Fui machucada pela Igreja… mas a história não acaba aí

Sou mais uma dessas pessoas machucadas pela Igreja. No meu caso, a igreja que eu frequentava era a minha segunda casa, para a qual eu segui, voluntária e feliz, todos os fins de semana, durante 20 anos. Ali eu fiz melhores amigas, aprendi a cantar em coral, a amar os idosos, a ajudar quem carecia de recursos, a respeitar pessoas diferentes de mim, a guardar segredos, a desenvolver minha concentração por longo tempo. E foi dentro das salas dessa mesma igreja que as raízes do Cristianismo se fincaram no solo fofo e fértil da minha alma.

Um dia, essa mesma igreja me golpeou duramente. Eu havia confessado a uma pessoa um pecado bastante grave, que a envolvia diretamente, e ela, desnorteada pela minha confissão e precisando de ajuda, contou ao pastor e a outras pessoas da igreja. Logo, a notícia se espalhou como piolho em cabeça de criança e eu comecei a receber e-mails e telefonemas em casa. Alguns, mais sensíveis, me perguntavam como poderiam me ajudar, enquanto outros foram duros e me ofenderam de formas diversas (houve até quem quisesse me bater). Perdi cabelo, passei a pesar 47 quilos e entrei em depressão. Minha situação se tornou assunto de assembleia (reuniões que todos os membros da igreja fazem, de tempos em tempos, para tomar decisões sobre questões que envolvem a igreja) e depois algumas amigas me contaram como foi pesado… alguns choraram por mim, outros quiseram apagar o meu nome da lista de membros. Por fim, o pastor sugeriu que meu nome permanecesse e assim foi por alguns meses. Em um contexto desconfortável assim, era natural que eu deixasse de frequentar aquela igreja.

Nunca me isentei da responsabilidade pelo pecado que cometi. Ao mesmo tempo, por anos seguidos, fiquei sentindo a ferida da humilhação sofrida naquela igreja sangrar em mim. Mas uma coisa que sempre esteve clara é que a atitude de muitos ali nada tinha a ver com o perdão e a graça de Jesus Cristo. É óbvio e esperado associar os cristãos a Cristo. Mas seria muito ingênuo achar que os cristãos possam ser menos falhos do que os demais seres humanos. Vivo na pele o fato de que nós, cristãos, temos dúvidas e, por uma ansiedade indescritível de amar e seguir a Jesus, nos confundimos ao tentar praticar seus ensinamentos. Alguns se apegam às leis como cachorro em osso, porque sabem que são as leis que vão mantê-los seguros dos desejos egoístas de seu coração. Outros acham que o sacrifício e a graça de Cristo valem o mesmo que banana na feira e saem por aí pecando como se não houvesse amanhã. E tem também aqueles maduros na fé (cujos sermões a gente ouve várias vezes e fica maravilhada com tanta coisa linda e profunda), que conseguem colocar Graça e Lei na mesma balança, de forma a equilibrar as duas e balizar sua vida nesse equilíbrio.

Não teve pecado e nem fofoca fortes o suficiente, que tenham feito eu desistir da Igreja. Depois que me recuperei da situação em que me envolvi, encontrei uma nova casa espiritual, uma nova igreja, onde fui recebida com carinho. Eu podia e queria começar de novo. Recebi de Deus novos melhores amigos, novas músicas, novos idosos para amar, novos necessitados para ajudar e pessoas ainda mais diferentes para lidar. É ali que meus irmãos na fé e eu insistimos em entender e aceitar a Graça e entender e aceitar a Lei. Entre acertos e erros, cuidamos uns dos outros, amamos uns aos outros. Porque Cristo sabe do que somos feitos e, ainda assim, fez de nós o seu próprio Corpo. A Igreja – distribuída em igrejas – não é um erro de Deus. É a chance que Ele nos dá de não nos conformarmos conosco mesmos – seja na rigidez de nosso julgamento ou na flacidez de nosso caráter. A Igreja é a nossa escola de fé, a nossa família imperfeita e amada, o nosso centro de treinamento da alma e é natural que, de um grupo de seres humanos que tentam acertar, saiam erros. Mas a Igreja é o nosso espelho. Ela e eu somos a mesma coisa. Suas imperfeições são as minhas imperfeições. Seus acertos são os meus acertos. É por ela que Cristo deu a sua vida e é nela que escolho investir os meus dias.

Sou mais uma dessas pessoas machucadas pela Igreja.

Sou mais uma dessas pessoas que já machucou a Igreja.

Sou mais uma dessas pessoas que pode curar e ser curada pela Igreja.


Luciana Mendes Kim trabalha como educadora, é amante da literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Sobre contar o tempo, enquanto não vamos para casa

imagem de Natalia Zaratiegui http://www.behance.net/nataliazaratiegui

Às vezes, talvez a maioria delas, eu me esqueço que estou aqui de passagem. Me esqueço que por mais esforço, amor e dedicação que eu coloque em tudo o que eu faço, e também no que eu sou, aqui é transitório. É de passagem. Parte de um todo que eu sequer consigo imaginar.

O tempo, assim como o homem, é paradoxal, pois, o tempo aqui, nesse mundo, é o e o Ainda Não. Como numa espécie de sobreposição, vivemos esse tempo: ora cheio de alegrias e satisfações, ora repleto de perguntas e tristezas.

Mas, como podemos aprender a contar o tempo verdadeiramente? Porque a Vida, vez ou outra, nos lembra que ela passa depressa, e nós voamos! (Sl 90:10). Que somos neblina e que existimos por um pouco de tempo e depois nos dissipamos (Tg 4:14).

Como aprender a nos despedir, daqueles a quem amamos, sem dar aquele adeus definitivo, mas, saudar com um: até breve, nos vemos logo mais?!* Porque a Vida, também nos lembra da Esperança. Aliás, é ela quem nos dá a verdadeira Esperança, nos prometendo a tão sonhada Nova Jerusalém.

Na música Felicidade, de Marcelo Jeneci (obrigada Nathan Queija, por me lembrar dessa música para tal contexto), também encontro algumas dicas sobre esse paradoxo que é viver entre alegrias e tristezas. Entre o sol e a chuva. Entre encontros e desencontros. Pois, é melhor viver, meu bem, pois, há um lugar em que o sol brilha pra você. Chorar, sorrir também e depois dançar na chuva quando a chuva vem.

Que possamos seguir pedindo por sabedoria para contar nossos dias (Sl 90:12), enquanto, não vamos para casa, para a nossa verdadeira casa. E, com isso, não desanimemos. Embora exteriormente estejamos a desgastar-nos, interiormente estamos sendo renovados dia após dia, pois os nossos sofrimentos leves e momentâneos estão produzindo para nós uma glória eterna que pesa mais do que todos eles. Assim, fixamos os olhos, não naquilo que se vê, mas no que não se vê, pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno (2Co 4:16-18).

* Mi(chele), que privilégio ter te conhecido, ainda aqui: nesse tempo e espaço. E ter compartilhado um pouco das descobertas da vida contigo. Obrigada por me ensinar a ver a vida com mais pureza e simplicidade. Sim, é possível! Uma pena eu não ter te dito isso, mas, quem sabe aí, nesse outro mundo, eu não tenha essa oportunidade?! Um até logo, nos vemos em breve.

Felicidade
Marcelo Jeneci

Haverá um dia em que você não haverá de ser feliz
Sentirá o ar sem se mexer
Sem desejar como antes sempre quis
Você vai rir, sem perceber
Felicidade é só questão de ser
Quando chover, deixar molhar
Pra receber o sol quando voltar

Lembrará os dias
que você deixou passar sem ver a luz
Se chorar, chorar é vão
porque os dias vão pra nunca mais

Melhor viver, meu bem
Pois há um lugar em que o sol brilha pra você
Chorar, sorrir também e depois dançar
Na chuva quando a chuva vem

Melhor viver, meu bem
Pois há um lugar em que o sol brilha pra você
Chorar, sorrir também e dançar
Dançar na chuva quando a chuva vem

Tem vez que as coisas pesam mais
Do que a gente acha que pode aguentar
Nessa hora fique firme
Pois tudo isso logo vai passar

Você vai rir, sem perceber
Felicidade é só questão de ser
Quando chover, deixar molhar
Pra receber o sol quando voltar

Melhor viver, meu bem
Pois há um lugar em que o sol brilha pra você
Chorar, sorrir também e depois dançar
Na chuva quando a chuva vem

Melhor viver, meu bem
Pois há um lugar em que o sol brilha pra você
Chorar, sorrir também e dançar
Dançar na chuva quando a chuva vem

Dançar na chuva quando a chuva vem
Dançar na chuva quando a chuva
Dançar na chuva quando a chuva vem

 

 


Carolina Selles é apaixonada por cores, histórias e sabores, é designer, graduada em Arte & Tecnologia e uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Os frutos atemporais de Árvore da vida

Demorei para assistir ao filme A Árvore da Vida, do cineasta americano Terrence Malick.

O filme foi lançado em 2011 e, como vocês podem perceber, levei apenas alguns anos para assisti-lo (rs).

É que às vezes gosto de esperar a poeira baixar, gosto de descobrir por mim mesma, ter minhas próprias impressões. Sei que estou “atrasada” e que este já não é o assunto discutido nas timelines da vida, mas depois que eu o assisti, percebi que, para cada fase da vida, determinado filme (ou livro) faz muito mais sentido, fala mais diretamente à alma da gente. E assim, fiquei muito feliz de tê-lo assistido só agora, porque percebi que não haveria melhor momento do que este, no qual me encontro. Assim, acredito que o assisti no tempo certo. No meu tempo certo.

Onde você estava quando lancei os alicerces da terra?
Responda-me, se é que você sabe tanto.
Quem marcou os limites das suas dimensões? Talvez você saiba!
E quem estendeu sobre ela a linha de medir?
E os seus fundamentos, sobre o que foram postos?
E quem colocou sua pedra de esquina,
enquanto as estrelas matutinas juntas cantavam
e todos os anjos se regozijavam?
Jó 38:4-7 (NVI)

São esses os versículos que abrem o filme. Meu coração palpitou, meus olhos umedeceram e ainda não havia aparecido qualquer outra imagem, senão esse trecho do livro de Jó. Nesse instante, percebi que, desde o primeiro frame, o filme já tinha me capturado, me levando ao início de uma contemplação e reflexão, que eu sequer havia imaginado que o filme poderia me levar.

As freiras nos ensinaram que existem dois caminhos na vida. O caminho da Natureza e o caminho da Graça. Você precisa escolher qual deles irá seguir. A Graça não procura satisfazer a si própria, ela aceita que a desprezem, que a esqueçam, que não gostem dela. Ela aceita ser insultada e ser ferida. A Natureza só quer satisfazer a si mesmo, e fazer com que os outros a satisfaçam. Ela gosta de ser livre e que façam a sua vontade. Ela procura razões para ser infeliz quando o mundo todo está feliz ao seu redor e o Amor está sorrindo através de todas as coisas. As freiras nos ensinaram que quem ama o caminho da Graça jamais têm um fim triste. Eu serei leal à Você aconteça o que acontecer.
(trecho posterior ao frame dos versículos citados acima)

Confesso que me faltam palavras para descrever tudo o que vi, ou melhor, o que eu senti ao ver A Árvore da vida. Mesmo porque algumas pessoas já teceram ótimos comentários sobre o filme e deram explicações que estão longe do meu humilde repertório. Essas contribuições, aliás, me ajudaram a compreender algumas partes mais complexas (que foi o caso do Guilherme de Carvalho, por exemplo. A propósito, seus comentários sempre me ajudam a compreender melhor a filosofia, a teologia e, agora, por que não dizer as artes? Você pode ler seu artigo sobre o filme aqui). Já outros escreveram sobre como o filme mudou suas percepções sobre a fé (como foi o caso do Zeca Camargo e você pode ler o blog dele aqui). Mas se eu pudesse me arriscar, humildemente eu diria que, para mim, o filme funcionou como uma luz e, por ser tão belo, acabou iluminando não a si próprio, mas a Deus. Sim, Deus é o foco, não tem como negar. Fiquei tão extasiada em ver uma obra de arte como essa, com imagens maravilhosas, trilha sonora perfeita, lindos enquadramentos, metáforas imagéticas*, narrações que poderiam facilmente ser pensamentos meus, tudo em conjunto glorificando a Deus, e o que é melhor: sem cair no clichê.

É confortante ver artistas como Malick – conhecidos da grande mídia e pertencentes a um circuito tão restrito – não abrindo mão de uma obra autoral e fazendo do cinema um verdadeiro suporte artístico. Seu filme nos leva à contemplação e à reflexão sobre a fé de um jeito que os filmes cristãos, com suas historinhas bobinhas e irreais, não poderiam fazer.

Obrigada, Malick, por nos levar à profundidade. E obrigada também a tantos outros “Malicks”, não conhecidos da grande mídia, mas que fazem a diferença em seu meio, nos presenteando com belas obras de arte, no cinema, na música, nas artes plásticas, no grafite, na poesia, no design, no artesanato, na gastronomia, na moda, enfim. Saibam que vocês nos inspiram, e que a arte é, sim, um meio de glorificar a Deus e também de trazer mais beleza e leveza à nossa vida.

E o que mais dizer sobre o filme?

Bem, eu diria para você: simplesmente o assista e se delicie com cada minuto dele. Acredito que, assim como eu, você também ficará com a sensação de que qualquer palavra, frase ou conceito que tente definir o que é ou o porquê do filme possa soar como mera especulação.

Trailer aqui:

A Árvore da vida [The tree of life], EUA, 2011
Diretor: Terrence Malick
Elenco: Brad Pitt, Sean Penn, Fiona Shaw, Jessica Chastain, Hunter McCracken, Kari Matchett, Dalip Singh, Joanna Going, Jackson Hurst, Brenna Roth, Jennifer Sipes, Crystal Mantecon, Lisa Marie Newmyer
Produção: Dede Gardner, Sarah Green, Grant Hill, Brad Pitt, Bill Pohlad
Roteiro: Terrence Malick
Fotografia: Emmanuel Lubezki
Trilha Sonora: Alexandre Desplat
Duração: 138min.
Distribuidora:
 Imagem Filmes
Estúdio: Cottonwood Pictures / Plan B Entertainment / River Road Entertainment / Brace Cove Productions

 

metáforas imagéticas* = eu não sei se existe essa expressão. Na verdade, pensei em dizer que há metáforas através de imagens no filme (o que pra mim fez total sentido essa expressão, hehe)

 


Carolina Selles é apaixonada por cores, histórias e sabores, é designer, graduada em Arte & Tecnologia e uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Paz nas decisões

woman choosing

Tomar decisões é sempre um parto. Passamos dias pesando prós e contras e, mesmo assim, o medo do desconhecido que acompanha a decisão não deixa a gente dormir ou comer direito. Ou o contrário: dormimos e comemos demais, por pura ansiedade sobre o que será. Então, finalmente, nos decidimos. Mas ainda assim, seguimos adiante com um pé atrás, sem ter muita certeza, procurando com rabo de olho algum flash lá trás que sinalize para nós que ainda podemos mudar de decisão, caso nos arrependamos.

E todo esse processo penoso não é privilégio de pessoas inseguras. Quando a decisão é séria, todo mundo pasta para tomá-la. Principalmente, se ela envolve alguma questão moral suculenta, daquelas que atingem em cheio o nosso ponto mais fraco.

Por muito tempo, tive dificuldade para entender o que Paulo queria dizer exatamente com o termo ‘árbitro’, quando escreveu: Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração (Colossenses 3.15, primeira parte). Porém um dia, enquanto assistia ao filme Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembranças, captei finalmente o sentido desse versículo, numa cena sensacional. Quando Joel (Jim Carrey) chama Clementine (Kate Winslet) para sair, sendo ele quase casado com outra pessoa, ela recusa e responde: eu sou só uma garota cheia de problemas, procurando minha paz de espírito. Não me torne responsável por sua paz de espírito também.  Pronto! O elemento-chave estava aí: paz. Devo sempre buscar por ela, em todas as minhas decisões. Na verdade, em termos simples, nem preciso me dar ao trabalho de escolher, porque é a paz que fará a escolha por mim. Ela aponta o caminho e eu sigo por ele. Claro que outros elementos vão tentar trabalhar contra esse fluxo, mas aí é ligar o modo automático em Deus e seguir em frente, sem muitas conjecturas – ouso propor. Afinal de contas, desde quando os fantasmas não fazem parte do pacote da existência pós-queda? A graça de tudo isso, porém, está justamente em dependermos da Graça.


Luciana Mendes Kim é graduada em Letras, mestre em Literatura Brasileira e uma das idealizadoras do Santa Paciência.

A imagem veio daqui