O que queremos é ter a nossa dor validada

A redoma de vidro_Sylvia Plath
Ilustração de Sylvia Plath

Carregamos dores dentro de nós o tempo todo. Se pudessem ser medidas com régua, variariam de tamanho, sim, mas nem por isso deixariam de ser dores. Ontem, por exemplo, meu filho tinha acabado de chegar ao espaço de brincar do Sesc, quando avisaram que a área seria fechada para limpeza. Ele, totalmente imerso dentro de um cubo de madeira gigante, nem sonhava que a brincadeira teria de ser interrompida. E lá fui eu, fazer o serviço sujo: Filho, precisamos ir embora agora, eles vão limpar aqui. Como resposta, recebi um conjunto vazio. Álef, sai do cubo, por favor. Precisamos ir…  Cri cri cri … Não tive outra alternativa, senão entrar no tal cubo e pegá-lo. Ele chorou e ficou tentando se soltar do meu colo, todo protestante: quero ficar! Quero ficar! Até que eu respondi: querido, eu entendo como é chato ter que ir embora. Sei que quer ficar. Mas não podemos. Na mesma hora, ele parou de resistir e aceitou.

Essa mudança brusca na reação do meu filho me fez pensar sobre um ato muito simples, mas que, quando genuíno, tem efeito curativo: a validação da dor do outro. Ao amadurecermos, vamos chegando à difícil conclusão e ao fim da ilusão de que outros seres humanos têm o poder de curar nossas feridas internas. Não, eles não são Deus, não são perfeitos, são limitados e até carregam em si grande potencial para intensificar ainda mais nosso sofrimento. Entretanto, nada impede que essas mesmas pessoas tragam na bagagem de sua vida o antídoto da empatia. Ah, essa palavrinha… tão em voga em tudo agora. Mas faça o teste de memória: quantas vezes, na sua adolescência, tudo o que você queria era apenas ser ouvida por sua melhor amiga, mas ela, na tentativa de fazer você se sentir melhor, insistia em martelar na sua cabeça, que aquele garoto que te deu um fora não te merecia? E as notas vermelhas na escola, então? Um dos temas de sermão favoritos dos pais.

Claro que, com isso, não estou propondo o fim da orientação, do conselho ou da correção. Mas será que nossos conselhos ou opiniões são tão imprescindíveis assim, que precisam mesmo vir antes de tudo? De repente, um toque no ombro primeiro, uma palavra solidária, uma tentativa sincera de se colocar no lugar do outro e compreender sua frustração podem abrir um mundo de possibilidades para a cura entrar. Eu mesma, quando estou triste, não gosto que tentem me animar. Porque é artificial. Não quero fórmulas mágicas, nem sorrisos forçados, menos ainda a cobrança de que tenho que me sentir feliz o tempo todo. Às vezes, tudo de que preciso é alguém que se sente ao meu lado e, em silêncio, tome um chá de hortelã comigo.

Deleito-me ao ler sobre a estratégia que o próprio Deus (referido neste texto como Senhor dos Exércitos, ou seja, intrinsicamente guerreiro), diz que usaria para ajudar um líder de Judá a conduzir os judeus de volta à sua terra:


Não por força, nem por violência, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos Exércitos.
(Zacarias 4.6)

Deus é mesmo um gentleman. E, certamente nós mesmos, que nos inspiramos em tão grande amor e procuramos o outro com interesse genuíno, sem a ansiedade de empurrar soluções goela abaixo, encontraremos um terreno aberto, fértil e sedento aguardando por nós.

 


Luciana Mendes Kim sou eu. Mas, depois de um certo tempo, pode me chamar de Lu. Amo algumas pessoas bem conhecidas (a Clarice Lispector e o Wim Wenders, por exemplo ) e outras tantas do meu convívio. Amo ler ficção, ver filme parado, dançar música eletrônica, tomar chá com amigos queridos e ir ao Sesc com marido e filho. Um dia, conheci a Carol e a Talita e, juntas, criamos o Santa Paciência.

Um comentário sobre “O que queremos é ter a nossa dor validada

  1. Tem um documentário chamado “Pro dia nascer feliz”. Ele é maravilhoso e fala sobre a visão de mundo de crianças em diferentes cenários sociais. Acho que vai muito de encontro sobre o assunto do seu texto, sobre entender a realidade do próximo.

    O seu texto além de ser muito bom, eu considero-o importante!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s