, dos corredores escuros e sem ar. Nas minhas costas, o impacto de torrentes despencando do alto, como uma cachoeira, purgando anos de culpa e vício. Nas minhas mãos, uma taça de água fresca e pura, que bebi com desespero, como alguém que já não negocia mais os segundos.

Quando um grupo de judeus se aproximou do Escolhido, fui me afastando aos poucos, sempre voltando o meu olhar para Ele com olhos de deslumbre, como uma criança que, de tanto desejar um brinquedo, não sabe como reagir quando finalmente o ganha. Sem conseguir disfarçar a minha alegria, comecei a abordar as pessoas na rua, chamando-as para ir até o poço e ver a pessoa que me conhecia por dentro e por fora. Ele era o Escolhido – Aquele por quem todos nós esperávamos – e Ele estava ali para qualquer um que tivesse sede.


*Texto ficcional criado a partir da narrativa bíblica de João 4.1-29.


Luciana Mendes Kim trabalha como educadora, é amante da literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Grata pelo silêncio

ensee
Ilustração de Mi-Kyung Choi, que assina como Ensee.

 

Gosto do silêncio. Não ter uma opinião sobre tudo, não precisar discutir sobre tudo, não polemizar pelo prazer de polemizar é mesmo um presente. Um presente suave, pacificador. E é uma arte também, eu diria. Como é desafiador dominar a língua!  Ou os dedos, no caso de um post ou comentário de rede social. Parece que esses membros do corpo nos têm sob controle, que são eles quem mandam em nós. É a tirania do “se penso e tenho algo a dizer, tenho que dizer, senão essas palavras vão acabar me sufocando”. Mas será que realmente temos algo a dizer? Será que o que temos a oferecer para os outros não são apenas palavras que se organizam em uma ordem linear, de modo a fazer sentido de alguma forma? Porque isso é fácil e… totalmente dispensável.  Será que as pessoas realmente precisam da minha opinião sobre tudo? Porque se o que tenho para oferecer não for algo novo, que acrescente, que construa, que una, que desafie, que seja um convite para transpormos o mesmo de sempre, por que opinar? Proponho um teste: fiquemos offline por alguns dias e depois nós entramos e vemos se alguém sentiu falta dos nossos posts e comentários. Poucos sentiriam. E tudo bem. Porque não saber, não conhecer a fundo certos assuntos, não estar presente em tudo e não ser apto para opinar é saudável, humano e realista. Somos limitados mesmo – não somos Deus para conhecer tudo – e que bom por isso. Já pensou se a nós fosse dada a grande responsabilidade de carregar o mundo nas costas? Ainda bem que podemos nos dar ao luxo de nos silenciar. E esperar. E refletir. E não entender. É um alívio.

Nesses dias, tenho permanecido em grande silêncio. Olho para dentro e pouco encontro o que dizer. Confesso que esse estado não tem sido fruto apenas da reflexão que fiz acima. É um silêncio de falta também, o que pode ser um pouco mais triste. Para mim, que vejo na escrita o meu combustível de vida, ficar em silêncio por puro vazio é bastante estranho. Mas até em horas como essas, aprendo. Aprendo sobre humildade, sobre não ser indispensável, sobre outras formas de significar o mundo (agora mesmo observo um tucano pousado na araucária ao lado de casa), sobre o estar e ser apenas. Suspensa. Dependente e pendente no fio de prata da vida.

 


Luciana Mendes Kim trabalha como educadora, é amante da literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Sobre a sensibilidade do ser-pai numa sociedade machista

homem-e-sensibilidade
Ilustração: Betusha Rapatusha

No domingo de Dia das Mães desse ano, a psicóloga Isabelle Ludovico esteve no Projeto 242, comunidade em que David e eu somos membros, falando sobre a data comemorativa.

Foi muito diferente de todas as mensagens e comemorações de Dia das Mães em igreja que já tinha visto, ao longo dos meus quase 30 anos dentro de igrejas.

Ela falou coisas que me marcaram, sobre ser-mulher, ser-mãe, feminilidade, feminismo, machismo e sobre o quanto o sufocamento das características femininas no mundo, por meio do machismo e do desrespeito às mulheres, prejudicam o Universo como um todo. O quanto anima e animus estão em desequilíbrio e esse desequilíbrio é fatal. O quanto é importante que homens desenvolvam, apreciem e usem sua feminilidade. Inclusive, – e que foi o ponto chave pra mim – como Deus mostra sua sensibilidade, força e beleza através das mulheres e como Ele é, além de nosso Pai, nossa Mãe.

Saindo de lá, perguntei pro David o que ele tinha achado e senti um amargo de angústia quando ele respondeu: sabe aquele filme que a gente assistiu, da menina da Somália que virou modelo, depois embaixadora da ONU, acho que é Flor do Deserto, o nome? Então, é lógico que aquilo que fazem com aquelas meninas não pode ter comparação, mas, é como eu me sinto, mutilado.

Se você ainda não assistiu esse filme, assista. É avassalador.

O David continuou, dizendo que tinha gostado muito do que a Isabelle disse, que concordava, que era aquilo mesmo que ele acreditava e que foi um alívio, porque como homem, ele se sentia mutilado, arrasado pelo machismo.

Assim como eu, David cresceu numa família machista. Não por crueldade, mas, porque era assim a geração dos nossos pais. Só que ele não é machista, nunca foi. Desde nosso namoro, até antes, o começo da nossa amizade, que já tem mais de dezessete anos, percebo que ele é um cara diferente. E é uma pena dizer que ele é diferente, aqui, porque é no sentido de exceção. E eu realmente gostaria que houvesse mais Davids por aí.

Aquela sensibilidade que a Isabelle citou na sua mensagem, o David tem e faz uso dela. E por isso não compreende o machismo, porque essa prática não mutila só as mulheres, mas os homens, também. Porque no filme pode ser muito bonito o príncipe resgatando a princesa do castelo, mas, na vida real, isso é impor comportamentos, é gerar padrões impróprios e esteriotipar os gêneros.

Na vida real, por causa do massacre do machismo, da reprodução alienada de um comportamento que julga que mulheres são inferiores aos homens, que julga que sensibilidade é fraqueza e invulnerabilidade é poder, que descarta as mulheres e supervaloriza homens, que ensina que meninos são heróis e meninas são mocinhas indefesas, esses “meninos heróis” crescem com o peso de uma responsabilidade que não lhes pertence e não é possível carregar, e, as “mocinhas indefesas” crescem acreditando que não são livres, capazes e donas de suas próprias vidas.

Na vida real, eu vi meu marido sofrer de um início de depressão por causa de uma crise profissional que o impediu de ser o macho alfa dominante provedor da casa. E ele é o fraco por “não ter dado conta”? Não. Fraca é essa sociedade. Fraca e doente. Por  Graça, isso não durou muito tempo e rompemos mais um tabu sem significado algum.

Na nossa vida real, a gente luta contra a impropriedade, contra a propagação de uma cultura falha, deturpada, inautêntica, imprópria, que mutila meninas e meninos. Na nossa vida real, quebramos paradigmas e fazemos nosso possível pra existir com autenticidade, mesmo que isso signifique receber julgamentos, olhares tortos e o título de fracos fracassados. Porque, se ser fraco é viver em horizontalidade, homem e mulher juntos, esposo e esposa companheiros lado a lado, os dois em harmonia rumo ao mesmo objetivo, caindo e levantando juntos, sofrendo juntos e vivendo alegrias juntos, ah, nós somos terrivelmente fracos, com prazer.

E nessa fraqueza, Cristo se mostra nossa Força e Fortaleza. Cristo conduz nossa família, não os tradicionalismos de uma sociedade seriamente doente.

Nessa fraqueza, estamos esperando nosso filho, Zigo, que tem a bênção de nascer numa casa em que será respeitado enquanto ser humano, independente do seu gênero. Que será ensinado a respeitar todas as pessoas independente de quem sejam.

Nessa fraqueza, David tem sensibilidade, luz, criatividade, afeto, carinho e tantas qualidades, que, embora não tenha útero, tem feminilidade. Embora não esteja gestando Zigo, o está gerando no coração, cheio de amor. Tanto amor, tanto afeto, tanto carinho, que acordei numa madrugada dessa semana pra fazer xixi e encontrei David no computador, escrevendo uma carta pro Zigo, demonstrando que homens equilibrados, verdadeiramente fortes e emocionalmente saudáveis são aqueles que entendem que machismo mutila, e não se permitem viver nele.

Graças a Deus, aqui em casa, estamos libertos disso. Agora, temos a responsabilidade de transmitir isso pro Zigo. Mas, ao ler essa carta, creio que não vai ser tão difícil!

“Outubro, 2016.

E aí Zigo, tudo bem?

Sim, por incrível que pareça é seu pai escrevendo. Não se acostume com isso, porque quem gosta e sabe escrever é sua mãe, não eu.

Faz um tempo que já sabemos sobre você. Ainda não sabemos se você é homem ou mulher, mas não importa, estamos preparando tudo para sua chegada (quando digo tudo, digo que estamos arrumando um pouquinho da bagunça que é nossa casa, para ficar habitável, rs). Você vai gostar muito de como é nossa casa, nada convencional, tudo colorido (seu quarto está com a porta laranja, eu que pintei :D, e acredite, eu chorei pintando e imaginando você dormindo lá. Logo vai saber que sou chorão), muita almofada, colchão no chão, do jeito que eu e a Talita gostamos, espero que goste também.

Quando descobri que a Talita estava grávida de você, fiquei um pouco perdido, não entendi direito e até hoje estou um pouco assim, acho que só vai cair a ficha quando você nascer. Por enquanto vou cuidando da Talita, ela enjoa o dia inteiro, não importa o que façamos. Mas, está bem divertido, você já está com 15 semanas e tem um cabeção! Sua mãe não gosta, mas se você puxar à mim, esse cabeção vai continuar, rs.

Fomos visitar uma casa de parto essa semana, provavelmente você nascerá lá. É muito bacana, os funcionários são atenciosos e bem preparados, o quarto é confortável, e se tudo der certo, seu parto será natural e no dia que você escolher. É isso mesmo, você nem fala ainda e já respeitamos suas escolhas. Uma das coisas que eu e a Talita temos é respeito um pelo outro e agora respeito por você, Zigo, você não virá com plateia e hora marcada. Preciso te contar um segredo: na volta de nossa visita, depois de ver todas as coisas sobre o parto, a Talita chorou hahaha, não sou só eu o chorão da casa, viu? Depois a gente tira um sarro da cara dela juntos.

Ainda não faço ideia de como serei como pai, provavelmente serei um pouco parecido com o meu. Infelizmente você não vai conhecer seu avô Antônio, ele já está com Deus e sinto falta dele. Às vezes era bem bravo, gritava, era mandão, rs, mas tinha um coração enorme, era responsável, pontual, honesto, foi caminhoneiro e também tinha uma Kombi, onde a gente trabalhou bastante tempo juntos, muito legal. Depois te conto mais sobre ele, você vai gostar.

Eu sou apaixonado por atividade física, Zigo, e vou te ensinar muitas coisas legais, principalmente o Muaythai e você vai ver como é sensacional lutar. Tudo bem que até agora eu perdi 2 lutas e ganhei só 1, mas dia 19/11 vou lutar de novo, estou me preparando muito, treinando bastante, vou ter muita história para te contar. Meus amigos de treino também estão ansiosos pela sua chegada, e, já vou te avisando, eles vão te zuar um pouco, porque eu brinco demais com eles, se prepare.

Gosto de cozinhar também. Tudo que você aprender na cozinha, provavelmente, será comigo, porque se depender da Talita, nós 3 passaremos fome, rs. Brincadeira, ela consegue se virar, mas, quem manda na cozinha sou eu.

É isso Zigo, estou escrevendo para que você saiba que será bem recepcionado por mim, sua mãe e também por nossos familiares e amigos. Desde já oramos muito pela sua vida, pedimos para Deus pelo seu futuro, porque viver nesse mundo não é nem um pouco fácil, mas, como Ele cuida de nós, vai ser uma vida plena e feliz. Claro que terão momentos de tristeza, dor, angústia, mas, até você saber se cuidar sozinho, nós vamos cuidar de você da nossa melhor maneira.

Estou ansioso pra te ver logo, não vejo a hora.

Com amor,

David, seu pai e palhaço.”

gerado no coração.jpg
Os pais geram no coração

* Ilustração retirada da internet, autor desconhecido.


Talita Guedes Bittioli é uma alma encarnada lutando pra cumprir sua missão na Terra e poder um dia voltar pros braços do Pai. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Frutificar para Transbordar

A menina e a fruta

Adélia Prado

Um dia, apanhando goiabas com a menina,

ela abaixou o galho e disse para o ar

– inconsciente de que me ensinava –

“goiaba é uma fruta abençoada”.

Seu movimento e rosto iluminados

agitaram no ar a poeira e o Espírito:

o Reino é dentro de nós,

Deus nos habita.

Não há como escapar da fome da alegria!

 

Baixe o wallpaper desse mês!
Escolha sua resolução: {1024px X 768px}   {1366px X 768px}   {1680px X 1050px}


Carolina Selles é apaixonada por cores, histórias e sabores, é designer, graduada em Arte & Tecnologia e uma das idealizadoras do Santa Paciência.