Uma voz feminina calada na Inquisição

beguinas

“A história não nos interessa simplesmente por causa da curiosidade pela antiguidade. A história nos interessa porque, mesmo quando nos esquecemos, ela continua vivendo em nós. […] E quanto mais sabemos de nossa história, melhor compreendemos a própria vida”.

frase acima de Justo L. González, retirada do Prefácio do livro Uma voz feminina calada na Inquisição

Ao ler essa frase, compreendi (ainda mais) que dar a voz e ser também a voz em nossa época é de extrema importância. O que sou hoje, além das escolhas que fiz, é também fruto do trabalho de pessoas que vieram antes de mim, que lutaram por direitos que hoje tenho como básicos, que levantaram bandeiras por igualdade social, de gênero ou raça, ou que morreram defendendo e compartilhando a sua fé.

No livro Uma voz feminina calada pela Inquisição, Rute Salviano Almeida relata a vida da primeira mulher levada à fogueira pela Inquisição na França, Margarida Porete.

Margarida nasceu por volta de 1250 e pertenceu ao movimento das beguinas – católicas praticantes do asceticismo e da caridade, que não precisavam viver enclausuradas ou sob os votos de castidade e de pobreza. Com pouca informação sobre sua vida, especula-se que tenha sido uma beguina solitária, além de ter sido uma mulher culta, de nascimento nobre e com elevada educação1.

Em 1296, Margarida escreveu um livro chamado O espelho das almas simples e, com grande audácia, viajou pregando e disseminando seu conteúdo. Também o enviou a autoridades da Igreja, sendo aprovado por alguns como foi o caso do frei João Quaregon, que chegou a afirmar que sua obra tinha sido inspirada pelo Espírio Santo, mas, que temia que poucos pudessem exergar isso, porque “todos os clérigos do mundo” não poderiam entendê-la, a não ser que tivessem um grande discernimento espiritual2. Mas foi acusada de promover a heresia do espírito livre, ficando presa durante 18 meses até o dia de sua condenação em 1310 – queimada viva em praça pública em Paris.

Apesar de hoje entendermos que o desenvolvimento de seu raciocínio sobre a salvação foi equivocado, como se houvesse dois tipos de salvação: “almas que alcançavam a salvação pela graça de Cristo, mas permaneciam escravas da prática das boas obras (virtudes) e do exemplo de Cristo em seus sofrimentos corporais (penitência, flagelos), as quais seriam salvas, mas nunca alcançariam a plenitude espiritual, ou a posição espiritual mais elevada reservada àquelas que abandonavam a vontade e atingiam a aniquilação.”3 ou “em louvor à alma aniquilada, chegou a afirmar que, em completa aniquilação e em união perfeita com seu Criador e Senhor, tal alma recebe mais saber do que o contido nas Escrituras, mais compreensão do que a que está ao alcance da capacidade ou do trabalho humano de alguma criatura.”4, sua obra trouxe reflexões muito interessantes sobre a importância de se realizar a vontade de Deus, em vez de seu próprio desejo, além de alertar as pessoas sobre a inutilidade de sacramentos, obras e intermediários na comunhão com Deus.5

Acredito que a caminhada com Deus deve se dar conforme a jornada que Margarida Porete trilhou, e não estou colocando aqui alguns de seus pontos teológicos – os quais, ao meu ver e devido a todo o contexto histórico/cultural em que surgiu, é compreensível –, mas a tenho como referência por sua extrema vontade em anular seus próprios desejos para que a vontade de Deus pudesse imperar em sua vida.

Rute Salviano Almeida, autora do livro que conta a vida de Margarida, essa voz feminina calada na Inquisição, gentilmente respondeu algumas perguntas para nós e, abaixo, você pode conferir todo o bate-papo. Espero que, este livro bem como todo o trabalho que a Rute vem desenvolvendo, possa inspirá-las(os).

1) Como foi a ideia em dar voz às mulheres que também contribuíram e fizeram grande diferença em períodos tão marcantes do Cristianismo – mas que infelizmente em tais épocas e movimentos somente homens e seus feitos são lembrados?

Eu lecionei por quase 20 anos na Faculdade Teológica Batista de Campinas e, quando dava aulas de História do Cristianismo, achava falta das personagens femininas. Como tinha certeza de que as mulheres, a exemplo das citadas no Novo Testamento, sempre participaram da história cristã, resolvi pesquisar a respeito. Minha ideia era escrever sobre a participação feminina na história do Cristianismo de uma forma diferente, com mais imagens, sempre trazendo o contexto da época, destacando detalhes tais como moda, sentimentos femininos, mulher no lar, espiritualidade etc. O ponto de partida foi a minha dissertação de mestrado, onde escrevi sobre a mulher na Reforma e dela surgiu meu primeiro livro “Uma voz feminina na Reforma”.

2) Neste livro você aborda muito bem o último período da Idade Média – que compreendia os séculos XII, XIII e XIV – nos ajudando a entender o contexto, no qual Margarida Porete cresceu e desenvolveu sua missão. Você poderia sintetizar essa época, ajudando quem nos lê a compreender um pouco o panorama, no qual nossa personagem viveu?

Foi um período de decadência do feudalismo, porque muitos nobres morreram ou voltaram empobrecidos das Cruzadas; de crescimento da autoridade dos reis; de embates entre papas e soberanos; de bulas que declaravam que fora da Igreja não havia salvação, para confirmar a superioridade pontifícia sobre a temporal. Enfim, uma época de ganância dos poderosos e de credulidade do povo simples. O povo europeu cria em Deus, sem dúvida alguma; mas era um Deus de quem se tinha medo, era o causador das epidemias, inundações, pestes etc. O Deus de amor, o Deus que enviou Jesus para salvação pela fé não era conhecido. O fiel era analfabeto e só sabia sobre Deus e religião o que via nas imagens das catedrais. A missa era celebrada em latim, uma língua desconhecida, portanto, era grande a superstição e a falta de fé verdadeira.

3) Gilberto Tournai, frade franciscano da época, falou sobre as beguinas: “Existem, entre nós, mulheres que não sabemos como chamá-las, mulheres comuns ou freiras, porque elas não vivem no mundo nem fora dele” (trecho extraído do livro Uma Voz Feminina Calada na Insquisição, página 131), achei muito bela essa definição, pois ao meu ver, caracterizava liberdade e aceitação entre elas por seus estilos de vida, além também da busca delas em viver pelas “coisas do alto”, vivendo ainda neste mundo. E para você, Rute, qual foi a maior contribuição que as beguinas trouxeram para nós mulheres cristãs de hoje?

Acredito que nos inspiram por sua união, comunhão uma com as outras, ajuda mútua, desejo de entender mais a fé cristã e, principalmente, compaixão. Elas viviam para ajudar o próximo, foram pioneiras em sua época na ação social, socorrendo enfermos, cuidando de leprosos, aconselhando e abrigando prostitutas e até mesmo chegaram a construir escolas para meninas, em uma clara demonstração de valorização da educação.

4) Além de Margarida Porete ser mulher, escritora e pregar em público e na língua do povo, o que você acha que mais incomodou seus inquisidores em seu livro O espelho das almas simples?

Acredito que foi sua crítica à igreja instituída, a qual chamava de Santa Igreja Pequena e afirmava que era subordinada à razão. Ela escreveu que a real Igreja Santa era constituída de almas livres e simples que julgariam a pequena Igreja. Para ela, Deus iria castigar toda a hierarquia eclesiástica que havia falhado.

5) Vendo essas e outras mulheres em contextos tão opressores, mas que buscavam formas de servir e contribuir utilizando seus dons e talentos para uma sociedade mais justa, em sua opinião, quais seriam os pontos ou contribuições que quase não avançamos desde então, e que ainda precisamos refletir e ter coragem e ousadia para mudar?

As mulheres, na atualidade, são eleitas para todos os cargos públicos, trabalham em quase todas as profissões e têm ocupado espaços antes inatingíveis. Em minha opinião, não têm se preocupado (a maioria delas) em exercer seus dons espirituais em suas igrejas locais, independentemente das funções para isso exigidas. Estão acomodadas e exercendo o que para elas é suficiente: ensino para crianças, trabalho com mulheres, ação social etc. Mas, se Deus as capacitar com dons mais específicos como liderança ou pregação, não os exercem porque lhes falta liberdade em suas igrejas ou porque elas próprias acreditam que não são dignas de tais tarefas.

6) E há previsão de alguma nova publicação? Pode nos contar um pouquinho sobre? E muito obrigada por seu extenso trabalho de pesquisa e divulgação de todas essas vozes femininas, Rute. Seu trabalho me cativou profundamente e fico muito feliz em tomar conhecimento de iniciativas como a sua. Nós, mulheres, agradecemos, além de nos tornarmos mais fortes no caminhar conhecendo tantas outras mulheres inspiradoras.

Em primeiro lugar, sou eu que agradeço o interesse pelo meu trabalho. Fico muito feliz e honrada em saber que, aos poucos, vou conquistando leitoras que se interessam na divulgação dessas histórias edificantes de cristãs comprometidas com o Reino de Deus. Deus a abençoe e a todas que lerem essa entrevista.

O meu 4º livro, Vozes femininas no início do Cristianismo, será publicado no próximo ano. Ele apresentará a Roma dos primeiros séculos, a igreja primitiva, as mártires, diaconisas, monjas e mulheres relacionadas aos Pais da Igreja. No momento, pesquiso sobre os movimentos de avivamentos dos séculos XVIII e XIX e pretendo escrever Vozes femininas nos movimentos de avivamentos, encerrando então a série de Vozes femininas na história do Cristianismo.

Em uma ordem cronológica, segue a série, com 5 livros:
– Vozes femininas no início do Cristianismo: sobre a igreja primitiva (Idade Antiga) – será publicado em 2016;
– Uma voz feminina calada pela Inquisição (Idade Média), publicado em 2012;
– Uma voz feminina na Reforma (Idade Moderna), publicado em 2010;
– Vozes femininas nos movimentos de avivamento (Inglaterra e Estados Unidos – séculos XVIII e XIX – Idade contemporânea): ainda em fase de pesquisa e escrita.
– Vozes femininas no início do protestantismo brasileiro (Brasil – séculos XIX/XX), publicado em 2014;

Espero em Deus a capacitação para conclusão dessa série e agradeço a Editora Hagnos pela confiança em mim depositada para publicação dos meus livros.

Notas – informações retiradas do livro Uma voz feminina calada na Inquisição:
Iinformações extraídas da página 152
Citação extraída da página 153
Citação extraída das páginas 168 e169
Citação extraída da página 171
Informações extraídas da página 170

Imagem de Fernando Moleres e foi retirada desse site


Carolina Selles é apaixonada por cores, histórias e sabores, é designer, graduada em Arte & Tecnologia e uma das idealizadoras do Santa Paciência.