Sobre a coisificação da mulher e o filho que quero ter

11264023_858252594248730_7349712762150386184_n

Sabem, um dia eu quero ter um filho. Um menino. Que será um garoto, um rapaz e um homem.

E eu farei o meu possível pra ele ser um cara do bem, de caráter adequado e, entre outras coisas, que respeite as mulheres.

Que ele não torça o pescoço pra olhá-las. Que não diga palavras ou frases obscenas quando elas passarem. Que não as encare com olhar psicopata como se estivesse tirando suas roupas em pensamento. Que não as assuste com gracinhas indiscretas (nem discretas, aliás, se é que tem isso). Que não as olhe como se fossem vitrines, só porque lhe chamaram atenção. Que não seja grosseiro, não buzine, não assobie, não as trate como coisas.
Estou cansada de ser desrespeitada na rua, por homens tão otários.

Minha raiva e os elogios do meu professor de muay thai me estimulam a socar suas caras e dar uma joelhada em suas genitálias. Meu medo bambeia minhas pernas e me estimula a andar mais rápido e sair logo de perto. Meu nojo me causa engulho. Meus pensamentos se concentram em apenas pedir proteção a meu Deus.

Falando em Deus, que também é Jesus, fico pensando no quanto esse Jesus é julgado de retrógrado e até machista, mas que, na realidade, tratou as mulheres de um jeito que esses homens babacas deviam aprender a tratar. Como quando uma vez, numa viagem, no meio do caminho, ele encontrou uma mulher samaritana¹ – com quem ele, como judeu, não poderia conversar – tirando água de um poço. As mulheres já eram subjugadas nessa época e tratadas de forma inferior. Jesus poderia ter sido grosseiro com ela, como tantos homens são, mas não foi. Ele estava com sede e pediu “por favor” por um pouco de água. Ele conversou com ela, escutou o que ela tinha a dizer, foi educado, gentil, prestativo, não deu em cima dela. E ainda falou de algo bom que ele tinha e poderia compartilhar com ela, se ela quisesse: uma vida que fazia sentido.

O mundo está abarrotado de homens idiotas.
Tive a benção de não me casar com um e tenho fé de que não serei mãe de algum.

E a você, mulher, que se sente valorizada quando um desgraçado mexe com você na rua: meus lamentos.

¹Referência bibliográfica: João 4:7-41 – Bíblia.

(Imagem: daqui).


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.