No limbo eu sofri, mas dele tirei muitas lições

Ontem eu estava mexendo em um pendrive antigo, o primeiro pendrive que tive, aliás, quando encontrei entre as músicas gravadas lá dentro uma da Alanis Morissette, chamada Limbo No More. Ao colocá-la para tocar, me senti viajando no tempo, de volta ao ano de 2008, época em que essa música foi lançada e que, coincidentemente, minha vida se tornou um caos, para em seguida ser levada ao limbo, à suspensão total de tudo como até então eu conhecia.

Eu havia acabado de sair de um casamento, tinha perdido amigos, mudara de casa, tinha deixado a igreja da qual fiz parte desde criança e, um mês depois disso tudo, ainda perdi o emprego. Não restou quase nada a que me apegar. Senti o fundo úmido do poço contra o meu rosto. Eu não via nada à frente. Tudo ficou escuro e frio.

Minha casa, meu papel
Meus amigos, meu homem
Minha devoção a Deus
Tudo amorfo
Indefinido

Nada mais está claro
Nada mais se encaixa
Nada mais parece verdade
E eu nunca me entreguei por completo

Nada tem durado 
Nada mais é afirmativo
Nenhum lugar é lar 
E eu estou pronta para não mais ser limbo

Meu gosto, meus pares
Minha identidade, minha afiliação
Tudo amorfo
Indefinido*

(…)

Uma vez ouvi que a crise guarda em si um grande potencial para que algo novo surja, como uma semente. Lembro de minha psicoterapeuta dizendo algo parecido: Lu, a angústia é boa e saudável quando aponta para uma saída. E se naquele ano tudo tinha vindo abaixo, se nada do que havia sido um dia existia mais, então aquele era um momento crucial na minha vida. Porque era a partir daquele nada que tudo haveria de ser reconstruído. E de uma forma dolorosa e estranhamente prazerosa ao mesmo tempo, todas as escolhas se puseram à minha frente de novo, aguardando por mim. Eu estava pronta para me refazer.

E foi aos poucos e sentindo a mão de Deus pegar a minha e me erguer do chão, que fui fazendo novas escolhas. A primeira delas foi me inscrever no programa de mestrado em literatura. Depois, procurei novos amigos, a partir daqueles que haviam restado. Voltei a dar aulas de inglês e, um ano após a minha separação, encontrei uma nova comunidade de fé, à qual pertenço até hoje. Antes de encontrar essa igreja, porém, eu havia frequentado uma outra, formada de jovens universitários. Cheguei a ir a um acampamento com eles e me lembro de uma reunião que fizemos ali, em que eles oraram pela família que um dia formariam. Nem tive coragem de me unir a eles nessa oração. Sentada mais longe, falei para Deus muito rapidinho: Se eu pudesse… um dia… formar uma família…. eu ficaria muito… feliz. Depois de um ano dessa oração, conheci o David – o descendente de coreano, artista e talentoso, cujo trabalho todo mundo admirava -, que veio a se tornar meu querido marido e pai do nosso coreaninho loiro, o Álef.

Faz quase 9 anos que a Alanis Morissette lançou o seu álbum com a música Limbo No More nele. E faz esse mesmo tempo que a minha vida foi varrida pelo terremoto metafórico mais tenebroso que já experimentei. Ainda assim, chegou o dia em que eu pude dizer como ela: estou pronta para não mais ser limbo. Mas foi no limbo que eu aprendi. Foi no limbo que me humanizei, que estourei a bolha em que eu vivia e que, longe de me rebelar contra Deus, me vi mais dependente Dele e de suas segundas e terceiras chances. O limbo me ensinou a fazer escolhas responsáveis e mais do que isso ainda: foi no limbo que enxerguei o valor e os efeitos edificadores do arrependimento e da humildade. Finalmente, foi no limbo que eu aprendi a ter esperança.

Eu sento com quadros preenchidos e
Meus livros e meus cachorros aos meus pés
Meu amigos ao meu lado
Meu passado amontoado numa pilha

Joguei fora a maior parte das minhas coisas
E só mantive o que eu preciso 
Para aperfeiçoar algo consistente e notavelmente eu

Tatuagem na minha pele
Meus professores no coração
Minha casa é um lar
Algo do qual finalmente sinto fazer parte

Um senso de mim mesma
Meu propósito é claro
Minhas raízes no solo
Algo do qual finalmente sinto fazer parte

Algo alinhado
Com o qual finalmente me comprometer
Algum lugar ao qual eu pertenço
Porque estou pronta para não mais ser limbo

Minha sabedoria na prática
Um alicerce firme
Uma promessa a mim mesma
Porque estou pronta para não mais ser limbo*

 

*Tradução livre de Limbo No More, Alanis Morissette. Letra original aqui.

 


Luciana Mendes Kim trabalha como educadora, é amante da literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Um comentário sobre “No limbo eu sofri, mas dele tirei muitas lições

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s