O resgate da mulher que somos e da criança que fomos

wolf-moon_med-2
Ilustração incrível da artista Andrea Hrnjak

Não é novidade, aqui, que sou encantada pelo livro Mulheres que Correm com os Lobos. Aliás, acredito que falei dele em quase todos os meus textos do Santa Paciência! Bom, aqui vai mais uma recomendação sobre ele! É repetitivo, mas, coisa boa a gente não pode deixar passar ;)

Uma querida amiga psicóloga, a Vanessa Maichin, que escreve no blog Sou Existencialista, realiza um trabalho primoroso com mulheres. São vivências terapêuticas, baseadas nesse que é um dos meus livros favoritos. A Van, inclusive, foi quem me introduziu ao cativante mundo da busca pelo resgate da natureza selvagem e pela liberdade da mulher que foi por tanto tempo domesticada.

Participei do último encontro, realizado em Abril, e serei eternamente grata pelo presente da Vanessa, porque a vivência é, na verdade, um despertar. Mulheres que Correm com Lobos… Integrando o Espírito da Criança: O resgate da mulher que somos e da criança que fomos, é uma vivência que nos coloca em conexão com nossa criança. 

“A criança é inocência, é o esquecimento, um novo começar, um brinquedo, uma roda que gira por si mesma, um primeiro movimento, uma santa afirmação”.

(Nietzsche)

Tudo começa alguns dias antes da vivência. A Van nos dá algumas orientações pra entrarmos no clima do processo todo, com alguns exercícios que já nos incentivam a olhar pra dentro de nós com mais carinho e menos exigências. Chegando ao local do encontro, somos acolhidas e respeitadas dentro de um ambiente harmonioso. Tudo é caprichosamente preparado pra que nos sintamos queridas e bem cuidadas.

Brincamos ao som de cantigas que lembram nossa infância, recordamos momentos marcantes e compartilhamos histórias. Mas não é tão simples assim. Olhar pra nossa criança pode doer. Mas ali está a essência. No cuidado da nossa criança interior, ou do espírito da nossa criança, está o resgate da mulher selvagem que somos.

“No momento que a mulher selvagem se posiciona, ela dá espaço para a mulher que sabe o que quer! Acolhe a criança carente e ensina-lhe a dar os primeiros passos rumo a sua autenticidade! A mulher que sabe o que quer integra em seu ser a mulher forte e guerreira com sua criança leve e espontânea”.

(Vanessa Maichin)

20160430_103711
Brincando de Adoleta!

Ao longo da vivência, somos convidadas a explorar nossa experiência de infância, provocadas pela leitura de alguns contos do livro, e a Vanessa nos conduz nesse processo indicando nosso olhar a perceber novas possibilidades de ser e existir. Podemos acolher nossa criança, ouvi-la, pegá-la no colo e cuidar daqueles machucados que remédio nenhum cura, só um beijo afetuoso pode fazer isso, sabe? E quem dá esse beijo somos nós mesmas. A gente tem a oportunidade de abrir espaço pra começar a compreender a nossa história de vida. A sensação que fica é que um peso foi tirado, uma porta foi aberta e agora é preciso seguir um caminho de re-significações e novos aprendizados.

Minha experiência foi de ser apresentada à minha criança. Eu cresci escutando que nunca fui criança, que sempre fui precoce e já nasci adulta. Parar pra olhar a Talita criança me fez, de fato, enxergá-la. Ela existiu sim, o tempo todo, mas foi muito cobrada a ser tão perfeita que mais parecia uma adulta, séria, rígida, tensa, inflexível e exausta…

Olhei pra “Talitinha” e vi espontaneidade, graciosidade e alegria. Percebi que foram tiradas dela a criatividade, a vitalidade e a energia. E que já não importa mais quem fez isso, nem como ou por qual motivo, importa que agora eu olhe pra ela e resgate sua essência autêntica e livre.

“Resgatar a criança que fomos um dia é acolher sua história de vida. É compreender os significados dessa infância, é deixar doer o que precisa ser doído, é abrir espaço para nossos medos, carências, fragilidades, frustrações, angústias… É costurar, remendar, bordar e tecer nossa própria história. É abrir espaço para novas possibilidades de ser e existir… É abrir espaço para a mulher selvagem que corre com os lobos”. 

(Vanessa Maichin)

Claro que muito mais do encontro mexeu comigo e com as mulheres fortes e corajosas do grupo, mas, quero deixar aqui só um gostinho pra aguçar sua curiosidade e incitar seu desejo de se reconectar com si mesmo e participar da vivência! Foi delicioso despertar pra minha criança e descobrir como integrá-la à mulher que sou. Indico e espero que muito mais mulheres possam viver essa experiência.

P1030072
Vanessa (de cachecol laranja) e o grupo de mulheres que acolheu suas crianças!

E o próximo encontro já tem data marcada! Será no dia 25 de junho (sábado), das 10h00 às 14h00.

A Vanessa Maichin é Mestre em Práticas Clínicas pela PUCSP, tem formação em Psicoterapia Fenomenológico-Existencial e Daseinsanalyse e atuação como Professora de Pós-Graduação na UNIPAR e UNIP.

Mais informações:
Cel./WhatsApp (11) 995685159
E-mail: vanessamaichin@gmail.com

As inscrições estão abertas e as vagas são limitadas.


Talita Guedes Bittioli é uma alma encarnada lutando pra cumprir sua missão na Terra e poder um dia voltar pros braços do Pai. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

A incrível experiência de ser mãe

 

mamaeursa
Mamãe ursa, ilustração do meu marido David

 

Anos antes de eu me tornar mãe, uma amiga e eu conversávamos sobre os dilemas da mulher quanto à decisão pela maternidade e ela, que tem um filho de 10 anos, me disse: “Lu, sempre falo a mesma coisa para as mulheres que ainda não decidiram se querem ser mães: se você acha que não consegue, que não é pra você, não tenha filhos mesmo, porque dá trabalho, cansa, desgasta. Agora, se você optar por ser, você vai viver uma experiência incrível, que não pode ser comparada a mais nada nesta vida”.

Guardei isso comigo por anos e, ao contrário da Talita, minha amiga e colaboradora do blog, que escreveu aqui sobre como foi complexo para ela decidir pela maternidade, eu resolvi ser mãe meio que do nada mesmo, puramente movida pela curiosidade em viver essa experiência incrível (e mais curiosa ainda me tornei ao imaginar a misturinha intrigante que sairia de um marido coreano com uma brasileira aguada como eu).

Apesar de não saber exatamente o que representava ter um filho, eu e o David resolvemos arriscar. Pois é, foi arriscar mesmo, porque eu tinha um pequeno problema nos ovários, o que tornava a gravidez apenas uma possibilidade e não uma garantia. E, quanto mais demorava para engravidar, mais eu queria essa experiência incrível.

Durante o tempo em que tentei engravidar, várias coisas passaram pela minha cabeça. O primeiro tratamento não deu certo e tudo o que ele fez por mim foi me deixar obcecada por testes de farmácia. A cada teste que eu fazia, sempre a frustração. E ali, escondida no banheiro, eu deixava as lágrimas correrem livremente.

No segundo tratamento, troquei os testes de farmácia por uma espécie de “termômetro” gringo, que conta para você os seus dias altamente férteis. E qual não foi a minha decepção quando, mesmo me tratando, o termômetro não marcava NENHUM dia fértil para mim?? Só podia estar quebrado. Ou então…

Antes de ter tido tempo de deixar a ideia de infertilidade tomar a minha mente, uma dor terrível no abdômen me levou ao hospital. Depois de dois exames, foi confirmado o comecinho do comecinho da minha gravidez. Pronto. Eu havia dado o salto no escuro. Não tinha mais volta. Agora era só esperar 9 meses.

Dar à luz ao Álef foi um momento único, tanto no sentido bom como no ruim. Contra todas as probabilidades, o meu bebê nasceu prematuro de parto normal. No hospital, eu só ria de alegria, mas ao chegar em casa, me senti sendo engolida por um furacão, porque nada estava pronto ainda e eu experimentei uma solidão e uma sensação de incapacidade como nunca antes. Fiquei me perguntando sem parar se existiriam no mundo psicólogas especializadas em mulheres no puerpério, porque olha… como essas especialistas ganhariam dinheiro! O estado emocional de uma recém-mãe é vidro em estilhaços no chão. Tudo o que eu sentia era medo, incapacidade e exaustão.

Depois de poucos dias, um sentimento feroz me tomou. Era uma sensação avassaladora, totalmente fora de mim e completamente depositada naquele outro ser recém-chegado ao mundo, vulnerável, que se sofresse alguma coisa acabaria comigo. De repente, senti que sem aquela coisinha chorona eu não seria mais nada. Ele havia me arrebatado por completo e que o sentido da minha vida não estava mais só na minha vida, mas na vida de outro ser humano. Eu não era mais dona de mim. Ele era. Eu não estava mais no controle do que eu sentia. Eu não era mais a medida da minha compreensão sobre mim mesma e sobre o mundo. Agora tudo passava das minhas mãos para as mãos do meu filho. O que acontecesse com ele aconteceria comigo. Estávamos intrínseca e eternamente ligados um ao outro. Ao me dar conta de tudo isso, chorei como se não houvesse amanhã.

Hoje, depois de 1 ano e quase 6 meses do nascimento do Álef, que se desenvolve fofamente aliás, compreendo melhor (mas ainda não por inteiro) o comentário da minha amiga sobre a experiência incrível. Com isso, ela não queria dizer que eu veria pôneis cor-de-rosa todos os dias da minha vida como mãe. Com isso, ela não queria dizer que seria fácil como namorar na praia. Com isso, ela não queria dizer que seria leve e indolor.

A experiência incrível de tornar-se mãe é viajar até o magma da vida e sentir ali todo o seu calor, que aquece, mas que também queima. É deixar que a lava de amor e fúria preencha os cantos antes mais desconhecidos da nossa alma e exploda pelos poros em forma de cuidado e carinho. É curvar-se diante do Eterno, humildemente, e contar com a vontade Dele para que você não enlouqueça de preocupação e nem sufoque o seu filho dentro de uma bolha de superproteção. É medo, risadas sem hora marcada, ternura sem fim e muita oração.

Sim, faço do conselho da minha amiga também o meu conselho às mulheres que ainda não se decidiram. Se você quer uma vida cômoda, sem sustos, nem improvisos, não tenha filhos. Agora, se você gosta de emoção e tem estômago forte, vá em frente. A maternidade é a montanha-russa mais realista e sem volta que você poderia desejar nesta terra.  E ela é, de fato, INCRÍVEL!

Ofereço este texto à minha mãe Carmem, mulher forte, que deu à luz a CINCO filhos! Fico imaginando todas as emoções que ela não passou e não passa todos os dias. :)

 


Luciana Mendes Kim trabalha como educadora, é amante da literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Fazendo as pazes com a idade

Brazil_TerryGilliam
Cena do filme ‘Brazil’, de 1985 – uma distopia imaginada por Terry Gilliam

 

Com a proximidade dos meus 35 anos, também vêm chegando mais e mais pensamentos sobre o processo de envelhecimento. Mesmo que eu quisesse ignorar a realidade desse fenômeno, os sinais do meu corpo não me deixariam: já vejo alguns reflexos brancos nos meus cabelos e a minha pele mais marcada. Minha disposição para dançar, por exemplo, coisa que adoro, não é mais a mesma. Só de pensar no tempo que eu ficaria esperando na fila para entrar em alguma balada já me faz dar um suspiro profundo de cansaço. Abomino aglomerações e prezo mais do que nunca o silêncio. Resultado: me contento em dançar em casa mesmo, dentro das condições mais convenientes para mim (pois é, essa é a prova cabal de que estou, de fato, envelhecendo).

Mas o que poderia ser motivo para desespero está sendo trabalhado em minha mente para que se torne um aliado. Assim como quase todo ser humano desta geração, eu também não passei ilesa às influências do manual Disney-Hollywood para a vida: você só existe para o mundo se for jovem. Ou melhor, você pode até não ser jovem, mas sem dúvida alguma você precisa parecer jovem, mesmo que o preço para isso seja a sua identidade e você tenha que se transformar na Maga Patalógica (afinal, ela mesma é uma personagem Disney! Olha que ótima referência!).

Certa vez uma amiga me disse que nunca colocaria Botox ou nada que disfarçasse seu tempo de vida, porque aquelas eram as marcas de que ela tinha vivido. Achei isso tão sábio e… tão óbvio por ser um processo natural, não? De fato, viver deixa marcas, preenche os espaços vazios da nossa bagagem e escreve na pele da gente como hieróglifos de antigos egípcios nas paredes. É o corpo contando a nossa história: tombos levados na infância, artigos lidos com curiosidade de criança sobre rituais de tribos africanas, brincadeiras de professora com uma lousa caindo aos pedaços, a caixa d’água transformada em piscina (!) para duas amiguinhas em dia quente, o quase-afogamento numa piscina de verdade em Cuiabá; a paixão pelo inglês, a descoberta da literatura com Homero e Dostoiévski; os encontros dos adolescentes da igreja, os acampamentos, as experiências com Deus; o primeiro emprego no shopping, a viagem para Londres, os amigos que se foram e os amigos que chegaram; a faculdade de Letras, o mestrado, o casamento que não deu certo, a terapia que deu; a igreja maravilhosa que se tornou segunda família, o segundo casamento, o primeiro filho, o trabalho que finalmente faz sentido. Quanta riqueza!

Quando olho para o Álef, meu filho de 1 ano e 5 meses, penso no quanto a mochilinha de vida dele ainda é vazia. Se por um lado isso é promissor, claro que é, por outro, me causa um pouco de dó. Ele ainda não conhece tanta coisa bonita, profunda e gostosa como eu conheço… mal sabe ele o quanto a vida é incrível com suas dores e delícias. Vive na ignorância pura de uma existência ainda bebê.  Não consegue sentir o prazer de tomar grandes decisões por si mesmo, nem preparar uma comidinha saborosa na hora que quer. Não consegue ler Georges Bernanos, nem flutuar na suavidade da voz norueguesa do Kings of Convenience ou dançar ao som de Beirut (sou eu que proporciono esse prazer para ele, segurando-o no meu colo enquanto danço). Sua capacidade de apreender o mundo ainda é tão limitada! Que bom que nem sempre será assim para ele.

Por que então eu iria querer aparentar ter vivido pouco como o Álef ou como um adolescente? No que isso adiciona? Pelo contrário, subtrai! Recuso-me a ser uma pele repuxada para permanecer parecida com alguém que ainda não provou da vida. Não. O meu rosto é o distintivo da soma de todas as minhas experiências e quero me orgulhar dele, me sentir grata por tudo o que ele representa, por tudo o que de mim ele mostra para os outros. Que venham as rugas, os sulcos, as manchas, os cabelos brancos que um dia eu espero não tingir. Claro que me cuido e quero continuar me cuidando, mas se cuidar é bem diferente de se auto-enganar. Afinal de contas, assumir a vida é não temê-la, é entregar-se a ela toda até que, de tanto ter sido vida – em sua máxima capacidade – ela se esvaia de nós.


Luciana Mendes Kim trabalha na educação, é amante da literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Quando os amigos não são tudo

Agata Wierzbicka
Arte da ilustradora polonesa Agata Wierzbicka

 

Desde a adolescência, minhas amizades sempre foram muito intensas. Eu estava disposta a oferecer para os meus amigos tudo o que eu tinha e, em troca, eu esperava tudo deles: lealdade, confiança, presença, disponibilidade, apoio e consolo eternos. Os amigos eram a família que escolhíamos, os irmãos por afinidade. Eram os laços que nunca se desfariam, quando todo o resto poderia se desmanchar no ar. Porque eles eram os amigos e isso era o mesmo que dizer que eles eram sólidos, fixos, estáveis… enfim, eles eram os meus amigos, não importasse em que circunstâncias. E uma coisa para a qual eu não dava a mínima era essa história de ser amigO ou amigA. Eu tinha a consciência leve como o ar de que amigos homens podiam, sim, continuar sendo meus amigos sem que existisse nisso alguma conotação amorosa (ainda penso assim, com ressalvas em determinadas situações… enfim, assunto para outro post).

Com essa concepção que eu tinha – de amizade profunda, que “tudo sofre e tudo crê” (porque qual é a base de uma amizade genuína, senão o amor?) –, eu comecei a buscar nos amigos as respostas para os  dilemas da minha vida: “Será que saio para dançar escondida dos meus pais?” (eles raramente me deixavam sair para dançar) ou… “Será que eu deveria deixar esse emprego no banco, que eu detesto mas que paga bem, para voltar a dar aulas de inglês, que eu gosto mas que paga mal?”, ou ainda: “Será que a [um nome qualquer] vai com a minha cara? Porque hoje ela me disse isso e isso e assim e assim… ”. E, desse jeito, minha visão sobre o mundo ia sendo construída a partir da visão dos meus amigos sobre o mundo e as demais infinitas possibilidades que explicassem a minha vida iam sendo trancadas dentro de uma caixinha. Eu dependia dos amigos não para que me aconselhassem apenas, mas para que me dissessem exatamente o que fazer.

Além dos problemas óbvios que se criam com essa tamanha dependência que desenvolvi por meus amigos, “me abrir” com eles em crises existenciais passou a ser também um hábito (natural?). Eu depositava neles o peso da minha angústia e esperava que suas palavras me oferecessem respostas. Não raras vezes, eles me olhavam, aflitos, sem saber o que dizer para amenizar minha dor. E eu os olhava de volta, ávida por uma palavra deles que resolvesse tudo. Eles me entendiam. Eles sabiam. Eles viam de fora. E, assim, meus amigos deixavam de ser amigos para desempenhar um papel impossível, quase divino, de oráculos, sábios, videntes, deuses. Com isso, não digo que desabafar com os amigos seja algo ruim. O problema é quando esperamos que eles não só nos ouçam, mas também nos ofereçam uma solução, o que nem sempre está ao alcance deles (e nem deveria estar).

Aprender que amigos são (e devem ser, por amor a eles) limitados tem sido uma lição dura para mim. Hoje, mais do que antes, as questões existenciais se apresentam com frequência, pedindo de mim que eu tire conclusões, que eu repense, ressignifique, volte atrás, dê um passo para frente, mude, transforme, me autodomine, me auto-responsabilize (ou ‘autorresponsabilize’ tudo junto?).
É o lindo, mas espinhoso caminho da autonomia emocional… eita, expressão difícil essa!

Semana passada passei por um momento de angústia das bravas. Queria chorar no ombro de alguém e pensei em duas grandes amigas para isso (uma delas minha irmã de sangue). Bastou que eu imaginasse a reação de uma delas – uma frustração profunda por não ter uma resposta pronta, uma solução rápida para o meu problema – para que eu desistisse de contar a elas. Não. Tem que ser diferente. Não posso depender delas para me erguer. Era preciso encontrar outra forma, contar com os meus próprios recursos e, na falta deles, recorrer a uma Pessoa muito, mas muito específica.

Há alguns anos já que venho confiando em um outro Amigo. Como não tenho dificuldade para amizades profundas (para amizades mais superficiais eu tenho uma meeega dificuldade!), fiz dessa Pessoa um confidente dos mais confiáveis. Chego para Ele em oração e não conto, me derramo. Choro e falo de frustrações, de raiva, dos medos, das maldades, dos sentimentos puros, de tudo, tudinho de tudo que vai aqui nesse coração sovado pela vida. E sempre, sem exceção, recebo alívio. É um alívio parecido com ar condicionado de carro, quando chove e a gente liga o ar e os vidros vão sendo desembaçados, sabe? É assim quando conto tudo para o meu Amigo. Ele desembaça o meu olhar. Me dá perspectiva e esperança. Me devolve os recursos para avaliar, escolher e seguir o caminho por mim mesma, sem que eu precise que os amigos me sirvam de muleta.

A essa altura, você deve estar se perguntando: e seus amigos de carne, osso e sinceridade? Onde ficam numa hora dessas? Meus amigos queridos – e que para sempre serão – ficam ao meu lado, me oferecendo sua presença apoiadora (às vezes até silenciosa), conscientes de que existe Alguém do lado de dentro de mim, trabalhando para que eu me fortaleça. Meus amigos queridos, então, são convidados à minha casa, para celebrarem comigo mais uma resposta não necessariamente encontrada, mas sim buscada no lugar certo: Nele, que é a verdadeira Fonte de toda vida, de todo conhecimento e conforto.


Luciana Mendes Kim trabalha na educação, é amante da literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Feliz Luta Internacional da Mulher

mulher e o lobo 2
Imagem daqui.

Hoje é dia Internacional da mulher e, entre tantas mensagens nas redes sociais, notícias e falatórios, lojas oferecendo rosas às mulheres nas ruas, empresas fingindo que valorizam suas funcionárias e presenteando com “coisas de mulherzinha”, me pergunto se as pessoas realmente sabem o motivo dessa data ter sido instituída e a importância que essa luta (sim, luta, não é comemoração) tem pra toda a sociedade. Se você não sabe o motivo do dia 08 de Março ser estipulado como Dia Internacional da Mulher, vá atrás de saber. Não, eu não vou dar o caminho das pedras, vá ao Google, vá pesquisar. Se você que está lendo isso é uma mulher, digo isso porque faz parte do empoderamento feminino ir atrás daquilo que se quer, tornar-se protagonista das próprias decisões e escolhas, estudar, pesquisar, ir além. Se você que está lendo isso é um homem, faz parte da sua humanidade entender porque é que o dia 08 de Março é um dia de luta e não de entregar flores ou bombons às mulheres.

Pensar no Dia Internacional da Mulher, é, pra mim, angustiante, porque ser-mulher é uma das coisas mais difíceis que existem.

Eu não quero, no dia de hoje, receber flores, mensagens fofas ou declarações de quanto as mulheres são lindas ou poderosas porque “fazem tudo que o homem faz, de salto alto”. Não quero brindes comerciais que só servem pra fomentar a produção capitalista massificante ou enobrecer empregadores que no resto do ano não fazem porcaria nenhuma por suas funcionárias e/ou clientes mulheres. Não quero um jantar chique num restaurante, não quero que seja o dia de “folga dos afazeres domésticos”, o dia que os papais “ajudam” as mamães olhando as crianças pra elas irem tomar um café com as amigas. Não quero ser ressaltada e elogiada por minha fragilidade (hein?), minha capacidade de cuidar de marido e filho (oi?), minha competência de fazer jornada dupla – trabalho e casa (hahaha).

O que eu quero é que meu direito de ir e vir, garantido por Lei, seja respeitado. Eu, como muitas mulheres, sinto medo de ir ao mercadinho perto de casa a pé, porque no meio do caminho tem uma praça que está sempre cheia de homens desocupados que me tratam como objeto e ficam fazendo caras e bocas que me dão vontade de vomitar e de esfaquear cada um deles, fazendo-os sentir muita dor. Eles dizem coisas que tenho vergonha de reproduzir em voz alta. Eles torcem os pescoços pra ver minhas pernas, minha bunda e meus peitos e eu queria que os pescoços torcessem de vez e quebrassem ali mesmo, no meio da praça.

mulher e o lobo
Re-significando a natureza selvagem da mulher. Foto daqui.

O que eu quero é meu direito de existir sozinha. Alguns anos atrás eu saí do meu antigo consultório, às 22h30m, sozinha, depois de trabalhar muito o dia todo. Era semi final da Libertadores e o Corinthians estava num momento histórico. Meu marido foi assistir ao jogo com amigos e eu preferi ir pra casa, mas, antes resolvi passar no mercado e comprar o jantar. No estacionamento, quando terminei de colocar a última sacola no porta malas, um homem e uma mulher (sim, existem mulheres ladras e más) me abordaram, avisando que aquilo era um assalto e me fizeram ir dirigindo até a agência bancária mais próxima. Limparam minha conta, apontaram uma arma pra mim, riram de mim, me humilharam, me xingaram, depois me fizeram dirigir até um beco, vazio e desconhecido por mim, saíram do carro levando a chave e me ameaçaram ao dizer que eu não devia procurar ajuda pra sair dali. Sabem o que eu ouvi da minha mãe, da minha sogra, de muitas amigas? “Nossa Talita, mas por que é que você foi ao mercado essa hora da noite sozinha?!” Também ouvi: você devia ter ido assistir ao jogo com seu marido, se estivesse ao lado dele, nada teria acontecido com você. E também ouvi: a culpa é do seu marido, se ele não tivesse deixado (isso mesmo, deixado, como se ele mandasse em mim) você ir ao mercado sozinha, isso não teria te acontecido; você devia ter ido com ele, outro dia, não nesse (sim, porque o marido deixar de assistir o futebol pra ir ao mercado não pode, entendeu?). Eu tinha sofrido um sequestro relâmpago, mas a culpa não era da violência, a culpa não era dos assaltantes, a culpa era minha por ser mulher e ter ido ao mercado sozinha.

O que eu quero é poder realizar as minhas atividades diárias e até passar por imprevistos na rua, sem medo de ser estuprada. Meu carro está com problemas no reservatório de água. Como eu trabalho demais e uso o carro pra trabalhar, ainda não tive tempo de deixá-lo no conserto. Ontem à noite (pois é, eu não aprendo sociedade, eu continuo indo trabalhar a noite, sozinha) estava indo pro trabalho e já tinha vazado, ao longo do dia, toda a água. Não tinha posto de gasolina no caminho (e mesmo que tivesse, eu não pararia, porque uma mulher sozinha não pode ir em paz ao posto de gasolina, os frentistas acham que podem ficar mexendo com a gente no ambiente deles, “masculino”) e então, fui com o carro fervendo até um dos Shoppings onde atendo, e, só lá, no estacionamento, peguei a garrafa de água que já deixei no carro e enchi o reservatório. E ainda tive que me preocupar em estacionar numa vaga próximo à porta de entrada, onde tem guarda e mais movimento. Sim, isso tudo porque sou mulher. Não é o máximo? E aí, no dia 08 de Março vêm me entregar flores? Ah vá.

O que eu quero é que ao invés de brindes como creme hidratante, batom, perfume, rosas, cartinhas coloridas, as mulheres ganhem no dia 08 de Março, de seus empregadores e outras empresas, DVD’s de filmes de grandes cineastas mulheres, como a Sofia Coppola, ou livros de grandes autoras, como a Clarice Lispector ou a Doris Lessing. Por que sempre tem que ser presentinho fofinho que incentiva a beleza física da mulher, e não sua inteligência, sua intelectualidade, seu brilho interno? Por que sempre os produtos de beleza são mais valorizados ou vêm em primeiro lugar, antes de algo que valorize a sabedoria feminina? E aqui eu indico a leitura desse texto, bacanérrimo, que a Ana Lucie – querida leitora do Santa Paciência – me enviou hoje, sobre a Jenny Beavan, ganhadora do Oscar 2016 de Melhor Figurino por Mad Max: Fury Road (história de uma outra super mulher!). Jenny já foi indicada ao Oscar DEZ vezes na categoria Melhor Figurino, já levou a estatueta em duas premiações (por Mad Max, já citado, e por A Room With a View), e recebeu olhares julgadores e tortuosos pura e simplesmente por ter escolhido ir vestida confortavelmente à entrega do prêmio, muito diferente das mulheres exageradamente arrumadas no tapete vermelho mais famoso do mundo. Sério, eu quero muito mais Jennys no mundo!

Beaven
Jenny Beavan, winner for Best Costume Design for “Mad Max: Fury Road”, poses during the 88th Academy Awards in Hollywood, California February 28, 2016. REUTERS/Mike Blake – RTS8H6D

O que eu quero é que os produtores de cerveja parem de usar a mulher como objeto sexual pra atrair mais consumidores homens e se lembrem que as mulheres também são suas clientes, também bebem cerveja.

O que eu quero é que parem de usar mulheres quase nuas como ring girls em eventos de lutas, como o UFC, só pra atrair Ibope pros canais televisivos e pro “show” em si. E quero que mais mulheres lutadoras tenham espaço no esporte de lutas e artes marciais. Quero que homens pensem quinze vezes antes de dizer que alguém mais fraco ou menos habilidoso “luta igual uma menininha”. Quero que entendam que mulher também gosta de esportes, inclusive de MMA, porque esporte é esporte e ponto, não existe esporte de homem ou esporte de mulher.

O que eu quero é que as mulheres tenham direito à educação, direito à voz. Eu já escutei uma moça dizendo que se ela tivesse oportunidade de colocar só um dos filhos em escola particular, seria o menino, porque ele se tornaria o líder da família quando adulto, o provedor, então precisaria ter melhor educação. A filha não, tudo bem estudar na escola pública, mesmo. Não te dá vontade de chorar de tristeza? A mim, dá.

O que eu quero é que meninas em idade escolar não se sintam mal por não serem as populares, as preferidas pelos garotos por alcançarem um padrão ridículo de beleza. Quero que meninas parem de sentir que precisam ser as preferidas dos garotos pra se perceberem como seres humanos importantes. Quero que meninas tenham a oportunidade de crescerem seguras, aceitas, queridas, antes de tudo, por si mesmas.

O que eu quero é que deixe de existir esse acúmulo terrível de notícias sobre feminicídio, sobre homens e mulheres que matam suas parceiras por ciúme e possessividade, que espancam suas esposas porque se sentem poderosos e superiores, que violentam física e emocionalmente meninas, tirando delas a liberdade de crescer em uma vida em paz.

O que eu quero é valorização no trabalho. Não é mais destaque, não é mais firula, é reconhecimento daquilo que as mulheres já fazem o tempo todo. Quero que as mulheres não sejam mais assediadas sexual ou moralmente por seus chefes (homens ou mulheres). Quero que tenham salários baseados em suas competências, não no que tem (ou não tem) no meio das pernas. Quero que mulheres não sejam fantoches de homens.

O que eu quero é respeito, entendeu? Quero que as mulheres sejam tratadas com dignidade. Homens e mulheres devem tratar homens e mulheres com educação e gentileza, com presteza, com afeto. Homens e mulheres devem tratar homens e mulheres como seres humanos que são, co-existentes no mundo. De forma justa. Quero mais mulheres empoderadas, quero menos homens babacas.

Quero mais mulheres como a descrita em Provérbios 31. Essa mulher hardcore, como eu disse aqui uns dias atrás.

Se você pegar a Bíblia e ler decentemente o que está escrito em Provérbios capítulo 31, do versículo 10 até o 31, vai entender que a mulher que Salomão (um homem, sim, um homem, um rei, descrevendo características de uma mulher “de valor”; baixa a guarda e presta atenção) descreveu como virtuosa não é uma cafona, bobalhona, amélia, domesticada (no sentido ínfimo de cada palavra). Ele já começa dizendo que a bendita é difícil de achar. Ou seja, se é difícil de achar, também é difícil ser, certo? Certo. Depois ele fala que essa mulher vale mais que diamantes. Que ela é confiável, tem temperamento equilibrado, é inteligente, não é do tipo que é passada pra trás, é esperta. É analítica, de mente organizada, planeja, não tem medo de trabalhar pesado e sente alegria e prazer no trabalho. Não tem pressa de dar o dia por encerrado e compreende o valor do que faz, compreende o valor que tem. Ela se cuida, se preocupa com si mesmo e também não demora em ajudar quem precisa dela, sendo que sempre tem o que oferecer, porque é prevenida e habilidosa. Faz as coisas com zelo, é criativa, intuitiva e sabe bem o que faz e o que diz. É atenta, sabe dar orientações eficazes e conselhos sábios. Torna quem está ao seu redor produtivo e sempre encara o dia de amanhã com um sorriso. É humilde e vive no temor do Eterno, seu Deus.

lucia e aslan
Aaah, Aslan! (Cena do filme As Crônicas de Nárnia – Príncipe Caspian)

Percebe que essa descrição bíblica combina com o conceito de uma mulher forte e de atitude? Pois é, combina. Percebe que é o conceito de mulher que não é obrigada a casar e ser mãe pra ser feliz, que trabalha e garante seu sustento, que vai atrás do que quer, que não fica à sombra dos homens? Percebe que é uma mulher que brilha? Isso é o que eu quero pra mim e pra você, querida mulher, hoje e todos os dias.

Feliz Luta Internacional da Mulher.


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Porque eu decidi que quero ter um filho (e não foi porque bebês são fofinhos) – Capítulo V.

Sabe, não é fácil dizer por aí que não se quer ter um filho. Já recebi muito olhar torto e julgador. E quando eu dizia que não queria ter filhos pra uma mulher que ansiava ser mãe e não podia ter filhos, o olhar passava de julgador pra condenador e assassino. No começo me incomodava, depois fui deixando pra lá. Não importa pra ninguém se terei ou não um filho e isso é algo que muitos não entendem. Mas, por um tempo ainda dava explicações (como se devesse alguma, mas ok) do tipo: é muito caro, não tenho jeito com crianças, não poderia pagar escola, tenho medo de cesariana e no Brasil o parto normal é difícil e blá blá blá. Quando na verdade, a resposta era simples: eu não tinha a menor vontade de ser mãe e não queria arcar com a responsabilidade de colocar uma alma na Terra que será eterna (sim, de novo, isso é sério).

E aí, assistindo ao filme, encaro a cena lindíssima do casamento do Finn e da Annie (a que eu citei no capítulo IV, que me incomodou de forma diferente). Eles estavam no meio de uma guerra. O Finn ia pra batalha. Eles estavam (sobre)vivendo numa comunidade subterrânea. Tudo era cinza, tudo era sem vida, tudo era impessoal e frio. Mas eles estavam se casando, dançando, sorrindo. E uma palavra saltitava na minha mente: Esperança. Por que alguém que está nessas condições para tudo e celebra a construção de uma nova família, se casando? Porque tem Esperança.

“Não faltam voluntários para ajudar na decoração. Na sala de jantar, as pessoas conversam animadamente a respeito do evento. Talvez seja mais do que a festividade. Talvez seja porque estamos tão famintos para que alguma coisa boa aconteça que queremos fazer parte de tudo”. (Katniss narrando a cena do casamento, no livro).

httpblogcademeulivro.blogspot.com.br201511jogos-vorazes-esperanca-o-final.html
Distrito 13, subterrâneo. 
finn annie
Annie e Finnick.
finn e annie dançando foto
Existe Esperança no meio da guerra. 

Uma das consequências do esgotamento mental é a falta de esperança. Tudo que se sente é cansaço, uma vontade eterna de fazer nada, porque só o nada faz sentido. A gente continua com a maioria das atividades diárias por pura obrigação ou pela tentativa de sentir algum acalento (no meu caso, uma das formas de acalento é ir ao cinema!). E ainda assim, vez ou outra pifa e para, na marra. Não existe esperança. Só existe cansaço, físico, emocional e espiritual. Ou, simplesmente, cansaço, já que somos tudo isso de uma vez só.

A mistura esgotamento mental + falta de esperança na humanidade + problemas vários + falta de respostas + cansaço + a plena consciência da seriedade de colocar uma alma na Terra, tem um resultado simples: nunca ter filhos. Parece óbvio. E lógico.

Acontece que uma das minhas principais características é a resiliência. Eu tenho em mim esse instinto de sobrevivência dos lobos, como descrito por uma autora incrível, Clarissa Pinkola Estès, num livro igualmente incrível, Mulheres que Correm com os Lobos, que já indicamos aqui, inclusive:

“mesmo uma mulher que esteja morta de cansaço com suas lutas infelizes, não importa quais sejam, muito embora ela esteja com a alma exausta, ela ainda assim precisa planejar sua fuga. Ela precisa se forçar a seguir adiante seja como for. Esse período crítico assemelha-se a ficar ao relento em temperatura abaixo de zero um dia e uma noite. Para sobreviver, não se pode ceder à fadiga. Ir dormir significa morte certa”.

Eu não admito que o esgotamento mental, o cansaço e os problemas matem minha esperança no mundo. E eu não permito que a falta de esperança no mundo mingue minha vida. O tempo todo minhas lutas infelizes tentam reduzir minha fé ao pó, mas eu acredito no Criador e há muito converso com Ele sobre tudo isso, pedindo uma direção, um trilho seguro por onde caminhar.

E existe uma coisa interessante sobre orações: Deus responde. Mais que isso, Deus interage, se envolve, se relaciona. E Deus está em todos os lugares, Deus não está apenas num prédio, um espaço físico que a gente conhece pelo nome de igreja. No meu caso, quando Deus resolveu me dar uma resposta, Ele fez isso dentro da sala de cinema, enquanto eu assistia, aos prantos, um dos meus filmes favoritos.

Se você acha que a cena do casamento do Finn com a Annie foi tudo, eu te entendo, porque pensei que seria tudo, também. Foi uma cena linda e ali mesmo meu coração voltou a se aquecer. Mas aí, (alerta de spoiler!) o Finn morre na batalha. E morre com honra, com dignidade, cumprindo seu propósito, seu chamado. E quando começa a cena final do filme (sim, vai ter spoiler da cena final!), Deus me ajuda a resgatar o restinho de energia que tinha no corpo e me mostra que não importa o quão sujo o mundo seja, o quão sério seja criar um ser humano, o quão dura a caminhada pode ser, existe Esperança. A Esperança.

Depois de ler a carta que Annie escreveu pra ela, Katniss olha a foto de Annie com o bebê gracioso que ela teve com Finn, no meio da guerra, enquanto segura seu próprio bebê no colo. Em seguida, olha Peeta brincando com o filho mais velho, no campo, onde antes houvera dor e destruição.

bb finn e annie
Esperança
httpnicinefilo.blogspot.com.br201511jogos-vorazes-esperanca-o-final.html
Esperança

Eu não decidi que quero ter um filho porque bebês são fofinhos, nem porque a maternidade grita em mim, ou porque mulheres devem ser mães. Não decidi que quero ter um filho porque quero deixar um legado pro mundo, porque acho que o David será um pai encantador ou porque a sociedade diz que um casal não é família. Não decidi que quero ter um filho por mim, não decidi que quero ter um filho pelos outros, não decidi que quero ter um filho por causa da ilusão floreada da maternidade.

Eu decidi que quero ter um filho porque no dia 18 de Novembro de 2015, Deus me falou que eu ainda podia ter Esperança. A Esperança. E que Ela pode ser manifestada através de um filho.

Se vou gerar um bebê ou adotar? Não sei. Se uma dessas coisas vai acontecer em breve? Não sei. Se, afinal, serei mãe algum dia? Não sei. Mas, eu decidi que quero ter um filho. Porque eu tenho Esperança.

* As imagens usadas neste post foram tiradas aleatoriamente do Google e não me atentei em salvar os links, confesso. 


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Porque eu decidi que quero ter um filho (e não foi porque bebês são fofinhos) – Capítulo IV.

Nesses três anos pra cá, muitas coisas aconteceram. Como eu disse, passamos por um vale escuro e frio. O David foi demitido, eu montei um consultório lindo e caro que só durou um ano, trabalhamos muito e duro (somos autônomos, os dois…) Deus nos orientou a sair da igreja que crescemos e seguir um novo e desconhecido caminho, perdemos alguns ‘amigos’ nessa estrada, entramos num deserto e nem mesmo sei se já saímos dele. Eu tive um esgotamento mental e dá-lhe sessões de acupuntura, aromaterapia, psicoterapia, café com amigos, noites em claro em longas conversas com o David, yoga, meditação e muita, muita oração pra voltar pro eixo, pro meu equilíbrio. Mal saí dessa situção e o David também entrou. O esgotamento mental é um porre, porque por mais que a gente tivesse alegria no coração, desejo de fazer muitas coisas e fé, a gente se sentia tão cansado que às vezes simplesmente não tinha forças pra levantar. O cérebro falava “vai”, o corpo não reagia. E é um processo longo, ainda estamos saindo disso.

E aconteceu que em Novembro passado fui assistir ao último filme de uma das minhas sagas favoritas da vida, Jogos Vorazes: A Esperança – O Final, e uma das cenas (que eu já conhecia do livro, mas não foi tão tocante na época) me incomodou de uma forma diferente (no próximo capítulo falo melhor sobre ela). Se você ainda não assistiu os quatro filmes da saga, assista. E se ainda não leu os três livros que inspiraram os quatro filmes, leia. A história é uma distopia que, basicamente, narra o nosso futuro, descreve o horror que tem se transformado nosso mundo.

20160211_224537
Os três livros da saga, de trás pra frente na ordem de publicação. Leiam. Apenas leiam. É sério. 
20160211_224804
Sim, eu tenho o pôster do filme emoldurado, em casa.

Além de todas as minhas questões com a maternidade, uma coisa que pesava muito era o fato de o mundo ser um horror. As pessoas são mal educadas, mentirosas e falsas.

Outra coisa (e muito mais séria) é que ter um filho significa colocar uma nova alma na Terra. Vocês têm ideia da seriedade disso? Gente, não dá pra focar a atenção em xuxinha nova pro cabelo da bebê enquanto se sabe que uma alma nova foi colocada na Terra por você e que isso tem consequências eternas. Não dá. E eu sou uma pessoa séria e chata e sóbria demais pra não encanar com isso. São consequências eternas, entendeu? Não tem devolução, não dá pra voltar atrás na decisão.

Por que raios eu vou colocar um ser humano na Terra, um lugar hostil, perigoso, cheio de dor e maldade? As pessoas são cada vez mais egoístas e mesquinhas. A política é cada vez mais suja. A saúde é cada vez mais precária. A educação é cada vez mais negligenciada. Pessoas matam por cinco reais. Pessoas usam as outras como objetos. Homens estupram mulheres. Mulheres largam seus filhos no lixo. Tudo é dinheiro. E eu poderia ficar mais treze capítulos só descrevendo a escuridão e frieza que é o planeta em que vivemos.

Ouvi de algumas pessoas que era justamente por o mundo ser assim que eu deveria ter um filho, pra ele fazer diferença e ser Luz. Poético, acho. Mas gente, criança não se cria sozinha, entendeu? Tá na moda, mas não funciona. Criança precisa de limite e orientação. Precisa ser conduzida, construída. E isso quem faz é pai e mãe (ou cuidador adulto).

Essa moda da criação com apego só vai fazer com que daqui a 20 anos tenhamos milhares de bananas dependentes, mimados e mal educados pra lidar e conviver. E encontrar um meio termo entre a ditadura e permissividade é um árduo caminho.

Sim, a criança terá seu próprio caminho e deverá segui-lo, independente se for ou não o mesmo caminho dos pais, mas, ela não vai encontrar esse caminho sozinha. Papai e mamãe precisam orientar, conduzir. Levar até o primeiro passo dele e dar espaço pra criança ir, embora olhe de longe proporcionando apoio e suporte. É, né? Achou que era fácil? Não é. Fazer chá de bebê é fácil. Lista de convidados de aniversário de um ano é fácil. Passar a noite em claro controlando febre é fácil. Fazer aquele pequeno alien existir de forma autêntica e decente não é.

* As fotos deste post foram tiradas por mim, dos meus três queridos livros que guardarei pra sempre e do meu pôster exclusivo (mentira, todo mundo que comprou o ingresso pro filme ganhou um) que fica exposto aqui em casa.


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Porque eu decidi que quero ter um filho (e não foi porque bebês são fofinhos) – Capítulo III.

Meu padrão mental foi se transformando. Consegui me perdoar, pedi perdão a Deus e não só tenho certeza que Ele me perdoou como também ficou bem feliz por eu ter entendido que não era hora de ter filhos e provavelmente nunca seria a hora. Por muito tempo falei que não queria deixar a Terra sem passar pela experiência de construir um ser humano e sempre achei que estava falando sobre maternidade, mas, nesse período entendi que meu desejo se referia ao ser-psicóloga.

Continuei atendendo minhas queridas crianças e sempre aprendendo que ter um filho é muito mais sério que fazer enxoval em Miami ou fotografar a apresentação de Dia das Mães na igreja. É muito mais difícil que trocar fraldas fedidas de cocô ou escolher a decoração da festa de um ano. Dá mais trabalho que escolher o hospital pra fazer cesariana agendada-depilada-maquiada-deunhafeita-e-semcomernada. Exige mais responsabilidade, exige mais tempo, exige mais energia, exige mais, exige.

Álef 3
Pensa que é só ficar admirando esse olhar arrebatador? Não, não, não…

Entendi que se você não tem paciência, se você não tem disponibilidade de tempo (veja, eu disse tem-po, não dinheiro), se você não se desdobraria e esforçaria ao máximo pra construir decentemente um ser humano, se você não tem paciência de repetir oito mil quinhentas e trinta e duas vezes exatamente a mesma coisa, se você tem preguiça de acordar no meio da noite pra cuidar de criança doente ou não suporta dormir poucas horas mesmo que por só alguns anos, se você é incapaz de amar sem esperar nada em troca, se você não gosta de ouvir e ouvir e ouvir e ouvir e ouvir crianças falando na sua orelha repetida e infinitamente, se você é perfeccionista, se você é incapaz de deixar o celular de lado pra dar atenção pro seu filho, se você acredita em duendes e que são eles que fazem aquilo que você deveria fazer mas deixa de lado: não pode ter filhos.

E entendi que se você tiver todas essas questões e quiser muito ter filho, vai ter que tratar disso tudo antes. Antes. An-tes. E que se você já tem a criança, se vira pessoa, mas vai ter que fazer seu trabalho e bem feito. Terapia, por exemplo, ajuda, acredite em mim. Ajuda pais e ajuda filhos.

E a única coisa que impede uma pessoa de se tornar alguém melhor é uma mente preguiçosa e/ou fechada e/ou limitada. Então, se não for o caso, não arrume desculpas e vai se tratar. Pelo bem do Universo. E é o que resolvi fazer, porque minha mente é até que razoavelmente ativa, aberta e rica em possibilidades. Tento que ela seja, pelo menos. Eu decidi que quero ter um filho e vou tratar disso, em oração e em terapia.

E se você leu até aqui (tem paciência, pode ter filho!), vai entender o que me fez tomar essa decisão.

* Estrelando na foto deste post, o Álef, um dos bebês mais graciosos que já conheci, filho da Luciana Mendes Kim, uma das idealizadoras do Santa Paciência, e do David Kim, ilustrador da nossa incrível arte que representa o Santa Paciência, que me deram a devida autorização de compartilhar a gostosura que tão criando!


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Porque eu decidi que quero ter um filho (e não foi porque bebês são fofinhos) – Capítulo I.

Eu tenho quase vinte e nove anos de idade. Eu sou casada há quase oito anos. Eu não quero ser mãe. Não queria, até algumas semanas atrás.

Decidi que quero ter um filho e, como a escrita é uma das minhas formas mais queridas de expressão, compartilho aqui essa história, que dividi em cinco capítulos. De hoje até sexta feira, você pode me acompanhar e viajar comigo nos desdobramentos dessa decisão.

Quando casei, aos 21 anos, ainda vivia no padrão mental: nascer, casar, se reproduzir, morrer. Mas, dentro de mim já vivia o ser selvagem que dizia muito baixinho: querida, acho que isso não é pra você, ok? Então, eu decidi que esperaria cinco anos de casamento pra ter filhos (tempo longo, pensando no modelo que me cercava).

Mas tem um detalhe importante, que é o fato de eu acreditar em Deus e acreditar numa vida de propósitos. Portanto, desde que entreguei minha vida a Ele, uma possível maternidade estava debaixo da vontade dEle, também, e de um propósito muito maior que minha (talvez) alegria em ver um “remelentinho” correndo pelo apartamento.

20160211_214751
Não, gente, definitivamente não foi por isso que decidi ter um filho ;-).

Pois bem, chegou o ano 2013, em 3 de Julho eu completaria cinco anos de casamento e estava preparada pra fazer o teste de gravidez em 4 de Julho e ver um gritante “positivo” a minha espera.

Eis que ainda em Janeiro eu visitei alguns endocrinologistas pra ter segundas, terceiras e quartas opiniões sobre meu cansativo tratamento pra hipertireoidismo (já durava 4 anos), e todos me falaram a mesma coisa: precisamos mata-la. A tireoide, claro! Eu tinha duas opções: realizar uma tireoidectomia (retirada total da tireoide) ou tomar uma alta dose de iodo radioativo (que faria a tireoide, basicamente, se desfazer em mim).

A cirurgia era relativamente simples, teoricamente rápida, certeira em resultado, vida absolutamente “normal” 30 dias depois, mas, com todos os riscos de qualquer cirurgia e com o que todos os médicos disseram: você é muito nova, você tem ótimas chances com o iodo, você não precisa se arriscar numa cirurgia; O iodo radioativo era uma “inofensiva” cápsula que depois de ingerir, era só passar cinco horas ao ar livre longe de pessoas (pra não contaminar), esperar seis meses pra tireoide “derreter” e problema resolvido. Até a página 2. O iodo radioativo só tinha uma restrição: proibido engravidar nos próximos dois anos pós ingestão. Não me atrevo a entrar em explicações médicas, mas, resumidamente, os óvulos podem ser afetados pela radiação e aí sugere-se esse “tempo controle” pra que nenhum óvulo afetado seja “usado”.

Conversei em consulta com o médico que escolhi acreditar e com o David, orei, tudo levava a crer que a melhor possibilidade era o iodo radioativo. Eu me lembro que saímos do consultório, entrei no carro e comecei a chorar. Fomos até o Park Shopping São Caetano almoçar e ficamos dentro do carro, no estacionamento, comigo chorando copiosamente por quase uma hora. O David, me ouvindo pacientemente. Quando parei, ele disse: por que você está assim? Eu respondi: acho que não tinha ideia de que queria tanto ser mãe. E voltei a chorar. O David disse que eu continuava podendo ser mãe, só que dois anos mais tarde. Mas a questão não era essa, eu não queria apenas ser mãe, eu queria ser mãe com cinco anos de casada. Eu queria engravidar dia 4 de Julho de 2013.

* Foto deste post retirada daqui, devidamente manipulada pra (tentar) não constranger ninguém :).


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Ler opiniões diferentes do senso comum é também PENSAR!

Bruce

A questão de gênero e a decisão da Suprema Corte americana em favor da união civil gay têm suscitado reações das mais indiferentes às mais apaixonadas e contundentes. Raro, porém, tem sido ouvir uma voz ecoando contra toda a maré do senso comum, que leve à uma reflexão que possa contrabalancear – e por que não discordar? – tudo o que vem sendo dito e repetido à exaustão em todo veículo midiático de grande alcance.

Este artigo, competentemente traduzido pelo amigo Cristian Faber, trata da polêmica capa da revista americana Vanity Fair de junho (foto que ilustra este post, em que o ex-atleta olímpico Bruce Jenner aparece com sua nova identidade sexual) e o conteúdo do artigo traz à tona pontos nevrálgicos de uma questão que está longe de ser resolvida… de forma respeitosa, eu diria. Como era de se esperar, Matt Walsh, o autor do post original, recebeu críticas agressivas e muito, mas muito intolerantes da galera do bem, mas não cedeu às ameaças. Se você não concorda com o que ele escreve, precisa reconhecer, no mínimo, que o cara pensa por si próprio e tem uma coragem que é para poucos.

Pronto para encarar uma dose cavalar de argumentos que dão a cara pra bater em toda a ondinha pós-gênero que quer engolir o mundo inteiro?? Aí vai!

Chamar Bruce Jenner de mulher é um insulto às mulheres

Pais, atenção: em breve a gôndola de revistas no caixa do supermercado incluirá esta imagem profundamente perturbadora de Bruce Jenner. A foto está estampada na capa da próxima edição da revista Vanity Fair, e mostra Bruce produzido como uma boneca, com extensões de cabelo, vestindo um corset, partes do seu rosto, testa e pescoço depilados por motivos cosméticos, e seu peito modificado por pílulas de hormônio, Photoshop e silicone. A ideia é fazer um vovô de 65 anos parecer uma colegial, mas o resultado é uma versão distorcida de nenhum dos dois.

O que ele mais parece é um homem mentalmente perturbado que tem sido manipulado por gayzistas prepotentes e progressistas dissimulados. Longe de ter a aparência de uma mulher de verdade, ele me parece uma pessoa abandonada às suas próprias ilusões por uma cultura de imbecis narcisísticos. Tenho grande compaixão quando me deparo com essa tragédia – especialmente porque “transgêneros” recém operados frequentemente se arrependem da suas decisões, e em muitos casos tentam suicídio – mas poucos compartilham meu amor e preocupação com ele.

De fato, Bruce admitiu que depois da sua cirurgia de “feminização facial” teve um ataque de pânico, olhando no espelho e perguntando a si mesmo “o que foi que eu fiz comigo?” Esperamos que esse arrependimento não o leve a mais auto-mutilação, como levou muitos homens nessa situação. Eu temo o pior, porque Bruce está apressando os procedimentos para que a “transformação” coincida com a estreia de um reality show que está prestes a ser filmado. Eventualmente as cameras sumirão, e Bruce estará preso com o que ele fez consigo mesmo. Eu oro por ele quando esse momento sombrio chegar.

Em contraste, as chamadas animadas da mídia nos informam que Bruce posou para Vanity Fair para “estrear sua nova identidade”. Na entrevista acompanhando essas fotos terríveis, Bruce esquizofrenicamente refere a si mesmo na terceira pessoa, falando como se ele fosse duas pessoas diferentes.

Ele diz que ainda não decidiu se a segunda pessoa vai começar a dormir com homens, mas que não está focado nisso neste momento. Ele está apenas feliz que, por meio de extensa cirurgia plástica, altas doses de química sintética, kilos de maquiagem, e uso indiscriminado de Photoshop, ele pode finalmente ser ele mesmo. Desmantelando, mutilando, e editando a si mesmo, ele diz que é ele mesmo.

Em um segmento particularmente deprimente do artigo, Cassandra, filha de Bruce, diz que eles finalmente tem um relacionamento. Eles podem “ser meninas juntas”. Cassandra aparentemente desistiu de ter um pai, e se conformou em ter uma amiga com quem pode fofocar.

Isso é errado. Francamente, é nojento. Ao mesmo tempo em que sinto compaixão pelos problemas psicológicos de Bruce, é egoísmo fazer isso com seus filhos. Primeiro tira-se o pai deles, depois os força a lidar com esse processo devastador pro mundo todo ver.

É claro, enquanto a família carrega esse peso, a turba se estapeia para parabenizar o “heróico Bruce”. A ESPN até anunciou planos de dar-lhe o “Troféu da Coragem”. Houve um tempo em que esse tipo de coisa era dada a caras como Pat Tillman, que desistiu de fortuna e fama para sacrificar sua vida no campo de batalha, mas o significado de honra mudou muito desde então. Eu achei que tinha chegado ao fundo do poço ano passado quando deram esse troféu ao ex-jogador da NFL Michael Sam por ter alcançando o incrível feito de ser gay enquanto ainda era jogador.

Surpreendentemente, parece que a ESPN na verdade não é o árbitro mais confiável em termos de coragem.

(Falando de ESPN, noite passada, eu liguei a TV para ver o que costumava ser um dos meus programas preferidos, “Around the Horn” (programa esportivo em formato de mesa redonda da ESPN Americana), para ouvir suas análises das finais da NBA desta semana. Em vez disso, eu fui presenteado com um sermão de um escritor esportivo sobre como me certificar de estar usando os pronomes corretos quando me refiro a travestis. Eu realmente preferia saber como Lebron James e o Cavaliers estão, mas, sim, vamos ter uma lição de vocabulário transgênero. Legal! Obrigado! Sabe, se eu quisesse receber um sermão sem graça de bufões esquerdistas, eu não precisaria assistir ao maior canal de esportes do mundo. Existe Comedy Central pra isso)

A ESPN não está sozinha. Uma busca pelo Twitter e Facebook revela uma glorificação unânime, com “corajoso”, “linda” e “histórico” sendo indiscriminadamente jogados como confete.

É tudo muito triste.

Dito isso, eu não gostaria que alguém me acusasse de estar sendo crítico, então eu gostaria de oferecer, nesta ocasião gloriosa e sem precedentes do lançamento de uma revista “photoshopada”, umas poucas observações. Eu não estou interessando em destilar insultos sem embasamento – o que ainda sim seria muito menos danoso do que os elogios sem embasamento sendo lançados na direção de Bruce – então eu vou me limitar simplesmente a observar a realidade.

Neste momento, existem 5 realidades que saltam aos meus olhos:

Ideologia de gênero acaba com o feminismo

Como conservadores e cristãos fugiram apavorados da possibilidade de terem palavras sem sentido como “transfóbico” lançadas em sua direção, pode ser que em última instância, numa estranha virada do destino, as feministas é que tenham que combater a narrativa do “transgênero”. Se elas em algum momento entenderem que “ideologia de gênero” é um ataque direto à sua visão de mundo, talvez isso até cause uma guerra dentro das trincheiras progressistas.

Porque afinal, de acordo com a sabedoria feminista, não existe essa coisa de “cérebro feminino” ou “alma feminina” ou “se sentir feminina”. Pelas palavras de qualquer esquerdista que algum dia disse qualquer coisa sobre direito da mulher nas últimas 4 décadas, o modo como você se veste, pensa e sente não tem nada a ver com a sua feminilidade. Normalmente seria ofensivo e sexista acusar uma mulher de agir como, pensar como ou se sentir como uma mulher.

Mesmo assim, de repente, emoções e aparências definem uma mulher de maneira tão definitiva que até um homem pode se tornar uma, se ele alegar ter sentimentos que ele pensa serem femininos?

A coisa toda é uma grande contradição.

Feminismo e ideologia de gênero dizem duas coisas contrárias uma a outra sobre o que significa ser uma mulher. De fato, feministas criaram o termo “neurosexismo” para condenar a ideia misógina e pseudo-científica de que os cérebros do homen e da mulher são diferentes. Mas Bruce Jenner alega ter “o cérebro de uma mulher”. Então como isso funciona? Você vai me dizer que as únicas pessoas que podem ter cérebro feminino são… os homens?

Enquanto isso, feministas insistem regularmente que a ausência de útero e vagina tira dos homens o direito de terem uma opinião sobre aborto e coisas do tipo. Então um homem não pode ter opinião sobre problemas de mulher porque lhe falta a anatomia correta, mas ele pode na verdade se tornar uma, mesmo não tendo a anatomia correta?

Como é que isso pode fazer qualquer sentido?

Ideologia de gênero e feminismo não podem coexistir. Progressistas não podem ter os dois. Eles terão que escolher.

Da mina parte, eu concordo que nenhum homem pode jamais requerer feminilidade. Eu também concordo que existe sim cérebro feminino e alma feminina – e consequentemente emoções femininas, personalidade feminina e características femininas – mas o problema é que cérebro e alma femininos estão sempre contidos em corpos femininos. Um homem nunca vai nascer com o coração de um bicho preguiça, ou o fígado de um rinoceronte, ou o sistema de raízes de uma árvore, do mesmo jeito que nunca vai nascer com o cérebro de uma mulher.

Me disseram que brancos se apropriam da cultura negra quando ouvem Nikki Minaj ou usam aqueles bonés de aba reta. Não tenho certeza se essas ofensas constituem apropriação cultural indevida tanto quanto indicam um possível dano cerebral, mas esse não é o ponto. Se estamos mesmo preocupados com grupos se apropriando de outros grupos, eu acho que precisamos investigar essa coisa que chamar um homem de mulher só porque ele raspou o osso da testa, usa maquiagem e prende a genitália pra trás. Se você olhar bem, talvez encontre uma razão para achar que isso é uma apropriação indevida de feminilidade, ou pior, a degradação dela.

Há mais numa mulher do que apenas linhas faciais “feminizadas” e lingerie de babados. Bruce Jenner travestido não é bonito! Mulheres são lindas porque são mulheres. Feminilidade é bonito. Mulheres representam algo distinto e especial no mundo. Elas preenchem um vazio e desempenham um papel que nenhum homem pode.

Uma mulher não é uma mulher simplesmente por causa dos traços cosméticos que um homem possa simular. Uma mulher é uma mulher por conta da biologia, que Bruce não tem e nunca terá. Uma mulher é uma mulher por causa da sua capacidade de criar vida e abrigá-la em seu corpo até o nascimento, coisa que Bruce não pode fazer. Uma mulher é uma mulher por sua alma, mente, perspectiva, experiências e seu jeito único de pensar, de amar e de ser – todas essas coisas que Bruce pode apenas tentar simular.

Uma mulher é uma mulher. Ela mereceu esse título. Ela pagou por esse título. Ela sofre com esse título, dá vida com esse título, vive da concepção à morte e além com esse título. Ela é esse título. Ninguém deveria dizer a essa mulher que isso é uma coisa qualquer que um homem com dinheiro suficiente possa comprar. É degradante e reducionista, em como pai, marido, filho e irmão, eu não posso concordar com isso. Só posso imaginar como uma mulher se sentiria se sequer pensasse numa coisa dessas.

E note que eu digo “eu só posso imaginar” porque é o máximo que eu posso fazer. Eu não posso vivenciar os pensamentos ou sentimentos de uma mulher pelo fato de que eu não sou uma.

E Bruce também não é.

Identidade não está nos olhos de quem vê

Sendo honesto, eu não gosto do título que o site TheBlaze usou para esse artigo, e também não gosto dos títulos usados por outras publicações.

“Bruce Jenner Revela Novo Eu Feminino”

O quê?

Não tem essa de “novo eu”, ou “outro eu”, ou um “eu diferente”, ou um “eu 2.0”. O seu “eu” é você. É a sua existência. A sua pessoa; seu caráter único e irrepetível. Seu “eu” é seu corpo, mente, alma. É fisicamente, metafisicamente, espiritualmente, filosoficamente, cientificamente, racionalmente e logicamente impossível para um “eu” se transformar num “novo eu”. Um “eu” só pode ser o que já é.

“Bruce Jenner Revela Novo Eu”

“Bruce Jenner Estreia Nova Identidade”

“Bruce Jenner Faz Premier Mundial de Nova Alma”

Estamos falando de mudança de sexo como se fosse um produto da Apple! Com essa linguagem nós não apenas fizemos o “eu” mutável, como também o mercantilizamos e o transformamos num espetáculo que pode ser usado para fins lucrativos. Isso é a bastardização da nossa humanidade em escala e nível que não teriam passado nem pelas mentes mais perturbadas dos mais proféticos críticos sociais do último século!

É tudo tão vil, bizarro e ridiculamente impensável que nenhum escritor distópico de ficção científica poderia ter pensado que o colapso da sociedade ocidental se pareceria com isso. Neste momento Orwell e Huxley estão rolando na tumba com profundo arrependimento: “Cara! Um futuro apocalíptico onde pessoas são tão mimadas, vaidosas e entediadas que fingem poder estalar os dedos e reformatar suas almas do zero – por que eu não pensei nisso?”

Não há nada de autêntico nessa versão de Bruce

Depois de muitos anos e pelo menos uma dúzia de campanhas da Dove, parece que, pelo bem da agenda gay, nós abandonamos completamente a ideia de que “mulheres não devem ser photoshopadas ou rebocadas com maquiagem e silicone de modo a reforçar o padrão subjetivo de feminilidade”. Talvez a única coisa na qual os esquerdistas estiveram realmente certos, agora foi jogada no lixo porque não corrobora com a narrativa gay/transgênero.

Ou seja, você não pode mais voltar a falar por aí coisas como “beleza natural” da mulher, depois de ter chamado Bruce de “corajoso” por ter usado melhorias cosméticas e digitais pra tentar alcançar uma aproximação superficial disso. Você não pode mais amaldiçoar a indústria da moda por aparar, emagrecer, cortar, pintar e operar mulheres pelo bem do encanto físico depois de ter acabado de falar sobre como Bruce alcançou sua “verdadeira identidade” através dos mesmos métodos.

GLAAD (ONG Americana que defende homossexuais e transgêneros contra violência física e verbal) aplaudiu Bruce por ser agora seu “eu autêntico”. Tragicamente eles não estavam tentando ser irônicos. Uma imagem digitalmente modificada, alterada cosmeticamente, de pose manipulada, adulterada quimicamente, basicamente um cartoon numa capa de revista, agora é “autêntico”, de acordo com os desonestos incuráveis da militância gay.

Autêntico, pelo amor de Deus. Eu tenho mesmo que explicar o porque dessas palavras serem completamente impróprias nesse contexto?

Essa foto é a definição literal de falso. Se isso não é falso, então nada é. Você não pode chamar de “falsa” uma mulher, legitimamente atraente, por causa de algumas fotos retocadas para aumentar o que já estava lá, se Bruce não recebe esse rótulo tendo passado por cirurgias no rosto, usado uma quantidade absurda de maquiagem, e ter escondido suas mãos e enfiado seu pênis entre as pernas, para disfarçar o que nunca esteve lá. Se isso é “autêntico” então eu posso despejar um pouco de Mac and Cheese da Kraft numa tigela e chamar de “autêntica cozinha italiana”, e Taylor Swift pode fazer umas musiquinhas dance sobre brigas de namorados e chamar isso de “autêntica música country”.

A batalha pela realidade

Vão me dizer, principalmente os conservadores, para deixar esse assunto pra lá e achar algo mais importante pra comentar. Mas milhões e milhões e milhões de pessoas – na mídia e fora dela – já falaram mais sobre esse assunto e já demonstraram mais interesse por ele do que eu jamais fiz, e mesmo assim nunca ninguém os mandou calar a boca e esquecer. Enquanto conservadores justificam sua covardia miserável insistindo que isso é apenas um showzinho secundário irrelevante e que eles estão ocupados em assuntos mais sérios, você vai perceber que esquerdistas tratam “ideologia de gênero” como uma das mais importantes fronteiras culturais.

Toda vez que um transgênero usa o banheiro hoje, esquerdistas fazem um carnaval, como se os Aliados tivessem acabado de derrotar a Alemanha Nazista.

Bruce Jenner posando com roupa íntima de mulher foi manchete no país todo. A Casa Branca chamou isso de “corajoso” e “poderoso”. O Presidente dos Estados Unidos da América, líder da nação mais poderosa da Terra, veio publicamente para saudar a “coragem” de Bruce em ter seios falsos e pernas depiladas. Foi o trending topic número 1 em todas as redes sociais. O alterego feminino de Bruce Jenner ganhou mais de 1 milhão de seguidores no Twitter em 4 horas.

Todos agem como se fosse uma grande coisa. Contanto que tenham a opinião “correta”, eles tem permissão.

E eles tem razão – é uma grande coisa.

Esta é uma batalha pela realidade, gente. Acordem pro jogo!

Se progressistas podem exercer o poder de demolir e reinventar a definição mesma de “homem” e “mulher” à sua imagem ideológica, então eles alcançaram uma total e irreversível vitória cultural. Eles engolfaram o universo e remodelaram a realidade. Eles se tornaram deuses, ou pelo menos é esse o poder que estamos dando a eles. Você pode tagarelar sem parar sobre economia e política externa, mas se vivemos num país onde confusão, perversão e auto-adoração reinam supremos, qual o objetivo? A América já estará morta.

Todos nós sabemos a verdade

Última pergunta para as pessoas – especialmente homens heteros – que alegam que não há diferença real entre um “transgênero” feminino e uma mulher de verdade: Você casaria com uma mulher que era homem? Você olharia para esse “ex” homem e pensaria “Eu quero que ele seja minha esposa”?

Resposta: Não. Você não faria isso. Você não fará isso. E você sabe disso. Instintivamente, quando o que está em jogo é sua vida e amor, você reconhece a diferença entre uma mulher biológica em toda a sua glória, e um homem castrado em toda a sua loucura. Estou gastando milhares de palavras convencendo você de algo que você já sabe. E eu sei que você sabe. E todo mundo sabe que todo mundo sabe.

Então porque ainda estamos tendo essa conversa?

Isso eu não sei. Mas enquanto ela continuar, eu vou continuar lembrando você de coisas que você já sabe, porque alguém tem que fazer isso.

Bruce Jenner não é uma mulher, em nenhum sentido ou medida.

E você já sabia disso”.