O nosso jeito de amar

christiana-rivers-217056-unsplash

Sempre achei que o amor acontecesse de um jeito só – duas pessoas trocando experiências profundas sobre a vida e expressando, por carinho ou palavras, o quanto apreciam uma a outra. Foi assim que sempre acreditei que se amava e foi assim que sempre alimentei minhas expectativas em relação ao amor.

O problema foi que essa definição de como se ama se mostrou limitada e fez com que eu só me sentisse amada por pessoas parecidas comigo, que gostavam de falar sobre seus sentimentos, enquanto outras, que talvez me amassem também, escaparam do meu radar. Meu pai é o melhor exemplo disso. Ele foi (e ainda é) aquele pai trabalhador, provedor, que saía de casa às 6 da manhã para trabalhar e voltava só às 9 da noite. Criou cinco filhos assim, garantindo a eles comida e educação de qualidade. Era o jeito dele de nos amar.

Nunca compreendi o jeito do meu pai de me amar. Sempre esperei que ele me amasse do jeito que eu amava as pessoas: passando tempo com elas, conversando sobre seus anseios e sonhos, olhando em seus olhos e tocando sua mão. Por anos a fio, fiquei matutando jeitos de conquistar o amor do meu pai. O que nunca havia passado pela minha cabeça ainda era que o amor dele por mim sempre esteve ali, na forma das roupas que eu vestia, da casa gostosa em que eu vivia, no lençol cheiroso sobre o qual eu dormia. Eu nunca havia traduzido corretamente os sinais do amor do meu pai por mim.

O mesmo pode acontecer num relacionamento amoroso. Muita gente já leu e comenta sobre o ótimo livro As cinco linguagens do amor, de Gary Chapman. Considero-o um tesouro quando o assunto é ampliar as possibilidades de comunicarmos o amor, mas mesmo dentro das categorias que ele identifica – tempo de qualidade, palavras de afirmação, presentes, toque físico e serviço – existem nuances.

Pense em duas pessoas que valorizam o tempo de qualidade, por exemplo. Pode ser que uma delas ache que a intimidade está em abrir o coração, enquanto a outra se empolgue quando fala do trabalho. Conheço um casal, em que ela gosta de conversar sobre questões profundas, enquanto ele aprecia o simples fato de estar ao lado dela, mesmo quando estão em silêncio. Ambos demonstram o amor um pelo outro através da dedicação de seu tempo, mas cada um usa esse tempo de jeito diferente. Continuar nutrindo expectativas quanto ao modo “certo” de sermos amados significa insistir em cutucar uma ferida que talvez nem precisasse existir.

Venho fazendo esse exercício de descobrir como as pessoas amam e como se sentem amadas há pouquíssimo tempo. Chegar à conclusão de que cada um tem seu jeito de demonstrar amor tem me proporcionado cura, como a história que contei sobre o jeito de amar do meu pai. Eu nunca soube ler o amor dele por mim e só agora, depois de 37 anos, é que venho sendo alfabetizada dentro da linguagem dele. Tem sido uma jornada fascinante e divertida, que talvez um dia me torne fluente na língua mais sublime do universo.


Luciana Mendes Kim sou eu. No momento, vivo como uma desbravadora de sonhos.  Tenho mergulhado cada vez mais no Sentido da Vida para conhecê-lo e me maravilhar com ele. Sou mãe de um menino fofinho e casada com um artista visual incrível. Um dia, com as minhas grandes amigas Talita e Carol, criei este blog charmoso e indagador das motivações da nossa alma.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s