Um desabafo e um apelo às feministas cristãs

Esta semana chegaram em minha timeline dois ou três artigos falando sobre o crescente número de evangélicas que têm aderido ao feminismo. Se por um lado essa notícia é de animar, uma vez que esse tabu finalmente tem sido quebrado no meio cristão (demorou, não?), por outro, existe um discurso rançoso e insistente nas entrelinhas de algumas entrevistas que tratam desse assunto, que é o seguinte: a Bíblia é ultrapassada e não pode ser levada a sério. Tudo ali deve ser relativizado. Agora me respondam vocês, companheiras na causa e na fé: por que precisamos colocar em xeque o caráter sagrado das Escrituras para validar o nosso discurso? Por quê???? (perdoem-me pelo excesso de interrogações, mas preciso deixar bem expresso aqui o grau da minha indignação).

A não ser que eu seja muito ignorante mesmo, essa necessidade de estabelecer uma dicotomia entre a Bíblia como verdade e o feminismo, a fim de justificar a aderência das cristãs ao movimento, não entra na minha cabeça de forma alguma. Eis algumas considerações e textos retirados da Bíblia, que explicam o tamanho do meu espanto:

  • Pelo que eu entendo do feminismo, trata-se, essencialmente, de um movimento que luta por respeito e direitos iguais entre os gêneros. Sei que existe uma vertente mais radical, que preconiza a superioridade do gênero feminino sobre o masculino, mas imagino (e me corrijam se eu estiver errada), que não é isso que o feminismo como um movimento mais abrangente defende, uma vez que o que o move é o ideal de justiça. E olha só o que diz a Bíblia: Não há judeu nem grego, não há escravo nem livre, não há homem nem mulher; pois todos vós sois um só em Cristo Jesus (Gálatas 3.28, negrito meu).
  • Só o texto bíblico acima já daria conta de justificar a causa feminista mais abrangente. Mas aí virão algumas dizer sobre o versículo famoso de Paulo sobre o casamento, que propõe a submissão da mulher em relação ao marido (Efésios 5.22). Vou repetir o que muitos já disseram: continue lendo que você verá que o marido, em troca, deve amar tanto a mulher, que deve estar disposto a dar a própria vida por ela (são vááários versículos sucessivos que reforçam isso, a partir do 5.25). É como minha amiga Fernanda Pinilha falou: relação de submissão é diferente de relação de opressão. Uma relação movida por um amor puro como o descrito nesse texto do apóstolo Paulo certamente cria um ambiente propício para ambos encontrarem seu espaço. Submissão, neste texto, definitivamente significa respeito (só ver o resumo de tudo no verso 33) e respeito é a cola básica de qualquer união.
  • Podíamos passar parágrafos e mais parágrafos citando exemplos do protagonismo de certas mulheres em diversas narrativas bíblicas (as próprias reportagens sobre o feminismo entre as evangélicas já citam alguns exemplos, como as mulheres que divulgaram a ressurreição de Jesus), mas é fato que o machismo é presente na maioria das histórias que compõem as Escrituras, principalmente o Antigo Testamento. Mas companheiras queridas, vamos ser bastante lógicas neste momento: estamos falando de sociedades ancestrais, cujas organização familiar e mentalidade não podem, de maneira alguma, ser analisadas tendo como referência, base, teoria ou o que quer que seja a mentalidade da cultura ocidental atual. Isso seria como querer tratar uma doença típica daquela época, como a hanseníase (vulgo lepra), com uma medicação desenvolvida nos dias de hoje – ou seja, impossível! Simplesmente a igualdade entre os gêneros não existia como possibilidade de problematização para as pessoas daquela época. Cada sociedade tratava a mulher da forma como entendia ser o certo e ninguém questionava isso, fazer o quê? Isso não quer dizer que a Bíblia endosse esse comportamento específico. Ela apenas o retrata, com as virtudes e as mazelas típicas da história de qualquer povo.
  • Agora que já passamos pela questão da Bíblia e vimos que – ufa! – ela não está dissociada da causa feminista abrangente, vamos à questão que, aí sim, é de um machismo evidente: a participação das mulheres na igreja. Aí o nosso olhar não está mais sobre o que Deus acha disso, mas como as pessoas dentro de uma igreja lidam com isso. Como não sou homem, não sei explicar tamanha resistência em abrir espaço para as mulheres ocuparem (a não ser no ministério infantil, claro): seria medo de elas falarem besteira? De se destacarem? Ou então falarem demais? Sensualizarem enquanto lideram? Não serem suficientemente inteligentes? Algumas amigas e eu já especulamos um pouco o assunto e chegamos a pensar que todo esse medo denota uma insegurança do homem frente a uma mulher, em termos de sexualidade mesmo. Bom, como eu falei, são só especulações e não afirmações. Apenas os homens podem analisar suas motivações para barrarem tanto a contribuição feminina em postos de destaque na igreja. Só espero que eles não continuem recorrendo à Bíblia para justificar um preconceito ou uma dificuldade que está dentro deles próprios e não em outro lugar.

Mulheres cristãs feministas, que bom que vocês existem! E que papel importante estão desempenhando dentro de uma realidade que deveria ser, por essência, igualitária, justa e graciosa! Não deixem a causa. Nem a fé. Porque a causa sem a fé pode gerar extremismos e distorções e a fé sem a causa deixa tudo como está dentro das igrejas: um monte de mentes femininas brilhantes e cheias do Espírito sendo desperdiçadas por preconceito injustificável.

Que a fé no Autor das Escrituras nos leve à oração e à união para que continuemos a influenciar nosso contexto.

 


Luciana Mendes Kim sou eu. Mas, depois de um certo tempo, pode me chamar de Lu. Amo algumas pessoas bem conhecidas (a Clarice Lispector e o Wim Wenders, por exemplo ) e outras tantas do meu convívio. Amo ler ficção, ver filme parado, dançar música eletrônica, tomar chá com amigos queridos e ir ao Sesc com marido e filho. Um dia, conheci a Carol e a Talita e, juntas, criamos o Santa Paciência.

 

 

Sobre a sensibilidade do ser-pai numa sociedade machista

homem-e-sensibilidade
Ilustração: Betusha Rapatusha

No domingo de Dia das Mães desse ano, a psicóloga Isabelle Ludovico esteve no Projeto 242, comunidade em que David e eu somos membros, falando sobre a data comemorativa.

Foi muito diferente de todas as mensagens e comemorações de Dia das Mães em igreja que já tinha visto, ao longo dos meus quase 30 anos dentro de igrejas.

Ela falou coisas que me marcaram, sobre ser-mulher, ser-mãe, feminilidade, feminismo, machismo e sobre o quanto o sufocamento das características femininas no mundo, por meio do machismo e do desrespeito às mulheres, prejudicam o Universo como um todo. O quanto anima e animus estão em desequilíbrio e esse desequilíbrio é fatal. O quanto é importante que homens desenvolvam, apreciem e usem sua feminilidade. Inclusive, – e que foi o ponto chave pra mim – como Deus mostra sua sensibilidade, força e beleza através das mulheres e como Ele é, além de nosso Pai, nossa Mãe.

Saindo de lá, perguntei pro David o que ele tinha achado e senti um amargo de angústia quando ele respondeu: sabe aquele filme que a gente assistiu, da menina da Somália que virou modelo, depois embaixadora da ONU, acho que é Flor do Deserto, o nome? Então, é lógico que aquilo que fazem com aquelas meninas não pode ter comparação, mas, é como eu me sinto, mutilado.

Se você ainda não assistiu esse filme, assista. É avassalador.

O David continuou, dizendo que tinha gostado muito do que a Isabelle disse, que concordava, que era aquilo mesmo que ele acreditava e que foi um alívio, porque como homem, ele se sentia mutilado, arrasado pelo machismo.

Assim como eu, David cresceu numa família machista. Não por crueldade, mas, porque era assim a geração dos nossos pais. Só que ele não é machista, nunca foi. Desde nosso namoro, até antes, o começo da nossa amizade, que já tem mais de dezessete anos, percebo que ele é um cara diferente. E é uma pena dizer que ele é diferente, aqui, porque é no sentido de exceção. E eu realmente gostaria que houvesse mais Davids por aí.

Aquela sensibilidade que a Isabelle citou na sua mensagem, o David tem e faz uso dela. E por isso não compreende o machismo, porque essa prática não mutila só as mulheres, mas os homens, também. Porque no filme pode ser muito bonito o príncipe resgatando a princesa do castelo, mas, na vida real, isso é impor comportamentos, é gerar padrões impróprios e esteriotipar os gêneros.

Na vida real, por causa do massacre do machismo, da reprodução alienada de um comportamento que julga que mulheres são inferiores aos homens, que julga que sensibilidade é fraqueza e invulnerabilidade é poder, que descarta as mulheres e supervaloriza homens, que ensina que meninos são heróis e meninas são mocinhas indefesas, esses “meninos heróis” crescem com o peso de uma responsabilidade que não lhes pertence e não é possível carregar, e, as “mocinhas indefesas” crescem acreditando que não são livres, capazes e donas de suas próprias vidas.

Na vida real, eu vi meu marido sofrer de um início de depressão por causa de uma crise profissional que o impediu de ser o macho alfa dominante provedor da casa. E ele é o fraco por “não ter dado conta”? Não. Fraca é essa sociedade. Fraca e doente. Por  Graça, isso não durou muito tempo e rompemos mais um tabu sem significado algum.

Na nossa vida real, a gente luta contra a impropriedade, contra a propagação de uma cultura falha, deturpada, inautêntica, imprópria, que mutila meninas e meninos. Na nossa vida real, quebramos paradigmas e fazemos nosso possível pra existir com autenticidade, mesmo que isso signifique receber julgamentos, olhares tortos e o título de fracos fracassados. Porque, se ser fraco é viver em horizontalidade, homem e mulher juntos, esposo e esposa companheiros lado a lado, os dois em harmonia rumo ao mesmo objetivo, caindo e levantando juntos, sofrendo juntos e vivendo alegrias juntos, ah, nós somos terrivelmente fracos, com prazer.

E nessa fraqueza, Cristo se mostra nossa Força e Fortaleza. Cristo conduz nossa família, não os tradicionalismos de uma sociedade seriamente doente.

Nessa fraqueza, estamos esperando nosso filho, Zigo, que tem a bênção de nascer numa casa em que será respeitado enquanto ser humano, independente do seu gênero. Que será ensinado a respeitar todas as pessoas independente de quem sejam.

Nessa fraqueza, David tem sensibilidade, luz, criatividade, afeto, carinho e tantas qualidades, que, embora não tenha útero, tem feminilidade. Embora não esteja gestando Zigo, o está gerando no coração, cheio de amor. Tanto amor, tanto afeto, tanto carinho, que acordei numa madrugada dessa semana pra fazer xixi e encontrei David no computador, escrevendo uma carta pro Zigo, demonstrando que homens equilibrados, verdadeiramente fortes e emocionalmente saudáveis são aqueles que entendem que machismo mutila, e não se permitem viver nele.

Graças a Deus, aqui em casa, estamos libertos disso. Agora, temos a responsabilidade de transmitir isso pro Zigo. Mas, ao ler essa carta, creio que não vai ser tão difícil!

“Outubro, 2016.

E aí Zigo, tudo bem?

Sim, por incrível que pareça é seu pai escrevendo. Não se acostume com isso, porque quem gosta e sabe escrever é sua mãe, não eu.

Faz um tempo que já sabemos sobre você. Ainda não sabemos se você é homem ou mulher, mas não importa, estamos preparando tudo para sua chegada (quando digo tudo, digo que estamos arrumando um pouquinho da bagunça que é nossa casa, para ficar habitável, rs). Você vai gostar muito de como é nossa casa, nada convencional, tudo colorido (seu quarto está com a porta laranja, eu que pintei :D, e acredite, eu chorei pintando e imaginando você dormindo lá. Logo vai saber que sou chorão), muita almofada, colchão no chão, do jeito que eu e a Talita gostamos, espero que goste também.

Quando descobri que a Talita estava grávida de você, fiquei um pouco perdido, não entendi direito e até hoje estou um pouco assim, acho que só vai cair a ficha quando você nascer. Por enquanto vou cuidando da Talita, ela enjoa o dia inteiro, não importa o que façamos. Mas, está bem divertido, você já está com 15 semanas e tem um cabeção! Sua mãe não gosta, mas se você puxar à mim, esse cabeção vai continuar, rs.

Fomos visitar uma casa de parto essa semana, provavelmente você nascerá lá. É muito bacana, os funcionários são atenciosos e bem preparados, o quarto é confortável, e se tudo der certo, seu parto será natural e no dia que você escolher. É isso mesmo, você nem fala ainda e já respeitamos suas escolhas. Uma das coisas que eu e a Talita temos é respeito um pelo outro e agora respeito por você, Zigo, você não virá com plateia e hora marcada. Preciso te contar um segredo: na volta de nossa visita, depois de ver todas as coisas sobre o parto, a Talita chorou hahaha, não sou só eu o chorão da casa, viu? Depois a gente tira um sarro da cara dela juntos.

Ainda não faço ideia de como serei como pai, provavelmente serei um pouco parecido com o meu. Infelizmente você não vai conhecer seu avô Antônio, ele já está com Deus e sinto falta dele. Às vezes era bem bravo, gritava, era mandão, rs, mas tinha um coração enorme, era responsável, pontual, honesto, foi caminhoneiro e também tinha uma Kombi, onde a gente trabalhou bastante tempo juntos, muito legal. Depois te conto mais sobre ele, você vai gostar.

Eu sou apaixonado por atividade física, Zigo, e vou te ensinar muitas coisas legais, principalmente o Muaythai e você vai ver como é sensacional lutar. Tudo bem que até agora eu perdi 2 lutas e ganhei só 1, mas dia 19/11 vou lutar de novo, estou me preparando muito, treinando bastante, vou ter muita história para te contar. Meus amigos de treino também estão ansiosos pela sua chegada, e, já vou te avisando, eles vão te zuar um pouco, porque eu brinco demais com eles, se prepare.

Gosto de cozinhar também. Tudo que você aprender na cozinha, provavelmente, será comigo, porque se depender da Talita, nós 3 passaremos fome, rs. Brincadeira, ela consegue se virar, mas, quem manda na cozinha sou eu.

É isso Zigo, estou escrevendo para que você saiba que será bem recepcionado por mim, sua mãe e também por nossos familiares e amigos. Desde já oramos muito pela sua vida, pedimos para Deus pelo seu futuro, porque viver nesse mundo não é nem um pouco fácil, mas, como Ele cuida de nós, vai ser uma vida plena e feliz. Claro que terão momentos de tristeza, dor, angústia, mas, até você saber se cuidar sozinho, nós vamos cuidar de você da nossa melhor maneira.

Estou ansioso pra te ver logo, não vejo a hora.

Com amor,

David, seu pai e palhaço.”

gerado no coração.jpg
Os pais geram no coração

* Ilustração retirada da internet, autor desconhecido.


Talita Guedes Bittioli é uma alma encarnada lutando pra cumprir sua missão na Terra e poder um dia voltar pros braços do Pai. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Nasci Menina, me pari mulher

O Santa Paciência chegou à minha vida em um momento de re-significações. E aí eu me propus a escrever um texto sobre feminilidade, mas, entendi que, então, eu preciso escrever sobre a mulher que eu quero ser. Como eu vou escrever sobre feminilidade, se eu não entendo bem a minha feminilidade? E esse texto será, na verdade, um parto daquilo que vem sendo gerado há exatos 29 anos na Terra, já que hoje completo minha vigésima nona volta ao redor do sol e entro no meu ano trinta, mais os 9 meses no ventre da dona Nena.

Fiquei pensando nessa mulher que quero ser e aí, me auto boicotei usando uma ferramenta conhecida: racionalizei. Eu racionalizo tudo, tenho resposta pra tudo e dessa vez a resposta foi: Talita, sua tola, você é existencialista, é ser-de-infinitas-possibilidades, nunca deverá se fechar num tipo só, você é o que quiser ser, não fique pensando nisso. Pois bem, de fato eu existo no mundo de formas diversas, mas, eu sinto a necessidade de me apropriar de mim mesmo, ser autêntica, e isso inclui pensar na minha feminilidade.

“Então chegou o dia em que o risco necessário de permanecer apertada em um botão era mais doloroso que o risco necessário para florir”.
(Anaïs Nin)

Sempre tive interesse no tema, provavelmente pelo fato de ter ouvido incontáveis vezes, desde pequena, que eu deveria ser mais feminina. Aliás, creio que escutei demais que eu deveria muitas coisas. Talvez, por isso, cresci me cobrando a perfeição e sendo tão intolerante às minhas falhas humanas e tendo contratura muscular durante a meditação no yoga. Meu Deus, quem é que tem contratura muscular em plena meditação?! Eu tenho. Eu tinha. Eu tive, não quero ter mais.

Nunca tive o perfil de mocinha. Eu gostava de brinquedos, brincadeiras, roupas e várias outras coisas consideradas de menina, mas, eu também gostava disso tudo quando era considerado de menino e eu era, já na infância, segundo meus pais, afiada nas respostas, teimosa, brava, arisca. Não combinava com a delicadeza que era esperada por parte das garotas. Contrariava, impunha minha opinião e não baixava a cabeça pros meninos. Incomum. Meio estranha. Dizem por aí que é porque sou de Peixes, mas eu não entendo muito bem de signos.

10868244_681905391928707_2980107638501328552_n
Crédito na imagem

Sei que a cada dia que passa me descubro, me revelo e me desvelo, na tentativa de encontrar meu caminho próprio. Sim, o meu caminho, onde só se encaixam os meus pés, o meu corpo e o meu ritmo. Onde sou apropriada de mim. E ser menininha parece que nunca me foi próprio, embora traga isso em meu nome, nome próprio. Não é engraçado, aquilo que chamamos de próprio não foi escolhido por nós? Nosso nome.  Meu nome é Talita (sem h, pelo amor de Jesus Cristo nosso Senhor amém), uma palavra aramaica, cuja tradução em português é nada menos que menina. Sou-Menina. Nasci Menina. E embora cor de rosa, ballet e frufrus não combinem comigo, tem uma história sobre meu nome próprio que eu adoro, está registrada na Bíblia, em Marcos, capítulo 5. Tá, a história não é sobre meu nome, vai, mas nessa história Jesus falou meu nome num contexto que eu interpreto como fazendo parte de quem eu sou e do que eu tenho entendido como sendo próprio de mim.

Jesus estava passando por vários lugares, curando pessoas, fazendo milagres e mostrando sinais. Então, à beira mar, um cara chamado Jairo, que era um dos líderes da igreja dali da região, implorou que Jesus fosse ver sua filha, que estava morrendo. Jesus foi. No meio do caminho, algumas pessoas cruzaram com eles, vindas da casa do Jairo e falaram pra ele parar de incomodar Jesus, porque a filha dele já tinha morrido. Pessoas agradabilíssimas deviam ser. Jesus virou pro Jairo e disse: não liga pra eles, simplesmente confie em mim (olha, eu já perdi as contas de quantas vezes Jesus me disse isso também). Quando chegaram à casa do Jairo, um bando de gente inconveniente e intrometida ficou no meio do caminho. Jesus deu um fora neles (Ele devia ter umas tiradas sensacionais) e falou pra pararem com o falatório, porque a menina estava apenas dormindo. Aí Ele entrou no quarto da menina, segurou a mão dela e disse: “Talita cumi!”, que traduzindo do aramaico significa: menina, levante!

E é aqui que tudo começa a fazer sentido pra mim e que eu entendo como sendo a história da minha construção, da minha feminilidade e da minha forma de existir-no-mundo. Talvez você se familiarize, talvez ache uma completa bobagem ou talvez se identifique. Seja como for, a questão é gerar a reflexão de que nós, mulheres, não temos um padrão exato em que devemos nos encaixar e plastificar (Já assistiram ao filme Mulheres Perfeitas? E o filme Garota Exemplar? Assistam!). Somos um movimento, uma construção.

 “Seu lugar está entre as flores silvestres
Seu lugar está em um barco em alto mar
Seu lugar está com seu amor em seus braços
Seu lugar está em algum lugar onde você se sinta livre”.
(Tom Petty)

E a sociedade, o machismo, a mídia, as igrejas, as religiões, as novelas, os livros, Hollywood, a Disney, o feminismo, nossos pais e mães, nossos companheiros e companheiras, a líder do nosso grupo pequeno ou do ministério de mulheres, nossos professores, nossos terapeutas, nossos filhos, nossos amigos e amigas, não são os designers, arquitetos, engenheiros, mestres de obra e pedreiros do nosso próprio projeto de existência.

Temos um Criador. E quem trabalha junto dEle somos nós, nessa tarefa árdua e sublime de construção do eu. Conexão direta, pá-pum. Essa galera toda pode e vai atuar como colaboradores terceirizados, mas a responsabilidade de ser e existir autenticamente é nossa, doa o quanto doer e custe o quanto custar. E dói. E custa.

Sim, eu sei de tudo isso desde sempre, mas, nesse contexto sexista em que vivo, fui patinho feio em muitas turmas ao me afirmar uma feminina fora do padrão imposto. Principalmente no meio cristão, porque, veja bem, a chamada mulher virtuosa te parece combinar com o conceito de uma mulher independente, forte e de atitude? Eu aprendi que não. Não a mulher virtuosa da Bíblia, mas o conceito torto que fizeram do que aparece na Bíblia. A mulher virtuosa da Bíblia é hardcore, depois falo dela aqui, também!

Muitas vezes precisamos nos desconstruir e reconstruir a partir daquilo que é verdadeiramente nosso, e não dos nossos pais (o que é feito na nossa criação, nosso desenvolvimento), da sociedade e desses outros agentes que já falei aí em cima. E eu acredito que pra mulher esse trabalho pode ser mais puxado, porque a cobrança em cima de nós é devastadora.

“Deus pôs em seu íntimo uma feminilidade que é poderosa e terna, impetuosa e fascinante. Não há dúvida de que ela tem sido mal compreendida. Certamente, tem sido agredida. Mas está ali, seu verdadeiro coração, e vale a pena recuperá-lo”.
(Stasi Eldredge no livro Em Busca da Alma Feminina)

Já ouvi absurdos de vários tipos (cito aqui só as coisas mais básicas, ok?), como pessoas dizendo que eu ficaria mais bonita se usasse maquiagem, que salto alto valorizaria minhas pernas, que se eu emagrecesse uns 5 quilinhos ia ficar melhor apresentável, que eu deveria ser mais meiga porque boas moças não são enérgicas, que eu tenho muita atitude e isso assusta, que eu tenho um jeitinho determinado que intimidaria os rapazes, que não posso ser muito independente porque homem gosta de cuidar, que não posso ser forte porque homem gosta de proteger, que não posso ser muito segura porque homem se sente inferiorizado, que meu cabelo enrolado e volumoso chama muita atenção e eu deveria alisá-lo. E talvez eu chame tudo isso de absurdos porque se trata justamente do que eu não quero ser como mulher. Eu não quero ser bonita segundo o padrão das revistas de moda, eu não quero ser maternal com os homens, eu não quero ser dependente do meu marido, eu não quero ser o sexo frágil. Também não quero ser caracterizada como masculina por não ser melindrosa, não ser fofa, não ser delicada, por ter firmeza e atitude. O sexismo me dá preguiça, eu só quero ser eu.

E percebo que pra construir minha identidade, não adianta ficar tentando encontrar uma mulher referência. Minha autenticidade está no construir e re-significar, está na minha relação com o Deus que acredito, está na história da filha do Jairo. Isso é o que eu tenho escutado do meu Criador a respeito do modo como minha feminilidade se mostrará própria. A forma como aos poucos me desconstruirei, me livrarei da domesticação a qual fui submetida e poderei me identificar com a mulher saudável que a Clarissa cita no livro Mulheres que Correm com os Lobos, que eu vivo indicando aqui no Santa Paciência:

“Uma mulher saudável assemelha-se muito a um lobo: robusta, plena, com grande força vital, que dá a vida, que tem consciência do seu território, engenhosa, leal, que gosta de perambular. Entretanto, a separação da natureza selvagem faz com que a personalidade da mulher se torne mesquinha, parca, fantasmagórica, espectral. Não fomos feitas pra ser franzinas, de cabelos frágeis, incapazes de saltar, de perseguir, de parir, de criar uma vida. Quando as vidas das mulheres estão em estase, tédio, já está na hora de a mulher selvática aflorar. Chegou a hora de a função criadora da psique fertilizar a aridez”.

E quando eu leio isso, eu percebo o quão feminina eu sou, justamente por estar fora do padrão imposto que dita o que é a feminilidade. E lembro da história da filha de Jairo, quando Jesus diz meu nome e ordena: levante! Meu, essa é a mulher que eu quero ser! Que levanta! Que se movimenta como um lobo saudável. E eu fico ainda mais feliz com meu nome, porque mesmo eu não sendo mais uma menina em idade, Deus me olha como uma menina, assim como um pai sempre vê sua filha como uma garotinha, e Ele me diz: levanta! Ele me move pra cima, pra frente, me tira do tédio e me mostra a natureza selvagem dentro de mim que vem dEle, Ele alimenta minha fé.

Lembro de uma frase da Katniss Everdeen no livro Jogos Vorazes (sim, esse livro de novo!):

“(…) Além disso, não é da minha natureza cair sem lutar, mesmo quando as coisas parecem insuperáveis”.

Jesus pega minha mão e diz: Talita, levanta!

Mesmo assim, sei que não serei completa até minha passagem da Terra. E isso é ótimo! Eu quero ser ser-em-movimento o tempo todo. Aprender, mudar, re-significar.

 “Eu não tenho muitas respostas. O que eu tenho é fé. E uma vontade bonita, toda minha, de crescer”.
(Ana Jacomo)

TalitaBirthdaySP


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Porque eu decidi que quero ter um filho (e não foi porque bebês são fofinhos) – Capítulo I.

Eu tenho quase vinte e nove anos de idade. Eu sou casada há quase oito anos. Eu não quero ser mãe. Não queria, até algumas semanas atrás.

Decidi que quero ter um filho e, como a escrita é uma das minhas formas mais queridas de expressão, compartilho aqui essa história, que dividi em cinco capítulos. De hoje até sexta feira, você pode me acompanhar e viajar comigo nos desdobramentos dessa decisão.

Quando casei, aos 21 anos, ainda vivia no padrão mental: nascer, casar, se reproduzir, morrer. Mas, dentro de mim já vivia o ser selvagem que dizia muito baixinho: querida, acho que isso não é pra você, ok? Então, eu decidi que esperaria cinco anos de casamento pra ter filhos (tempo longo, pensando no modelo que me cercava).

Mas tem um detalhe importante, que é o fato de eu acreditar em Deus e acreditar numa vida de propósitos. Portanto, desde que entreguei minha vida a Ele, uma possível maternidade estava debaixo da vontade dEle, também, e de um propósito muito maior que minha (talvez) alegria em ver um “remelentinho” correndo pelo apartamento.

20160211_214751
Não, gente, definitivamente não foi por isso que decidi ter um filho ;-).

Pois bem, chegou o ano 2013, em 3 de Julho eu completaria cinco anos de casamento e estava preparada pra fazer o teste de gravidez em 4 de Julho e ver um gritante “positivo” a minha espera.

Eis que ainda em Janeiro eu visitei alguns endocrinologistas pra ter segundas, terceiras e quartas opiniões sobre meu cansativo tratamento pra hipertireoidismo (já durava 4 anos), e todos me falaram a mesma coisa: precisamos mata-la. A tireoide, claro! Eu tinha duas opções: realizar uma tireoidectomia (retirada total da tireoide) ou tomar uma alta dose de iodo radioativo (que faria a tireoide, basicamente, se desfazer em mim).

A cirurgia era relativamente simples, teoricamente rápida, certeira em resultado, vida absolutamente “normal” 30 dias depois, mas, com todos os riscos de qualquer cirurgia e com o que todos os médicos disseram: você é muito nova, você tem ótimas chances com o iodo, você não precisa se arriscar numa cirurgia; O iodo radioativo era uma “inofensiva” cápsula que depois de ingerir, era só passar cinco horas ao ar livre longe de pessoas (pra não contaminar), esperar seis meses pra tireoide “derreter” e problema resolvido. Até a página 2. O iodo radioativo só tinha uma restrição: proibido engravidar nos próximos dois anos pós ingestão. Não me atrevo a entrar em explicações médicas, mas, resumidamente, os óvulos podem ser afetados pela radiação e aí sugere-se esse “tempo controle” pra que nenhum óvulo afetado seja “usado”.

Conversei em consulta com o médico que escolhi acreditar e com o David, orei, tudo levava a crer que a melhor possibilidade era o iodo radioativo. Eu me lembro que saímos do consultório, entrei no carro e comecei a chorar. Fomos até o Park Shopping São Caetano almoçar e ficamos dentro do carro, no estacionamento, comigo chorando copiosamente por quase uma hora. O David, me ouvindo pacientemente. Quando parei, ele disse: por que você está assim? Eu respondi: acho que não tinha ideia de que queria tanto ser mãe. E voltei a chorar. O David disse que eu continuava podendo ser mãe, só que dois anos mais tarde. Mas a questão não era essa, eu não queria apenas ser mãe, eu queria ser mãe com cinco anos de casada. Eu queria engravidar dia 4 de Julho de 2013.

* Foto deste post retirada daqui, devidamente manipulada pra (tentar) não constranger ninguém :).


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

(e)Fême(r)a.

httpo4s.tumblr.compost51525159809ser-mulher

(e)Fême(r)a

anda além alinhando austera

brisa bailarina britadeira bucólica

cantando colhendo calando corajosa

doutrinas disparos dores diamantes

esgueira esguicha escorre encara

fortalecidas flores fabricadas fugazes

gritos grunhidos gatunos gemidos

humana hosana holística Havana

inunda iguala inspira insulta

Joana Julieta Joquebede Janis

Kuwait Kosovo Kyoto Kabul

lunática linguagens lúcidas lugares

mares mirongas mergulhando milhares

noturna nobre navega navalha

orgulha ouve ofusca os olhares

paixão poder perece promete

quarenta quebranta quente quântica

reluz rasga revela resguarda

sangue suor sorriso selvagem

tateia tolera traduz toca

uiva ultraja urbana une

voz vidente viagem vertigem

Wendy Winona Whitney Winnie

Xavantes xinga xereta Xaxim

Yara Yumi Yonara Yoki

zen

(palavras soltas desenhadas numa mente inquieta que deseja com profundidade que a feminilidade seja autenticamente livre em meio à realidade efêmera).

Imagem furtada daqui.


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

#meuamigosecreto

 

22706886479_eb5d0efd80_z

 

Original e muito propícia a iniciativa que mulheres tiveram nas redes sociais hoje, 25, Dia Internacional da Não-Violência Contra a Mulher. Usando a hashtag #meuamigosecreto para não identificar de quem falavam, essas mulheres denunciaram pessoas conhecidas delas, que praticam algum tipo de machismo – desde piadinhas ‘inofensivas’ até abusos – contra a mulher e que passam despercebidas. As declarações que li foram corajosas, tocantes. Impossível não se revoltar contra (e imaginar quem seriam) aqueles “amigos” secretos todos.

De modo geral, sou bastante desconfiada dessas campanhas em redes sociais, que costumam ser ineficientes quando o objeto contra ou a favor do qual elas se manifestam estão muito além da foto do perfil. Mas desta vez, a campanha foi ambiciosa na medida certa: alcançar os próprios contatos e, esperançosamente, atingir aquele cara, ele mesmo, o alvo da denúncia. Fiquei pensando o que eu escreveria se fosse denunciar o #meuamigosecreto. Descobri, com muito desconforto, que ele não leria o meu desabafo, porque há muitos anos me bloqueou de seu Facebook.

O exercício de pensar nessa pessoa e em tudo o que eu diria a respeito dela fez com que eu me deparasse com uma realidade: a ferida ainda sangra. E sangra tanto, que eu nem conseguiria usar palavras na minha denúncia para distinguir uma violação de outra; tudo que vem à minha mente são imagens, como um cinema mudo. E o mais triste é pensar que ele agiu dessa forma acreditando estar certo e – que absurdo! – bíblico.

Por anos pedi a Deus que me curasse da lembrança dos abusos que sofri. Por anos acreditei que havia sido curada – pelo menos, em parte (junto com o pedido da cura, eu sempre orei a Deus que esfregasse no nariz dessa pessoa todas as agressões emocionais que ele cometeu contra mim). Deus ainda não me atendeu completamente, mas acredito que seja por um propósito, por empatia, por outras mulheres, por sororidade. Não quero estar alheia às minhas irmãs. Não quero estar no patamar “deste-mal-eu-não-sofro”, ou ficar prescrevendo soluções rápidas, como se misoginia fosse fantasia de cabeça desocupada. Não! Quero ser curada sim, mas quero levar todas as mulheres comigo. E é por isso que oro. Oro por mim, por você, pela nossa ferida que sangra e que não sabemos até quando irá sangrar.

(a foto que ilustra este post foi clicada pelo artista Janssem Cardoso)


Luciana Mendes Kim trabalha com educação, é amante de literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Jesus – machista ou feminista?

Reza a lenda feminista contemporânea que o cristianismo é, entre outros defeitos, machista. Claro que, depois que alguém afirmou e uma segunda pessoa reafirmou, virou um clichê e, a partir daí, ninguém mais quis ter o cérebro de questionar a informação. Virou história de papagaio pós-modernoso: você vai lá, repete o que ouve de terceiros e fica de boa, só aguardando pelos likes. Afinal de contas, dá uma preguiça ir atrás e questionar. Por que questionar, se a verdade do outro já chegou até mim mastigadinha, pronta para eu me apropriar dela? E assim, enquanto copio e colo o clichê, cometo o erro que tanto condeno nos outros: o preconceito – julgar algo e tachá-lo sem conhecer sobre o que se trata.

Compreendo que as evidências, das quais as feministas contemporâneas se valem para chamar o cristianismo de machista, sejam o padrão patriarcal de família retratado na Bíblia, principalmente no Antigo Testamento (que funcionava muito bem para a organização da sociedade na época), e talvez algumas afirmações de Paulo, as quais, se retiradas de seu contexto e de uma interpretação mais cuidadosa, de fato, dão margem para pensarmos em modelos machistas – mas acredite: não são (podemos discuti-los em uma outra postagem).

Fora esses dois casos, porém, não vejo a menor base para a afirmação de que o cristianismo seja uma fé antimulher. Jesus – figura central do cristianismo, reverenciado pelos cristãos como sendo o próprio Deus encarnado – além de ter tido amigas, que apoiavam financeiramente o seu ministério, também conversou com mulheres rejeitadas pela sociedade com respeito, sem dar em cima delas. Uma dessas mulheres, aliás, havia sido condenada à morte a pedradas, porque foi pega traindo o marido, enquanto o amante fugia de fininho. Jesus foi até a muvuca de gente que a cercava para apedrejá-la e impediu sua execução. Em outro momento, Jesus começou a conversar com uma mulher que não era da sua etnia – e isso era contrário às regras machistas de seu contexto social e religioso –, mas ele não se importou e, como nos contou a Talita em outro post, ele foi até essa mulher compartilhar de algo bom que ele tinha: um sentido para a vida. Isso sem mencionar que foi a três mulheres que o anjo apareceu para contar que Jesus tinha ressuscitado e foi para uma delas que Jesus apareceu primeiro depois de ressuscitar, e não para os discípulos. E por aí vai…

E aí, Jesus era machista ou feminista?

Nada melhor do que a Bíblia para responder essa pergunta:

Não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem nem mulher, pois todos vocês são um em Cristo Jesus (Gálatas 3.28).

Não, Jesus não era machista. E nem feminista. Nele, a igualdade de gênero é total, definitiva e extrema: todos somos um. Não existe discriminação no amor que ele nutre pelo ser humano. E a nós, mulheres e homens alcançadxs por um amor tão desprendido e sem letras miúdas, só nos resta espalhar o mesmo amor – sem distinção.


Luciana Mendes Kim é graduada em Letras, mestre em Literatura Brasileira e uma das idealizadoras do Santa Paciência.