A falta que a leveza faz

Era um desses videos da época em que a internet estava deixando de ser discada para ser aquela outra mais “moderna”, que não usava linha telefônica direta. E era um vídeo bonito, sensível, que começava com uma voz ao fundo dizendo: wear sunscreen (use protetor solar). A partir daí, a voz, aliada a uma seleção de imagens impecável, compartilhava uma série de segredos para uma vida longa, jovem e… leve.

Assisti a esse vídeo tantas vezes, que quase posso dizer de cor todas as falas. E me lembrei especialmente de quando ele diz para não nos preocuparmos demais com a vida, porque os problemas que de fato são reais não passam quase nunca pela nossa cabeça, a não ser numa tarde ociosa de terça-feira… e é bem nessa parte que paro e respiro fundo.

Para uma melancólica incorrigível como eu, ouvir alguém dizendo que o que recheia a nossa cabeça, na maior parte do tempo, são caramelos coloridos é o mesmo que um viciado em jogo ouvir que ganhar na Mega-Sena é fácil. Desanima. Eu não apenas penso, mas sou torturada por minhas questões existenciais quase 24 horas por dia. E que questões seriam essas?– ouço a voz do hedonista do vídeo me indagando. Tudo, praticamente – respondo. Preocupa-me se estou sendo uma mãe presente para o Álef, se deveríamos mesmo nos dar ao luxo de tomar o sorvete granfino uma vez por mês, se meus estudantes estão explorando seus potenciais ao máximo, se chegarei no horário aos compromissos, se um dia serei uma cristã exemplar, se sou maluca, se deveria me exercitar mais e por aí a lista vai embora. É uma inquietação incessante em torno do atual estado das coisas. Cansativo, não?

Nessa semana, porém, aconteceu um imprevisto: recebi uma pincelada de leveza na alma. Olhei para os meus livros de ficção – a maioria tão convidativos, atraindo a gente para uma viagem a mundos paralelos -, para uma taça de vinho – mimo recebido dos meus pais apenas pelo mérito de existirmos -, para o meu próprio filho, elaborando suas primeiras frases e tropeçando na língua ao dizer coçalão no lugar de coração e jacaleca em vez de jacaré, e acho que finalmente compreendi. Compreendi que Deus é o Soberano das galáxias imensuráveis e também dos micromundos dos protozoários. Que Deus criou um mundo complexo, sim, mas também colorido e engraçado (olha o ornitorrinco!). Compreendi que, assim como as grandes questões, a leveza também faz parte da minha realidade, e que ela pode entrar aqui dentro e me oferecer um revigorante copo de trégua, do qual sou tão sedenta.

E, para dar as boas vindas à leveza, coloco MGMT no player e saio dançando pela casa.

 

Folon
Por Jean Michel Folon

 


Luciana Mendes Kim sou eu. Mas, depois de um certo tempo, pode me chamar de Lu. Amo algumas pessoas bem conhecidas (a Clarice Lispector e o Wim Wenders, por exemplo ) e outras tantas do meu convívio. Amo ler ficção, ver filme parado, dançar música eletrônica, tomar chá com amigos queridos e ir ao Sesc com marido e filho. Um dia, conheci a Carol e a Talita e, juntas, criamos o Santa Paciência.

Melancólica, sim, mas ganhando um novo olhar sobre a vida

Desde que me conheço por gente, sou guiada pela melancolia – a tendência de enxergar a metade vazia do copo, o lado pessimista das coisas e por aí vai. Nunca estou completamente satisfeita com as circunstâncias. Se por um lado a melancolia tem seu lado bom, pois abre portas para uma reflexão detida sobre questões existenciais, por outro, faz de mim uma pessoa difícil de agradar… e de conviver. Me identifico muito mais com a personagem Tristeza – linda e fofa e de óculos (eu também uso óculos) –,  do filme Divertidamente, do que com Alegria (sempre tão positiva sobre tudo o tempo todo, que chega a cansar a gente, rs). A boa notícia, porém, é que esse descontentamento que sempre matizou todos os aspectos da minha vida tem sido cada vez mais raro e devo isso ao processo de transformação espiritual, pelo qual venho passando há pouquíssimo tempo.

Tudo começou em janeiro deste ano, há um mísero mês somente, quando vi que minha única saída para não estragar meus relacionamentos, minhas escolhas e minha vida de modo geral seria abandonar alguns vícios, que por tempo mais do que suficiente vinham me acompanhando. Eu já havia feito quase tudo: já tinha sido paciente comigo mesma, aguardando aquela mudança lenta do tempo, do amadurecimento; já havia respeitado o meu ritmo; perdoado as muitas recaídas; mudado de casa, de cidade… e nada me curava de vez. Até que eu fiquei conhecendo os escritos de Catherine Marshall, uma escritora cristã que primeiro ficou famosa porque se casou com um pastor americano conhecido, lá atrás, nos anos 40, depois porque seus livros começaram a vender bastante. Numa conversa com a minha mãe, ela me contou que tinha uns livros da Catherine Marshall guardados numa caixa e eu fui correndo lá pescá-los, esbaforida de ansiedade, como alguém que escava exatamente o quadrado onde está escondido o tesouro. Encontrei ali dois livros dela e nem esperei chegar em casa para começar a leitura deles. Um é sobre a oração (por isso que meus posts andam tão “monotópicos” ultimamente, rs) e outro sobre o Espírito Santo. No livro sobre a oração, ela discorre sobre algumas orações que às vezes desejamos fazer, mas que não sabemos como, porque encontramos dificuldade em identificar a nossa real necessidade. Assim, ela vai delineando cada tipo de oração possível e a gente, à medida que avança na leitura, vai identificando qual espécie de oração expressa melhor para Deus aquilo de que tanto necessitamos (sim, Ele sabe tudo de que precisamos, mas a oração é uma prática que exercita nossa confiança em Deus, nossa intimidade com Ele e nosso conhecimento Dele).

Depois que terminei o livro sobre a oração da Catherine Marshall (o outro ainda estou lendo), parti para os escritos de outra mulher, a francesa Jeanne Guyon. Essa aí é uma das pérolas mais raras e incríveis de todas as galáxias juntas de todos os tempos de toda a história de tudo o que existe! Pois é, parece exagero, mas não é. Cristã vivida no século 17, Madame Guyon, como ficou conhecida, desenvolveu um relacionamento com Deus tão, mas tão profundo, que você chega a ficar com brilho nos olhos de pensar que, mesmo habitando um corpo limitado, é possível chegar tão perto assim de Deus e viver feliz da vida com Ele, mesmo passando por um monte de sofrimentos (como foi o caso dela). Li a autobiografia dela e agora estou lendo um guia de oração que ela escreveu, chamado Experiencing the Depths of Jesus Christ (Experimentando as profundezas de Jesus Cristo através da oração). Nesse livro, ela vai mostrando, passo a passo, como podemos encontrar Deus no centro de nosso ser, onde Ele habita.

O que tem me deixado tão maravilhada nessas duas autoras não se deve apenas ao fato de serem mulheres incríveis e espiritualmente fortes, mas principalmente ao fato de apontarem para a Fonte de toda a sua força, alegria e brilhantismo. Os textos delas – sempre apoiados nas Escrituras – deixam a gente com água na boca para chegar rasgando o coração na presença de Deus. Dá muita vontade de viver aquilo tudo e aí você acaba colocando em prática as orientações delas para essa experiência e vê que é tudo verdade! O nível de espiritualidade e intimidade com Deus da Madame Guyon, por exemplo, pode deixar a gente – meras iniciantes no assunto – um pouco desanimadas a princípio, mas resolvi que qualquer passo que eu der em direção a Jesus é lucro, mesmo que sejam passos de bebê. Assim, Madame Guyon se tornou para mim uma referência de onde é possível chegar nesta vida em termos de amizade e paixão por Jesus. Lindo demais!

Mesmo que eu ainda tenha a tendência de ver tudo cinza (afinal, essa sou eu), a experiência da oração tem me levado a conhecer melhor quem é Deus e isso tem sido, definitivamente, revigorante. Um exemplo disso aconteceu ontem mesmo, de madrugada, quando despertei do sono e fiquei rolando de um lado para o outro da cama, pensando em alguns gastos que terei logo mais, sem saber se teremos ou não recursos para isso. Claro que o pensamento vencedor foi: “Não vamos ter dinheiro! Não vamos ter dinheiro!”. Resultado: desatei a chorar. Mais tarde, quando fui falar com Deus sobre isso em oração, Ele me tranquilizou, respondendo que era na calma e na confiança que estariam a minha força e a minha salvação (Isaías 30.15, Bíblia). O fardo foi, então, retirado das minhas costas. Sorri.


Por isso, nunca ficamos desanimados. Mesmo que o nosso corpo vá se degastando, o nosso espírito vai se renovando dia a dia.
(2 Coríntios 4.16 )

dsc05215


Luciana Mendes Kim trabalha como educadora, é amante da literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.