Relato de um parto desplanejado

1493597994080

Quando o David me mostrou essa foto que ele tirou nos primeiros minutos de vida do Dominic, eu escutei a voz de Deus falando comigo, de novo, sobre controle. Eu sonhei, literalmente, com um parto natural humanizado, com velas aromáticas e som ambiente com a playlist escolhida cuidadosamente pra ocasião, aliviando as contrações na banheira, me movimentando livremente, parindo junto com o Dom minhas dores, meus medos e fazendo print da placenta depois, pra enquadrar e colocar na parede.

Fiz atividade física específica pensando nisso, preparei minha mente, fiz o pré natal numa Casa de Parto acolhedora, li sobre um milhão de coisas relacionadas ao tema, fiz cursos pra gestante, me empoderei.

Tive mais ou menos 15 dias de pródomos (que é tipo um pré parto, digamos assim, o que anuncia que a primeira, de três fases do trabalho de parto está por chegar). Com 40 semanas exatas perdi o tampão e com 40 semanas e 1 dia, tive uma consulta com a parteira e nesse dia já estávamos com tudo pronto no carro, a mochila do Dom, a nossa, o bebê conforto pra volta pra casa de carro, tudo preparado, porque as contrações estavam evoluindo, eu imaginava. Estava tão cansada e pesada, que queria e pedia que elas progredissem logo. Quase como se estar com tudo já no carro fosse atrair o parto ou algo assim.

A parteira mediu a altura uterina e ficou preocupada, porque era um bebezão ali dentro e a Casa Ângela só faz partos de bebês até 4kg, por questões de segurança e saúde da mãe e do bebê. Chamou outra parteira pra medir também e conferir. As duas visivelmente chateadas me disseram a mesma coisa: ele era um bebezão. Pediram um ultrassom e disseram que sentiam muito, mas, o resultado dele diria se eu poderia parir ali ou não.

Acho que eu nunca vou esquecer a cara de tristeza e choro que o David fez quando ouviu isso. A gente estava há 40 semanas se preparando, 8 semanas indo periodicamente a consultas com as parteiras, 6 semanas fazendo cursos sobre o fim da gestação, trabalho de parto, parto natural, puerpério e cuidados com o bebê, e de repente estava tudo escapando das nossas mãos. Claro, a gente sabia que tudo aquilo era só um plano, tanto que tínhamos 3, o A, o B e o C. Estávamos relativamente satisfeitos com os 3, mas queríamos muito o primeiro. Não fazíamos ideia de que iríamos direto pro terceiro. Na Casa Ângela é feito um plano de parto, que fala sobre nossas pretensões pra esse momento e, somos orientados a incluir mais algumas possibilidades, caso a ideia principal não seja mais viável.

Procurei manter a calma, principalmente pra não afetar o Dominic, mas, eu sentia que meu desejo primeiro tinha se perdido. Dali mesmo fomos pro Hospital fazer o ultrassom, apreensivos, frustrados e tristes. A conduta do Hospital do meu plano de saúde pra uma gestação à partir de 40 semanas de um bebê grande era cesariana, eu já sabia disso. Tinha certeza que poderia entrar e não sair sem o Dom nos braços. Fiquei chateada de novo e pensei: o Hospital não pode me amarrar e prender lá, certo? Mas, aí eu me dei conta de que eu poderia conhecer o Dominic naquele dia mesmo! Tínhamos que fazer e aguardar o ultrassom e só depois disso resolver o que concluir, mas, essa ideia de que nosso encontro estava muito, muito perto me deixou tão feliz que eu falei pro David: tudo bem, se for cesariana, tudo bem, se o médico orientar a tirar hoje, tudo bem. Fiquei inesperadamente feliz e curiosa.

Fizemos o ultrassom e, claro, não tem balança dentro daquela máquina e era só uma estimativa, muito próxima da realidade, mas, só uma estimativa que mostrou Dominic com 4,270kg. Por isso tanto cansaço, por isso uma sinusite de dois meses sem curar mesmo com antibióticos, por isso minhas pernas não fechavam mais, por isso a dor terrível nas costas, por isso abaixar era impossível, por isso o David secava minhas pernas e pés todo dia após o banho, por isso eu não conseguia mais dormir. Era um bebezão. Um bebezão que eu viria a qualquer hora!

Como não estava nem na fase latente ainda (a primeira fase do trabalho de parto, com as contrações regulares e intensas), precisaria agendar uma cesariana. Era véspera de Sexta Feira Santa, já tinha passado o horário de agendamento, eu só conseguiria resolver isso na Segunda, dia 17. O lindo dia 17. Eu deveria chegar às 10h no Hospital, passar no pronto socorro e avisar que queria marcar a cirurgia. Simples assim. Mas, dolorido assim, também. Tudo bem, meu sonho tinha ido pro ralo, mas, agendar a cirurgia? Marcar hora, dia? Engoli a seco. A gravidez inteira eu disse pro Dominic que ele nasceria no dia que quisesse e agendar uma cesariana me parecia ser um desrespeito. Obviamente, essa é a minha opinião, a minha história. Eu não sou ativista do parto normal, eu não sou ativista da cesariana, eu só queria seguir com meu desejo e agir conforme meus princípios e com o que acredito. De qualquer forma, apesar da frustração, relaxei, porque a verdade dura é que eu não tenho controle de nada, simples assim. Era isso que Deus estava me ensinando, enfaticamente. Considero absolutamente importante planejar, estruturar, prever, avaliar riscos, mas, sabendo e aceitando que as coisas podem não acontecer como o esperado e ok, não é o fim do mundo e a gente pode não saber lidar com isso, mas, tem que lidar mesmo assim.

Já que não tinha o que fazer além de esperar o feriado prolongado passar, na Sexta fomos ao cinema assistir Velozes e Furiosos 8, mantendo a tradição de quase 10 anos que temos em casa e que confesso: eu estava triste, porque a data prevista de parto era justamente na pré estreia e eu perderia. Mas, Dominic foi gentil com a gente e então levamos ele pra conhecer seu xará! E sim, o nome dele é Dominic, inspirado no Dominic Toretto. E sim, eu realmente gosto dessa franquia!

Nesse meio tempo eu perdi, gradativamente, o que mais tarde eu soube que era líquido amniótico, mas, que enquanto perdia, achava só que era um corrimento mais intenso, ou escape leve de urina. Nem me importei…

A Segunda chegou e, na saída de casa o David lembrou que era rodízio do carro! Comecei a chorar, porque a essa altura eu já estava de saco cheio. Eu passei toda a gestação sem ansiedade, mas, estava começando a ficar tensa e desejando que tudo acabasse, ou, melhor dizendo, começasse logo. Era como se, já que meu plano A não deu certo, vamos logo com isso, plano C! Muito cansaço, falta de ar, tosse da sinusite, dor da contratura muscular que tive de tanto tossir, dificuldade pra andar, peso e blá-blá-blá. O David achou um caminho alternativo e fomos.

Durante a consulta, soube que me deram informação errada e que os dias para agendar cesariana eram terça e quinta, não de segunda à sexta. Fiquei brava, muito brava. Estava realmente me esforçando pra lidar com a frustração e a coisa toda só se prolongando. Eu conversava com o Dom, dizia pra ele que estava tudo bem, eu só estava cansada. E dá-lhe aprender que eu não controlo nada, não importa o quanto eu tente ou queira. E já ia dizendo isso pra ele, também. Total exercício de impermanência, de fluidez, de desprendimento, de suspensão, de desapego, de deixar-ser.

A médica do pronto socorro explicou que o médico que agendava as cesarianas ia pedir dois exames e que sem eles ele não agendava as cirurgias: um cardiotoco, que analisa os batimentos cardíacos do bebê, e um perfil de vitalidade fetal, que é um ultrassom bem detalhado que vê umas coisas importantes aí. Ela fez os pedidos e disse pra eu já adiantar e fazê-los na Segunda mesmo. Outra notícia importuna? Isso foi às 10h e o perfil de vitalidade fetal só era feito após às 16h. Manda mais, Deus, que tá pouco.

Fiz o cardiotoco, que estava lindinho, e voltamos pra casa. Já tinha largado mão e falei pra Deus que beleza, eu ia suspender, ia fazer o que devia ter feito antes: aceitar, esperar, desencanar, confiar. Almocei deliciosamente, já que fui pro hospital de manhã em jejum pensando “vai que”… E pra cirurgia deveria estar em jejum de 8h.

Pontualmente às 16h estávamos na porta da sala de exame do perfil de vitalidade fetal. Ali começou. Uma médica muito atenciosa explicou detalhadamente o exame. A previsão de peso, de tamanho, como ele estava… Avisamos que nossa intenção era o parto natural, mas que na Casa Ângela não seria mais possível. Avisamos que eu não tive dilatação, nem contrações regulares, nada além dos pródomos. Ela terminou o exame e disse que a médica do pronto socorro explicaria melhor, mas, pra eu subir até o consultório com a ideia de que ficaria, pelo menos, internada. O Dominic estava bem, mas era um gorducho e talvez o tamanho dele estaria dificultando o encaixe perfeito na pelve pro início das contrações regulares. Só seria possível ter certeza disso se de fato o trabalho de parto ativo (a segunda fase do trabalho de parto, lembra?) iniciasse, e aí se estendesse muito e aí um sofrimento fetal acontecesse. Ela também falou sobre o líquido amniótico, que eu estava perdendo consideravelmente e não era lá uma coisa muito bacana. Ela avisou que não era impossível um parto normal, mas, que poderia ser mais difícil e demorado.

Só que, na verdade, não importava mais nada disso, porque eu não confio em parto normal hospitalar. Eu confio em parto normal e natural em Casa de Parto, ou domiciliar assistido por uma equipe especializada. Só. Não podendo ter isso, vamos pra cirurgia, sim, porque eu acredito que médico que não seja de equipe especializada em parto normal não tá preparado pra isso, mas faz uma cesariana como ninguém.

Voltamos pro consultório da obstetra plantonista do pronto socorro, ela leu os exames, falou a mesma coisa que a médica do exame havia dito, com um adendo: “pai, você vai descer com os documentos dela pra fazer a internação e mãe, você espera aqui ele voltar, aí a enfermeira vai te chamar pra se vestir pra cirurgia”. 

Aí meu coração acelerou, aí eu fui tomada por uma porção de sensações e sentimentos que nem sei dizer. O Dominic estava chegando! Eu estava aliviada. Não teria meu parto natural, mas, o dia e a hora em que ele quis nascer foram respeitados, minha angústia de agendar a cesariana tinha passado. Eu estava segura da decisão, o David também, estávamos em órbita.

Foi o tempo do David voltar pro andar do centro cirúrgico, avisarmos nossos pais, irmãos e alguns amigos, e fui tomar a anestesia enquanto o David se paramentava. A sala estava em temperatura ambiente, rádio ligado na estação Alpha FM, luz baixa e um anestesista cuidadoso que finalmente conseguiu colocar o acesso, depois de 5 tentativas frustradas das enfermeiras. Tomei a anestesia e o David entrou, sentou ao meu lado. Começou a me dar falta de ar, já que a sinusite ainda estava atacada e eu precisei ficar completamente deitada. Tampou tudo. Por causa da anestesia, eu não sentia o ar entrando pela boca e indo pro pulmão. O anestesista ficava dizendo “relaxa, respira, seus batimentos estão perfeitos, sua pressão tá ótima, confia em mim, tá tudo bem, olha lá o aparelho marcando, tá tudo bem…”.

A obstetra entrou (uma diferente da consulta), se apresentou, me disse o que iria fazer, explicou como estavam as coisas, eu não prestei atenção porque achei que fosse morrer sem ar hahaha

Eu pedi pro David segurar minha mão, porque se fosse morrer, pelo menos ele tava ali do lado rs 

A cirurgia começou e o David ficou com um olho lá outro cá. A médica ia me falando o que estava fazendo, eu continuei sem conseguir prestar atenção. De repente vi uma movimentação diferente, o olhar do David mudar, mas não ouvi nada e estava esperando um chorinho ou um resmungo, qualquer coisa do tipo, mas, nada…

Perguntei o que estava acontecendo e alguém disse “nasceu”. Mas Jesus, cadê o menino, cadê qualquer reação dele?! Aí o David começou a dizer que estava tudo bem, que ele estava ótimo, que estavam limpando ele pra trazer pra vermos. Perguntei por que ele não chorou e alguém disse (não lembro quem): porque ele é calminho! 

Esquecemos de todo nosso plano de parto (tinha um pra cesariana, também)! Esqueci de falar pra esperar o cordão parar de pulsar pra cortar (mas a médica esperou mesmo assim, ufa), o David esqueceu de dizer que queria cortar, esquecemos de pedir pra não pingar nitrato de prata nos olhos dele e quando lembramos já era tarde demais, o que causou uma queimadura (leve, mas mesmo assim, que ódio) na pálpebra dele, esquecemos de pedir pra dar a vitamina K e a vacina contra hepatite no colo… Tudo saiu fora do esperado. A única coisa que lembrei foi de pedir pra amamentar ele ainda ali, mas a médica disse que não era ideal, por causa da anestesia. Eu concordei, embora chateada.

Finalmente (na verdade foi tudo muito rápido, mas eu estava sem ar, sem ouvir nenhuma reação do Dominic, pareceu um ano inteiro ali) trouxeram ele até nós e eu achei ele lindo, cheiroso, fiquei emocionada e encantada com cada pedaço dele que eu consegui enxergar. Não me apaixonei à primeira vista, nem amei louca e instantaneamente, mas eu já esperava por isso e tava super tranquila, porque não acredito nesse tipo de coisa, eu acredito que amor é construção diária e aquele era só o primeiro minuto da nossa relação que vai ser trabalhada dia a dia. Mas, isso é assunto pra outro post…

O que eu senti mesmo foi uma gratidão sem explicação! É absurda a ideia de que aquele menino tinha sido feito por nós, gerado dentro de mim. Eu olhava pra ele, pro David, e pensava “Deus, Deus, você realmente me ama, obrigada obrigada obrigada”. Foi quando a enfermeira perguntou se queríamos fotos e tiramos duas. Não curtimos a super exposição e o show do nascimento e da maternidade/paternidade, então isso nos pareceu suficiente. Além do que, não foi em cinco minutos que eu elaborei bem a frustração de que a foto do nascimento do Dominic não ia ser dentro da banheira da Casa Ângela rsrs.

Pedi pra ver a placenta, esse órgão incrível que simplesmente é criado com o objetivo de nutrir o bebê, e fiquei muito feliz da enfermeira pegá-la pra eu ver, embora ela tenha se espatifado no chão segundos depois!

Ficamos uns minutos juntos, nós três, e o David segurou ele com tanto jeito que pareceu ter nascido praquele momento. E eu que tava achando que ia morrer sem ar, pensei que se fosse a hora, podia morrer sim, de boa, porque ver aqueles dois juntos daquele jeito já tinha valido meus trinta anos vividos até ali.

A médica começou a me fechar e foi explicando tudo que ia fazendo. Eu não prestei atenção em nada, mas achei educado e importante. Quando a enfermeira pediu pro David sair também, porque iam me arrumar pra ir pra sala de recuperação, eu odiei, queria que ele ficasse o tempo todo comigo, porque se tem alguém nesse mundo que me faz sentir segura e amparada é ele. Por Lei, ele poderia ficar, mas, o Hospital não é nada preparado pra isso e eu desejo imensamente que se prepare, porque isso faria muita diferença. O Dominic foi pro berço aquecido, a enfermeira saiu e eu fiquei alguns minutos sozinha na sala de cirurgia, entortando o pescoço pra ver ele atrás de mim, ainda sem conseguir entender bem o que eu estava sentindo ou pensando.

Fomos os dois juntinhos pra sala de recuperação, onde ficamos por umas seis horas, até ir pro quarto.

Mas, foi no minuto dessa foto que nossa jornada começou. Foi no minuto dessa foto que tivemos nosso primeiro encontro familiar! Nesse minuto eu ouvi Deus falando que desde que Ele se tornou meu Senhor, os planos são feitos por Ele. Não é fácil, eu ainda preferia ter tido um parto natural humanizado e não é que eu esteja pulando de alegrias por ter feito a cesariana. O que acontece é que estou aprendendo a desapegar, a ser grata por aquilo que me é dado.

Talvez você que lê isso não acredita em Deus e ache toda essa história uma grande bobagem, mas, eu acredito e aqui me lembro de uma passagem bíblica em que Ele diz “eu bem sei os planos que estou projetando para vocês; planos de paz, e não de mal, para dar a vocês um futuro e uma esperança”.

O Dominic é nossa fonte de Esperança. Veio direto do Alto, transbordando tudo, transformando tudo. Ele chegou nesse mundo de malucos de uma forma diferente da que eu queria, mas, no dia que quis e do jeito que Deus permitiu, saudável, tranquilo, querido e respeitado. Me transformando em mãe, me dando um novo papel e nova responsabilidade. Já me ensinando sobre resignação, entrega, confiança, aceitação, gratidão.

Hoje ele completa 1 mês de vida e já tem cumprido essa promessa de Jeremias 29:11 que citei acima. Apesar de todo o furacão, as mudanças, o medo, a insegurança, apesar da maternidade e paternidade serem coisas avassaladoras, estamos vertendo amor e alegria. Louvo a Deus pela vida do Dom, o nosso dom.


Eu sou a Talita, nada mais que uma alma encarnada lutando pra cumprir minha missão na Terra e poder um dia voltar pros braços do Pai. Junto com a Carol e a Lu, reflito sobre a vida aqui no Santa Paciência.

Sobre a sensibilidade do ser-pai numa sociedade machista

homem-e-sensibilidade
Ilustração: Betusha Rapatusha

No domingo de Dia das Mães desse ano, a psicóloga Isabelle Ludovico esteve no Projeto 242, comunidade em que David e eu somos membros, falando sobre a data comemorativa.

Foi muito diferente de todas as mensagens e comemorações de Dia das Mães em igreja que já tinha visto, ao longo dos meus quase 30 anos dentro de igrejas.

Ela falou coisas que me marcaram, sobre ser-mulher, ser-mãe, feminilidade, feminismo, machismo e sobre o quanto o sufocamento das características femininas no mundo, por meio do machismo e do desrespeito às mulheres, prejudicam o Universo como um todo. O quanto anima e animus estão em desequilíbrio e esse desequilíbrio é fatal. O quanto é importante que homens desenvolvam, apreciem e usem sua feminilidade. Inclusive, – e que foi o ponto chave pra mim – como Deus mostra sua sensibilidade, força e beleza através das mulheres e como Ele é, além de nosso Pai, nossa Mãe.

Saindo de lá, perguntei pro David o que ele tinha achado e senti um amargo de angústia quando ele respondeu: sabe aquele filme que a gente assistiu, da menina da Somália que virou modelo, depois embaixadora da ONU, acho que é Flor do Deserto, o nome? Então, é lógico que aquilo que fazem com aquelas meninas não pode ter comparação, mas, é como eu me sinto, mutilado.

Se você ainda não assistiu esse filme, assista. É avassalador.

O David continuou, dizendo que tinha gostado muito do que a Isabelle disse, que concordava, que era aquilo mesmo que ele acreditava e que foi um alívio, porque como homem, ele se sentia mutilado, arrasado pelo machismo.

Assim como eu, David cresceu numa família machista. Não por crueldade, mas, porque era assim a geração dos nossos pais. Só que ele não é machista, nunca foi. Desde nosso namoro, até antes, o começo da nossa amizade, que já tem mais de dezessete anos, percebo que ele é um cara diferente. E é uma pena dizer que ele é diferente, aqui, porque é no sentido de exceção. E eu realmente gostaria que houvesse mais Davids por aí.

Aquela sensibilidade que a Isabelle citou na sua mensagem, o David tem e faz uso dela. E por isso não compreende o machismo, porque essa prática não mutila só as mulheres, mas os homens, também. Porque no filme pode ser muito bonito o príncipe resgatando a princesa do castelo, mas, na vida real, isso é impor comportamentos, é gerar padrões impróprios e esteriotipar os gêneros.

Na vida real, por causa do massacre do machismo, da reprodução alienada de um comportamento que julga que mulheres são inferiores aos homens, que julga que sensibilidade é fraqueza e invulnerabilidade é poder, que descarta as mulheres e supervaloriza homens, que ensina que meninos são heróis e meninas são mocinhas indefesas, esses “meninos heróis” crescem com o peso de uma responsabilidade que não lhes pertence e não é possível carregar, e, as “mocinhas indefesas” crescem acreditando que não são livres, capazes e donas de suas próprias vidas.

Na vida real, eu vi meu marido sofrer de um início de depressão por causa de uma crise profissional que o impediu de ser o macho alfa dominante provedor da casa. E ele é o fraco por “não ter dado conta”? Não. Fraca é essa sociedade. Fraca e doente. Por  Graça, isso não durou muito tempo e rompemos mais um tabu sem significado algum.

Na nossa vida real, a gente luta contra a impropriedade, contra a propagação de uma cultura falha, deturpada, inautêntica, imprópria, que mutila meninas e meninos. Na nossa vida real, quebramos paradigmas e fazemos nosso possível pra existir com autenticidade, mesmo que isso signifique receber julgamentos, olhares tortos e o título de fracos fracassados. Porque, se ser fraco é viver em horizontalidade, homem e mulher juntos, esposo e esposa companheiros lado a lado, os dois em harmonia rumo ao mesmo objetivo, caindo e levantando juntos, sofrendo juntos e vivendo alegrias juntos, ah, nós somos terrivelmente fracos, com prazer.

E nessa fraqueza, Cristo se mostra nossa Força e Fortaleza. Cristo conduz nossa família, não os tradicionalismos de uma sociedade seriamente doente.

Nessa fraqueza, estamos esperando nosso filho, Zigo, que tem a bênção de nascer numa casa em que será respeitado enquanto ser humano, independente do seu gênero. Que será ensinado a respeitar todas as pessoas independente de quem sejam.

Nessa fraqueza, David tem sensibilidade, luz, criatividade, afeto, carinho e tantas qualidades, que, embora não tenha útero, tem feminilidade. Embora não esteja gestando Zigo, o está gerando no coração, cheio de amor. Tanto amor, tanto afeto, tanto carinho, que acordei numa madrugada dessa semana pra fazer xixi e encontrei David no computador, escrevendo uma carta pro Zigo, demonstrando que homens equilibrados, verdadeiramente fortes e emocionalmente saudáveis são aqueles que entendem que machismo mutila, e não se permitem viver nele.

Graças a Deus, aqui em casa, estamos libertos disso. Agora, temos a responsabilidade de transmitir isso pro Zigo. Mas, ao ler essa carta, creio que não vai ser tão difícil!

“Outubro, 2016.

E aí Zigo, tudo bem?

Sim, por incrível que pareça é seu pai escrevendo. Não se acostume com isso, porque quem gosta e sabe escrever é sua mãe, não eu.

Faz um tempo que já sabemos sobre você. Ainda não sabemos se você é homem ou mulher, mas não importa, estamos preparando tudo para sua chegada (quando digo tudo, digo que estamos arrumando um pouquinho da bagunça que é nossa casa, para ficar habitável, rs). Você vai gostar muito de como é nossa casa, nada convencional, tudo colorido (seu quarto está com a porta laranja, eu que pintei :D, e acredite, eu chorei pintando e imaginando você dormindo lá. Logo vai saber que sou chorão), muita almofada, colchão no chão, do jeito que eu e a Talita gostamos, espero que goste também.

Quando descobri que a Talita estava grávida de você, fiquei um pouco perdido, não entendi direito e até hoje estou um pouco assim, acho que só vai cair a ficha quando você nascer. Por enquanto vou cuidando da Talita, ela enjoa o dia inteiro, não importa o que façamos. Mas, está bem divertido, você já está com 15 semanas e tem um cabeção! Sua mãe não gosta, mas se você puxar à mim, esse cabeção vai continuar, rs.

Fomos visitar uma casa de parto essa semana, provavelmente você nascerá lá. É muito bacana, os funcionários são atenciosos e bem preparados, o quarto é confortável, e se tudo der certo, seu parto será natural e no dia que você escolher. É isso mesmo, você nem fala ainda e já respeitamos suas escolhas. Uma das coisas que eu e a Talita temos é respeito um pelo outro e agora respeito por você, Zigo, você não virá com plateia e hora marcada. Preciso te contar um segredo: na volta de nossa visita, depois de ver todas as coisas sobre o parto, a Talita chorou hahaha, não sou só eu o chorão da casa, viu? Depois a gente tira um sarro da cara dela juntos.

Ainda não faço ideia de como serei como pai, provavelmente serei um pouco parecido com o meu. Infelizmente você não vai conhecer seu avô Antônio, ele já está com Deus e sinto falta dele. Às vezes era bem bravo, gritava, era mandão, rs, mas tinha um coração enorme, era responsável, pontual, honesto, foi caminhoneiro e também tinha uma Kombi, onde a gente trabalhou bastante tempo juntos, muito legal. Depois te conto mais sobre ele, você vai gostar.

Eu sou apaixonado por atividade física, Zigo, e vou te ensinar muitas coisas legais, principalmente o Muaythai e você vai ver como é sensacional lutar. Tudo bem que até agora eu perdi 2 lutas e ganhei só 1, mas dia 19/11 vou lutar de novo, estou me preparando muito, treinando bastante, vou ter muita história para te contar. Meus amigos de treino também estão ansiosos pela sua chegada, e, já vou te avisando, eles vão te zuar um pouco, porque eu brinco demais com eles, se prepare.

Gosto de cozinhar também. Tudo que você aprender na cozinha, provavelmente, será comigo, porque se depender da Talita, nós 3 passaremos fome, rs. Brincadeira, ela consegue se virar, mas, quem manda na cozinha sou eu.

É isso Zigo, estou escrevendo para que você saiba que será bem recepcionado por mim, sua mãe e também por nossos familiares e amigos. Desde já oramos muito pela sua vida, pedimos para Deus pelo seu futuro, porque viver nesse mundo não é nem um pouco fácil, mas, como Ele cuida de nós, vai ser uma vida plena e feliz. Claro que terão momentos de tristeza, dor, angústia, mas, até você saber se cuidar sozinho, nós vamos cuidar de você da nossa melhor maneira.

Estou ansioso pra te ver logo, não vejo a hora.

Com amor,

David, seu pai e palhaço.”

gerado no coração.jpg
Os pais geram no coração

* Ilustração retirada da internet, autor desconhecido.


Talita Guedes Bittioli é uma alma encarnada lutando pra cumprir sua missão na Terra e poder um dia voltar pros braços do Pai. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

A incrível experiência de ser mãe

 

mamaeursa
Mamãe ursa, ilustração do meu marido David

 

Anos antes de eu me tornar mãe, uma amiga e eu conversávamos sobre os dilemas da mulher quanto à decisão pela maternidade e ela, que tem um filho de 10 anos, me disse: “Lu, sempre falo a mesma coisa para as mulheres que ainda não decidiram se querem ser mães: se você acha que não consegue, que não é pra você, não tenha filhos mesmo, porque dá trabalho, cansa, desgasta. Agora, se você optar por ser, você vai viver uma experiência incrível, que não pode ser comparada a mais nada nesta vida”.

Guardei isso comigo por anos e, ao contrário da Talita, minha amiga e colaboradora do blog, que escreveu aqui sobre como foi complexo para ela decidir pela maternidade, eu resolvi ser mãe meio que do nada mesmo, puramente movida pela curiosidade em viver essa experiência incrível (e mais curiosa ainda me tornei ao imaginar a misturinha intrigante que sairia de um marido coreano com uma brasileira aguada como eu).

Apesar de não saber exatamente o que representava ter um filho, eu e o David resolvemos arriscar. Pois é, foi arriscar mesmo, porque eu tinha um pequeno problema nos ovários, o que tornava a gravidez apenas uma possibilidade e não uma garantia. E, quanto mais demorava para engravidar, mais eu queria essa experiência incrível.

Durante o tempo em que tentei engravidar, várias coisas passaram pela minha cabeça. O primeiro tratamento não deu certo e tudo o que ele fez por mim foi me deixar obcecada por testes de farmácia. A cada teste que eu fazia, sempre a frustração. E ali, escondida no banheiro, eu deixava as lágrimas correrem livremente.

No segundo tratamento, troquei os testes de farmácia por uma espécie de “termômetro” gringo, que conta para você os seus dias altamente férteis. E qual não foi a minha decepção quando, mesmo me tratando, o termômetro não marcava NENHUM dia fértil para mim?? Só podia estar quebrado. Ou então…

Antes de ter tido tempo de deixar a ideia de infertilidade tomar a minha mente, uma dor terrível no abdômen me levou ao hospital. Depois de dois exames, foi confirmado o comecinho do comecinho da minha gravidez. Pronto. Eu havia dado o salto no escuro. Não tinha mais volta. Agora era só esperar 9 meses.

Dar à luz ao Álef foi um momento único, tanto no sentido bom como no ruim. Contra todas as probabilidades, o meu bebê nasceu prematuro de parto normal. No hospital, eu só ria de alegria, mas ao chegar em casa, me senti sendo engolida por um furacão, porque nada estava pronto ainda e eu experimentei uma solidão e uma sensação de incapacidade como nunca antes. Fiquei me perguntando sem parar se existiriam no mundo psicólogas especializadas em mulheres no puerpério, porque olha… como essas especialistas ganhariam dinheiro! O estado emocional de uma recém-mãe é vidro em estilhaços no chão. Tudo o que eu sentia era medo, incapacidade e exaustão.

Depois de poucos dias, um sentimento feroz me tomou. Era uma sensação avassaladora, totalmente fora de mim e completamente depositada naquele outro ser recém-chegado ao mundo, vulnerável, que se sofresse alguma coisa acabaria comigo. De repente, senti que sem aquela coisinha chorona eu não seria mais nada. Ele havia me arrebatado por completo e que o sentido da minha vida não estava mais só na minha vida, mas na vida de outro ser humano. Eu não era mais dona de mim. Ele era. Eu não estava mais no controle do que eu sentia. Eu não era mais a medida da minha compreensão sobre mim mesma e sobre o mundo. Agora tudo passava das minhas mãos para as mãos do meu filho. O que acontecesse com ele aconteceria comigo. Estávamos intrínseca e eternamente ligados um ao outro. Ao me dar conta de tudo isso, chorei como se não houvesse amanhã.

Hoje, depois de 1 ano e quase 6 meses do nascimento do Álef, que se desenvolve fofamente aliás, compreendo melhor (mas ainda não por inteiro) o comentário da minha amiga sobre a experiência incrível. Com isso, ela não queria dizer que eu veria pôneis cor-de-rosa todos os dias da minha vida como mãe. Com isso, ela não queria dizer que seria fácil como namorar na praia. Com isso, ela não queria dizer que seria leve e indolor.

A experiência incrível de tornar-se mãe é viajar até o magma da vida e sentir ali todo o seu calor, que aquece, mas que também queima. É deixar que a lava de amor e fúria preencha os cantos antes mais desconhecidos da nossa alma e exploda pelos poros em forma de cuidado e carinho. É curvar-se diante do Eterno, humildemente, e contar com a vontade Dele para que você não enlouqueça de preocupação e nem sufoque o seu filho dentro de uma bolha de superproteção. É medo, risadas sem hora marcada, ternura sem fim e muita oração.

Sim, faço do conselho da minha amiga também o meu conselho às mulheres que ainda não se decidiram. Se você quer uma vida cômoda, sem sustos, nem improvisos, não tenha filhos. Agora, se você gosta de emoção e tem estômago forte, vá em frente. A maternidade é a montanha-russa mais realista e sem volta que você poderia desejar nesta terra.  E ela é, de fato, INCRÍVEL!

Ofereço este texto à minha mãe Carmem, mulher forte, que deu à luz a CINCO filhos! Fico imaginando todas as emoções que ela não passou e não passa todos os dias. :)

 


Luciana Mendes Kim trabalha como educadora, é amante da literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Porque eu decidi que quero ter um filho (e não foi porque bebês são fofinhos) – Capítulo V.

Sabe, não é fácil dizer por aí que não se quer ter um filho. Já recebi muito olhar torto e julgador. E quando eu dizia que não queria ter filhos pra uma mulher que ansiava ser mãe e não podia ter filhos, o olhar passava de julgador pra condenador e assassino. No começo me incomodava, depois fui deixando pra lá. Não importa pra ninguém se terei ou não um filho e isso é algo que muitos não entendem. Mas, por um tempo ainda dava explicações (como se devesse alguma, mas ok) do tipo: é muito caro, não tenho jeito com crianças, não poderia pagar escola, tenho medo de cesariana e no Brasil o parto normal é difícil e blá blá blá. Quando na verdade, a resposta era simples: eu não tinha a menor vontade de ser mãe e não queria arcar com a responsabilidade de colocar uma alma na Terra que será eterna (sim, de novo, isso é sério).

E aí, assistindo ao filme, encaro a cena lindíssima do casamento do Finn e da Annie (a que eu citei no capítulo IV, que me incomodou de forma diferente). Eles estavam no meio de uma guerra. O Finn ia pra batalha. Eles estavam (sobre)vivendo numa comunidade subterrânea. Tudo era cinza, tudo era sem vida, tudo era impessoal e frio. Mas eles estavam se casando, dançando, sorrindo. E uma palavra saltitava na minha mente: Esperança. Por que alguém que está nessas condições para tudo e celebra a construção de uma nova família, se casando? Porque tem Esperança.

“Não faltam voluntários para ajudar na decoração. Na sala de jantar, as pessoas conversam animadamente a respeito do evento. Talvez seja mais do que a festividade. Talvez seja porque estamos tão famintos para que alguma coisa boa aconteça que queremos fazer parte de tudo”. (Katniss narrando a cena do casamento, no livro).

httpblogcademeulivro.blogspot.com.br201511jogos-vorazes-esperanca-o-final.html
Distrito 13, subterrâneo. 
finn annie
Annie e Finnick.
finn e annie dançando foto
Existe Esperança no meio da guerra. 

Uma das consequências do esgotamento mental é a falta de esperança. Tudo que se sente é cansaço, uma vontade eterna de fazer nada, porque só o nada faz sentido. A gente continua com a maioria das atividades diárias por pura obrigação ou pela tentativa de sentir algum acalento (no meu caso, uma das formas de acalento é ir ao cinema!). E ainda assim, vez ou outra pifa e para, na marra. Não existe esperança. Só existe cansaço, físico, emocional e espiritual. Ou, simplesmente, cansaço, já que somos tudo isso de uma vez só.

A mistura esgotamento mental + falta de esperança na humanidade + problemas vários + falta de respostas + cansaço + a plena consciência da seriedade de colocar uma alma na Terra, tem um resultado simples: nunca ter filhos. Parece óbvio. E lógico.

Acontece que uma das minhas principais características é a resiliência. Eu tenho em mim esse instinto de sobrevivência dos lobos, como descrito por uma autora incrível, Clarissa Pinkola Estès, num livro igualmente incrível, Mulheres que Correm com os Lobos, que já indicamos aqui, inclusive:

“mesmo uma mulher que esteja morta de cansaço com suas lutas infelizes, não importa quais sejam, muito embora ela esteja com a alma exausta, ela ainda assim precisa planejar sua fuga. Ela precisa se forçar a seguir adiante seja como for. Esse período crítico assemelha-se a ficar ao relento em temperatura abaixo de zero um dia e uma noite. Para sobreviver, não se pode ceder à fadiga. Ir dormir significa morte certa”.

Eu não admito que o esgotamento mental, o cansaço e os problemas matem minha esperança no mundo. E eu não permito que a falta de esperança no mundo mingue minha vida. O tempo todo minhas lutas infelizes tentam reduzir minha fé ao pó, mas eu acredito no Criador e há muito converso com Ele sobre tudo isso, pedindo uma direção, um trilho seguro por onde caminhar.

E existe uma coisa interessante sobre orações: Deus responde. Mais que isso, Deus interage, se envolve, se relaciona. E Deus está em todos os lugares, Deus não está apenas num prédio, um espaço físico que a gente conhece pelo nome de igreja. No meu caso, quando Deus resolveu me dar uma resposta, Ele fez isso dentro da sala de cinema, enquanto eu assistia, aos prantos, um dos meus filmes favoritos.

Se você acha que a cena do casamento do Finn com a Annie foi tudo, eu te entendo, porque pensei que seria tudo, também. Foi uma cena linda e ali mesmo meu coração voltou a se aquecer. Mas aí, (alerta de spoiler!) o Finn morre na batalha. E morre com honra, com dignidade, cumprindo seu propósito, seu chamado. E quando começa a cena final do filme (sim, vai ter spoiler da cena final!), Deus me ajuda a resgatar o restinho de energia que tinha no corpo e me mostra que não importa o quão sujo o mundo seja, o quão sério seja criar um ser humano, o quão dura a caminhada pode ser, existe Esperança. A Esperança.

Depois de ler a carta que Annie escreveu pra ela, Katniss olha a foto de Annie com o bebê gracioso que ela teve com Finn, no meio da guerra, enquanto segura seu próprio bebê no colo. Em seguida, olha Peeta brincando com o filho mais velho, no campo, onde antes houvera dor e destruição.

bb finn e annie
Esperança
httpnicinefilo.blogspot.com.br201511jogos-vorazes-esperanca-o-final.html
Esperança

Eu não decidi que quero ter um filho porque bebês são fofinhos, nem porque a maternidade grita em mim, ou porque mulheres devem ser mães. Não decidi que quero ter um filho porque quero deixar um legado pro mundo, porque acho que o David será um pai encantador ou porque a sociedade diz que um casal não é família. Não decidi que quero ter um filho por mim, não decidi que quero ter um filho pelos outros, não decidi que quero ter um filho por causa da ilusão floreada da maternidade.

Eu decidi que quero ter um filho porque no dia 18 de Novembro de 2015, Deus me falou que eu ainda podia ter Esperança. A Esperança. E que Ela pode ser manifestada através de um filho.

Se vou gerar um bebê ou adotar? Não sei. Se uma dessas coisas vai acontecer em breve? Não sei. Se, afinal, serei mãe algum dia? Não sei. Mas, eu decidi que quero ter um filho. Porque eu tenho Esperança.

* As imagens usadas neste post foram tiradas aleatoriamente do Google e não me atentei em salvar os links, confesso. 


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Porque eu decidi que quero ter um filho (e não foi porque bebês são fofinhos) – Capítulo IV.

Nesses três anos pra cá, muitas coisas aconteceram. Como eu disse, passamos por um vale escuro e frio. O David foi demitido, eu montei um consultório lindo e caro que só durou um ano, trabalhamos muito e duro (somos autônomos, os dois…) Deus nos orientou a sair da igreja que crescemos e seguir um novo e desconhecido caminho, perdemos alguns ‘amigos’ nessa estrada, entramos num deserto e nem mesmo sei se já saímos dele. Eu tive um esgotamento mental e dá-lhe sessões de acupuntura, aromaterapia, psicoterapia, café com amigos, noites em claro em longas conversas com o David, yoga, meditação e muita, muita oração pra voltar pro eixo, pro meu equilíbrio. Mal saí dessa situção e o David também entrou. O esgotamento mental é um porre, porque por mais que a gente tivesse alegria no coração, desejo de fazer muitas coisas e fé, a gente se sentia tão cansado que às vezes simplesmente não tinha forças pra levantar. O cérebro falava “vai”, o corpo não reagia. E é um processo longo, ainda estamos saindo disso.

E aconteceu que em Novembro passado fui assistir ao último filme de uma das minhas sagas favoritas da vida, Jogos Vorazes: A Esperança – O Final, e uma das cenas (que eu já conhecia do livro, mas não foi tão tocante na época) me incomodou de uma forma diferente (no próximo capítulo falo melhor sobre ela). Se você ainda não assistiu os quatro filmes da saga, assista. E se ainda não leu os três livros que inspiraram os quatro filmes, leia. A história é uma distopia que, basicamente, narra o nosso futuro, descreve o horror que tem se transformado nosso mundo.

20160211_224537
Os três livros da saga, de trás pra frente na ordem de publicação. Leiam. Apenas leiam. É sério. 
20160211_224804
Sim, eu tenho o pôster do filme emoldurado, em casa.

Além de todas as minhas questões com a maternidade, uma coisa que pesava muito era o fato de o mundo ser um horror. As pessoas são mal educadas, mentirosas e falsas.

Outra coisa (e muito mais séria) é que ter um filho significa colocar uma nova alma na Terra. Vocês têm ideia da seriedade disso? Gente, não dá pra focar a atenção em xuxinha nova pro cabelo da bebê enquanto se sabe que uma alma nova foi colocada na Terra por você e que isso tem consequências eternas. Não dá. E eu sou uma pessoa séria e chata e sóbria demais pra não encanar com isso. São consequências eternas, entendeu? Não tem devolução, não dá pra voltar atrás na decisão.

Por que raios eu vou colocar um ser humano na Terra, um lugar hostil, perigoso, cheio de dor e maldade? As pessoas são cada vez mais egoístas e mesquinhas. A política é cada vez mais suja. A saúde é cada vez mais precária. A educação é cada vez mais negligenciada. Pessoas matam por cinco reais. Pessoas usam as outras como objetos. Homens estupram mulheres. Mulheres largam seus filhos no lixo. Tudo é dinheiro. E eu poderia ficar mais treze capítulos só descrevendo a escuridão e frieza que é o planeta em que vivemos.

Ouvi de algumas pessoas que era justamente por o mundo ser assim que eu deveria ter um filho, pra ele fazer diferença e ser Luz. Poético, acho. Mas gente, criança não se cria sozinha, entendeu? Tá na moda, mas não funciona. Criança precisa de limite e orientação. Precisa ser conduzida, construída. E isso quem faz é pai e mãe (ou cuidador adulto).

Essa moda da criação com apego só vai fazer com que daqui a 20 anos tenhamos milhares de bananas dependentes, mimados e mal educados pra lidar e conviver. E encontrar um meio termo entre a ditadura e permissividade é um árduo caminho.

Sim, a criança terá seu próprio caminho e deverá segui-lo, independente se for ou não o mesmo caminho dos pais, mas, ela não vai encontrar esse caminho sozinha. Papai e mamãe precisam orientar, conduzir. Levar até o primeiro passo dele e dar espaço pra criança ir, embora olhe de longe proporcionando apoio e suporte. É, né? Achou que era fácil? Não é. Fazer chá de bebê é fácil. Lista de convidados de aniversário de um ano é fácil. Passar a noite em claro controlando febre é fácil. Fazer aquele pequeno alien existir de forma autêntica e decente não é.

* As fotos deste post foram tiradas por mim, dos meus três queridos livros que guardarei pra sempre e do meu pôster exclusivo (mentira, todo mundo que comprou o ingresso pro filme ganhou um) que fica exposto aqui em casa.


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Porque eu decidi que quero ter um filho (e não foi porque bebês são fofinhos) – Capítulo III.

Meu padrão mental foi se transformando. Consegui me perdoar, pedi perdão a Deus e não só tenho certeza que Ele me perdoou como também ficou bem feliz por eu ter entendido que não era hora de ter filhos e provavelmente nunca seria a hora. Por muito tempo falei que não queria deixar a Terra sem passar pela experiência de construir um ser humano e sempre achei que estava falando sobre maternidade, mas, nesse período entendi que meu desejo se referia ao ser-psicóloga.

Continuei atendendo minhas queridas crianças e sempre aprendendo que ter um filho é muito mais sério que fazer enxoval em Miami ou fotografar a apresentação de Dia das Mães na igreja. É muito mais difícil que trocar fraldas fedidas de cocô ou escolher a decoração da festa de um ano. Dá mais trabalho que escolher o hospital pra fazer cesariana agendada-depilada-maquiada-deunhafeita-e-semcomernada. Exige mais responsabilidade, exige mais tempo, exige mais energia, exige mais, exige.

Álef 3
Pensa que é só ficar admirando esse olhar arrebatador? Não, não, não…

Entendi que se você não tem paciência, se você não tem disponibilidade de tempo (veja, eu disse tem-po, não dinheiro), se você não se desdobraria e esforçaria ao máximo pra construir decentemente um ser humano, se você não tem paciência de repetir oito mil quinhentas e trinta e duas vezes exatamente a mesma coisa, se você tem preguiça de acordar no meio da noite pra cuidar de criança doente ou não suporta dormir poucas horas mesmo que por só alguns anos, se você é incapaz de amar sem esperar nada em troca, se você não gosta de ouvir e ouvir e ouvir e ouvir e ouvir crianças falando na sua orelha repetida e infinitamente, se você é perfeccionista, se você é incapaz de deixar o celular de lado pra dar atenção pro seu filho, se você acredita em duendes e que são eles que fazem aquilo que você deveria fazer mas deixa de lado: não pode ter filhos.

E entendi que se você tiver todas essas questões e quiser muito ter filho, vai ter que tratar disso tudo antes. Antes. An-tes. E que se você já tem a criança, se vira pessoa, mas vai ter que fazer seu trabalho e bem feito. Terapia, por exemplo, ajuda, acredite em mim. Ajuda pais e ajuda filhos.

E a única coisa que impede uma pessoa de se tornar alguém melhor é uma mente preguiçosa e/ou fechada e/ou limitada. Então, se não for o caso, não arrume desculpas e vai se tratar. Pelo bem do Universo. E é o que resolvi fazer, porque minha mente é até que razoavelmente ativa, aberta e rica em possibilidades. Tento que ela seja, pelo menos. Eu decidi que quero ter um filho e vou tratar disso, em oração e em terapia.

E se você leu até aqui (tem paciência, pode ter filho!), vai entender o que me fez tomar essa decisão.

* Estrelando na foto deste post, o Álef, um dos bebês mais graciosos que já conheci, filho da Luciana Mendes Kim, uma das idealizadoras do Santa Paciência, e do David Kim, ilustrador da nossa incrível arte que representa o Santa Paciência, que me deram a devida autorização de compartilhar a gostosura que tão criando!


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Porque eu decidi que quero ter um filho (e não foi porque bebês são fofinhos) – Capítulo II.

Em Fevereiro fui lá eu tomar a radiação, chateada. Saindo da clínica, fui correr no Parque Chico Mendes. E enquanto eu corria eu batia um papo com Deus e me dei conta de uma coisa horrível: eu não estava triste porque não poderia ser mãe. Eu estava triste porque o meu planejamento tinha ido por água abaixo. Eu não pensei em nenhum momento num bebê fofinho. Eu só pensava que o que eu construí de ideal durante anos era algo completamente volúvel e fora do meu controle. Na real, descobri que eu não estava no controle.

Precisei começar um processo de auto perdão. Me senti um ser humano horroroso por ter criado um plano totalmente auto centrado e até sem sentido, porque a verdade é que eu nem sabia se queria mesmo ter filhos. Vasculhei minha mente e meu coração e notei que quando eu pensava em filhos, eu pensava no tema de aniversário de um ano, no tamanho que minha barriga ia ficar na gravidez, no hidratante que ia usar pra evitar estrias, na cor da parede do quarto do bebê, no berço amarelo… Só. Superficial e com pouquíssimo significado.

E mais, eu amo o silêncio. Eu durmo às 5h e acordo às 12h. Eu me irrito em ter que repetir a mesma coisa 3 vezes pro David, imagine 87952 vezes pra uma criança. Eu costumo chamar fetos de “pequeno Alien” ou “sangue suga”. Eu sou completamente louca pela minha privacidade. Eu não sei cozinhar. Eu não me vejo mãe. Eu nunca senti falta de criança na minha casa. Minha casa já é bagunçada o bastante sem bebê nenhum. Eu morro de nojo de baba. Morro de nojo de baba. No-jo de ba-ba. Eu não gosto de ninguém no meu pé. Eu não devo ser mãe.

Álef 2
Não é uma delicinha? Mas, não era pra mim. E também não foi porque bebês são umas delicinhas que eu decidi que quero ter um filho :).

O problema é que seis meses após a radiação, minha tireoide estava firme, forte e cheia de nódulos no mesmo lugar de sempre, onde não deveria estar mais. O médico disse que ou eu repetia a radiação numa dose mais alta ou fazia a cirurgia.  Fui pra outro médico. Eu estava cansada, com raiva e sem entender nada. Nesse meio tempo, o David foi desligado do banco onde trabalhou por quase dez anos, a gente ia perder o convênio muito em breve. Muitas mudanças aconteceram, passamos por um vale muito escuro e frio. Eu nunca tinha feito isso, mas antes de chegar no consultório do novo médico eu falei pra Deus: a não ser que o médico diga clara e objetivamente que tenho que fazer a cirurgia, não vou fazer. Se ele não me disser que é a única opção, não vou entender que devo fazer, então, por favor, seja claro, porque eu estou completamente perdida em meio a tantos problemas!

Eu entrei no consultório, falei bom dia, o médico respondeu com outro bom dia, disse pra eu me sentar e pediu os exames. Leu pacientemente os exames e laudos de tudo que eu tinha feito em relação à tireoide nos últimos 4 anos (sim, eu levei tudo). Fechou o último envelope, olhou pra minha cara e disse: cirurgia. Só isso, só essa palavra. Minha fé precária me fez perguntar mil coisas, tirar mil dúvidas, etc. e tal.

Saí da sala do médico com a cirurgia pré agendada e pensando (entre outras muitas coisas): uau! Então é isso, eu não devo ter filhos. Posso ficar em paz, posso aceitar e me tranquilizar. Eu já não queria, eu tinha criado um projeto sem sentido só porque achava que toda mulher devia ser mãe, eu baseei muitas coisas em puro pré conceito e até limitação intelectual, aí eu faço uma porcaria de procedimento que me impede de engravidar (de forma saudável e em paz) por dois anos, isso frustra os meus planos, e então, seis meses depois a cirurgia se torna a minha única opção (o último médico explicou melhor meu caso e disse que a cirurgia não era apenas minha única opção naquele momento, como foi o tempo todo, desde que descobri a doença)?! Deus?! Entendi o recado. Obrigada.

E então, nos últimos três anos eu fui me conformando de que a maternidade não era pra mim e eu estava bem com isso, quando pensava de maneira autêntica. David só me dizia que gostaria de ter um filho, mas comigo e, se eu não queria, ele não fazia questão, não insistiria, não cobraria.

* Estrelando na foto deste post, o Álef, um dos bebês mais graciosos que já conheci, filho da Luciana Mendes Kim, uma das idealizadoras do Santa Paciência, e do David Kim, ilustrador da nossa incrível arte que representa o Santa Paciência, que me deram a devida autorização de compartilhar a gostosura que tão criando!


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Porque eu decidi que quero ter um filho (e não foi porque bebês são fofinhos) – Capítulo I.

Eu tenho quase vinte e nove anos de idade. Eu sou casada há quase oito anos. Eu não quero ser mãe. Não queria, até algumas semanas atrás.

Decidi que quero ter um filho e, como a escrita é uma das minhas formas mais queridas de expressão, compartilho aqui essa história, que dividi em cinco capítulos. De hoje até sexta feira, você pode me acompanhar e viajar comigo nos desdobramentos dessa decisão.

Quando casei, aos 21 anos, ainda vivia no padrão mental: nascer, casar, se reproduzir, morrer. Mas, dentro de mim já vivia o ser selvagem que dizia muito baixinho: querida, acho que isso não é pra você, ok? Então, eu decidi que esperaria cinco anos de casamento pra ter filhos (tempo longo, pensando no modelo que me cercava).

Mas tem um detalhe importante, que é o fato de eu acreditar em Deus e acreditar numa vida de propósitos. Portanto, desde que entreguei minha vida a Ele, uma possível maternidade estava debaixo da vontade dEle, também, e de um propósito muito maior que minha (talvez) alegria em ver um “remelentinho” correndo pelo apartamento.

20160211_214751
Não, gente, definitivamente não foi por isso que decidi ter um filho ;-).

Pois bem, chegou o ano 2013, em 3 de Julho eu completaria cinco anos de casamento e estava preparada pra fazer o teste de gravidez em 4 de Julho e ver um gritante “positivo” a minha espera.

Eis que ainda em Janeiro eu visitei alguns endocrinologistas pra ter segundas, terceiras e quartas opiniões sobre meu cansativo tratamento pra hipertireoidismo (já durava 4 anos), e todos me falaram a mesma coisa: precisamos mata-la. A tireoide, claro! Eu tinha duas opções: realizar uma tireoidectomia (retirada total da tireoide) ou tomar uma alta dose de iodo radioativo (que faria a tireoide, basicamente, se desfazer em mim).

A cirurgia era relativamente simples, teoricamente rápida, certeira em resultado, vida absolutamente “normal” 30 dias depois, mas, com todos os riscos de qualquer cirurgia e com o que todos os médicos disseram: você é muito nova, você tem ótimas chances com o iodo, você não precisa se arriscar numa cirurgia; O iodo radioativo era uma “inofensiva” cápsula que depois de ingerir, era só passar cinco horas ao ar livre longe de pessoas (pra não contaminar), esperar seis meses pra tireoide “derreter” e problema resolvido. Até a página 2. O iodo radioativo só tinha uma restrição: proibido engravidar nos próximos dois anos pós ingestão. Não me atrevo a entrar em explicações médicas, mas, resumidamente, os óvulos podem ser afetados pela radiação e aí sugere-se esse “tempo controle” pra que nenhum óvulo afetado seja “usado”.

Conversei em consulta com o médico que escolhi acreditar e com o David, orei, tudo levava a crer que a melhor possibilidade era o iodo radioativo. Eu me lembro que saímos do consultório, entrei no carro e comecei a chorar. Fomos até o Park Shopping São Caetano almoçar e ficamos dentro do carro, no estacionamento, comigo chorando copiosamente por quase uma hora. O David, me ouvindo pacientemente. Quando parei, ele disse: por que você está assim? Eu respondi: acho que não tinha ideia de que queria tanto ser mãe. E voltei a chorar. O David disse que eu continuava podendo ser mãe, só que dois anos mais tarde. Mas a questão não era essa, eu não queria apenas ser mãe, eu queria ser mãe com cinco anos de casada. Eu queria engravidar dia 4 de Julho de 2013.

* Foto deste post retirada daqui, devidamente manipulada pra (tentar) não constranger ninguém :).


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Parem o mundo que eu quero descompressurizar

woman-laying-dream-girl-lying-down-grass-with-103392

Criar, educar e amar um filho (não necessariamente nessa  ordem) têm sido uma tarefa tão desafiadora para mim, que me  deixa, por vezes, exausta. Não disponho mais das mesmas horas  de sono, nem do mesmo tempo livre – que, quando existe, é  dedicado a uma brincadeira ou um passeio mais longo com o bebê  –, nem do mesmo pique para frequentar festas ou eventos cheios  de gente. Minha vida nunca foi tão corrida e dependente da minha  atuação como agora.

Mas existe algo que tem o poder de me desgastar ainda mais do que os cuidados inerentes à maternidade: a realidade do mundo. Pessoas impondo sua visão sobre as outras, sob o argumento de que discordar é intolerar ou discriminar, polêmicas estéreis infindas sobre partidos políticos, teologias, o chef de cozinha que falou mal do brigadeiro, o cantor que pediu mais respeito em seus shows. Greves, guerrilhas, tragédias, desemprego, deseducação, carências, melindres, preconceitos sufocados pela ditadura do politicamente correto (e os politicamente corretos jurando que estão vencendo o preconceito, como se ele fosse um problema fácil assim, de superfície, quando o buraco é bem mais embaixo, onde poucos têm acesso).

Obviamente que, globalizados como estamos, esses e outros problemas não são exclusividade do Brasil, mas reverberam em maior ou menor grau por todos os continentes. A questão não é brasileira, mas humana. E é aí que me bate um cansaço, uma preocupação, uma tensão nos ombros: o que será de nós??

O convite de Jesus, então, aparece como um alívio, uma esguichada de água em dia quente, uma coca gelada com limão para acompanhar a feijoada: “Venham a mim todos os que estão cansados e sobrecarregados, e eu lhes darei descanso” (Mateus 11.28). Sério mesmo, Jesus? Sério que posso chegar até você e ter todo o peso do mundo retirado dos meus ombros: pressão, prazos, polêmicas, mimimis e todo o resto??

E, assim, numa oração, sou descompressurizada.

O convite de Jesus ao descanso é autenticamente democrático. Qualquer pessoa, em qualquer lugar, sob qualquer circunstância, pode aceitá-lo e usufruir de seus efeitos. É revigorante e, de quebra, nos torna bem preparados e ativos para retornar ao cenário do caos.


Luciana Mendes Kim é graduada em Letras, mestre em Literatura Brasileira e uma das idealizadoras do Santa Paciência.

A imagem veio daqui