O grande supermercado que a vida se tornou

Ilustração de Libby VanderPloeg

Faz um bom tempo que quero escrever sobre esse assunto. Mas devo confessar: escrever sobre essa manipulação “sutil” que tenho visto acontecer de forma crescente com amigas, amigas de amigas e na qual eu também já fui vítima, é triste. Porém, mais do que triste fico extremamente indignada! Porque tenho percebido como essa crise de masculinidade, somada ao egoísmo inato a todo ser humano, tem afetado inclusive o bom moço, que paga de espiritual, de líder de ministério, de bom filho e de cristão dedicado. Que senta do seu lado aos domingos no culto, e não falta a nenhum evento promovido por sua igreja local.

A obsolescência programada de vidas

Garotos gostam de iludir
Sorriso, planos
Promessas demais
Eles escondem
O que mais querem
Que eu seja a outra
Entre outras iguais 

São sempre os mesmos sonhos
De quantidade e tamanho 

Garotos fazem tudo igual
E quase nunca chegam ao fim
Talvez você seja melhor
Que os outros
Talvez, quem sabe
Goste de mim

Garotos perdem tempo pensando
Em brinquedos e proteção
Romance de estação
Desejo sem paixão
Qualquer truque
Contra a emoção
Garotos – Kid Abelha (1985)

Esse mesmo bom moço (com todas aquelas credenciais citadas acima), se aproxima de você. Despretensiosamente vocês desenvolvem conversas interessantes, ele se mostra extremamente solícito e gentil. Com o tempo, e a convivência, vocês trocam mensagens sobre a vida, têm conversas profundas, começam até a saírem sozinhos. O tempo passa e você se envolve emocionalmente, e inevitavelmente, claro! Afinal, ele é tão legal, sempre te elogia, te dá presentes, te leva para jantares, tudo está caminhando de um jeito que parece tão fluído.

Só que o tempo vai passando e você ficando cada vez mais envolvida, porém, sem avanço algum porque vocês nunca falam diretamente sobre onde pretendem chegar. Você se sente deslocada, e sem entender muito bem tudo o que está acontecendo porque ele continua te mantendo sempre por perto, mesmo que seja “só” virtualmente.

Você então começa a perceber que algo está muito estranho e, para agravar a situação, percebe que ele também tem flertado com outras, e pasmem: elas são suas próprias amigas ou frequentam a mesma roda de seu convívio social. Inevitavelmente você fica confusa: Será que isso tudo é da minha cabeça? Será que estou viajando? E para fechar com chave de ouro, quando estão na mesma roda de amigos ele te trata de um jeito totalmente diferente do que quando estão à sós. Por que vocês não conseguem ter o mesmo papo e a proximidade que têm quando estão com outras pessoas? Ele parece tão distante, tão irreconhecível.

A insegurança disfarçada de poder de escolha

Isso soa familiar para você?! Pois, é… Infelizmente, casos assim, são mais comuns do que podemos, ou gostaríamos de imaginar, e pior: dentro de nossas igrejas.

A cultura do descarte excessivo e do individualismo, tem se instalado profundamente em nosso meio e em nossas relações. E muitos homens têm sofrido da tal Síndrome do Peter Pan: O homem que nunca cresce (The Peter Pan Syndrome: Men Who Have Never Grown Up – Dr. Dan Kiley: 1983).

A busca pelo padrão ideal (e irreal) no (e do) outro para que eu me sinta aceito e valorizado, é desonesto com a outra parte. Eu transfiro minhas próprias responsabilidades, meus medos, anseios e inseguranças para o outro e de uma forma extremamente cruel e sagaz: usando-o como um mero objeto e descartando-o quando acho que não me serve mais. E durante o processo, enquanto ainda estou na dúvida se o outro será bom o suficiente para mim, ou se vou ter alguma vantagem real, vou mantendo-o na geladeira para meu bel-prazer.

O grande supermercado que a vida se tornou

Somos massacradas pela cultura da estética ideal. Constantemente estimuladas a deixarmos de ser quem somos (como se isso fosse verdadeiramente possível) e a desejarmos ser quem não somos – tampouco nunca seremos.

Padrões são impostos à nós massivamente através das mídias, do entretenimento e das marcas. Compramos toda essa ideia sem refletir e sem nos questionar. E essa cobrança (e auto cobrança), nos custa caro, muito caro.

Negligenciamos nossa verdadeira identidade, deixamos que terceiros nos digam quem somos e pouco a pouco vamos nos tornando menos humanas, viramos uma coisa, e como produtos em uma prateleira de supermercado, ou pior, como um pedaço de carne em uma vitrine de um açougue, somos (e às vezes nos deixamos ser) colocadas a disposição. Como no mundo das marcas, nos colocamos a concorrência, onde se é adquirida aquela que melhor aparenta, ou aquela que possui melhor custo x benefício.

Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas. Pois vocês morreram, e agora a sua vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, que é a sua vida, for manifestado, então vocês também serão manifestados com ele em glória.

Assim, façam morrer tudo o que pertence à natureza terrena de vocês: imoralidade sexual, impureza, paixão, desejos maus e a ganância, que é idolatria. É por causa dessas coisas que vem a ira de Deus sobre os que vivem na desobediência, as quais vocês praticaram no passado, quando costumavam viver nelas. Mas, agora, abandonem todas estas coisas: ira, indignação, maldade, maledicência e linguagem indecente no falar. Não mintam uns aos outros, visto que vocês já se despiram do velho homem com suas práticas e se revestiram do novo, o qual está sendo renovado em conhecimento, à imagem do seu Criador.

Colossenses 3.1–10

É óbvio que mulheres também sofrem dessa síndrome fazendo homens vítimas, eu mesmo tenho amigos que sofreram com essa mesma crueldade que eu e que tantas amigas já sofreram. Mas convenhamos, não há como comparar, o gênero masculino é maioria esmagadora quando se trata de provocar a defraudação. Pois, se aproveita que é minoria nesses contextos e rodas sociais, explorando e potencializando um conceito pelo qual, nós mulheres, somos expostas e precisamos lutar contra diariamente que é o da objetificação.

Mulheres, vamos nos unir e falar mais abertamente sobre esse problema que tem assolado nosso meio e que se não for exposto não poderá ser tratado? Vamos parar também de achar que somente quando estivermos em um relacionamento teremos algum valor? Nós NÃO precisamos que outros nos digam qual é o nosso valor porque a pessoa mais importante já fez isso por nós. E Ele pagou um alto preço morrendo por nós para que fossemos completas Nele!

E homens, que tal pararem de agir como se as mulheres fossem objetos para que supram suas crises de auto aceitação? Vamos parar de achar que a vida gira ao seu redor e que todas as minas piram em você só porque é malhado ou possui algum “status”? Que tal praticarem a empatia que Jesus nos ensinou? Brincar com a vida alheia é uma das coisas mais cruéis e desumanas que podemos fazer com o próximo. Se você se feriu, e a ferida ainda sangra, não saia por aí fazendo inocentes sangrarem e alimentando um ciclo vicioso.

Amem-se uns aos outros. Como eu os amei, vocês devem amar-se uns aos outros. Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros.

João 13.34–35

Não devam nada a ninguém, a não ser o amor de uns pelos outros, pois aquele que ama seu próximo tem cumprido a Lei. Pois estes mandamentos: “Não adulterarás”, “Não matarás”, “Não furtarás”, “Não cobiçarás” e qualquer outro mandamento, todos se resumem neste preceito: “Ame o seu próximo como a si mesmo”. O amor não pratica o mal contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento da Lei.

Romanos 13.8–10

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

GAROTOS
Kid Abelha
1985

Garotos gostam de iludir
Sorriso, planos
Promessas demais
Eles escondem
O que mais querem
Que eu seja a outra
Entre outras iguais

São sempre os mesmos sonhos
De quantidade e tamanho

Garotos fazem tudo igual
E quase nunca chegam ao fim
Talvez você seja melhor
Que os outros
Talvez, quem sabe
Goste de mim

São sempre os mesmos sonhos
De quantidade e tamanho…

Garotos perdem tempo pensando
Em brinquedos e proteção
Romance de estação
Desejo sem paixão
Qualquer truque
Contra a emoção

Garotos fazem tudo igual
E quase nunca chegam ao fim
Talvez você seja melhor
Que os outros
Talvez, quem sabe
Goste de mim

São sempre os mesmos sonhos
De quantidade e tamanho…

Garotos perdem tempo pensando
Em brinquedos e proteção
Romance de estação
Desejo sem paixão
Qualquer truque
Contra a emoção

 


Carolina Selles é apaixonada por cores, histórias e sabores, é designer, graduada em Arte & Tecnologia e uma das idealizadoras do Santa Paciência.

O amor (diluído) em 5 dicas

 

dariapetrilli
Ilustração da italiana Daria Petrilli

No canal do Youtube de um museu dinamarquês tem um programa que se chama Advice to the Young. Toda vez, eles convidam um artista diferente, renomado já, para deixar um conselho para os que estão começando. Acho muito bom, porque além de eles falarem sobre o que passaram – e, assim, baseados na experiência que adquiriram, indicarem caminhos para os novatos –, eles também dão dicas muito diferentes uns dos outros, o que só nos enriquece.

Esses dias, tenho pensado que conselho eu daria às mulheres mais jovens do que eu… talvez eu poderia falar de carreira (já fui de tudo: secretária, repórter de viagem, vendedora, dona de loja e, agora, educadora por paixão)… talvez eu poderia falar de espiritualidade (a base do que sou)… mas acho que quero mesmo é falar sobre amor. Delícia de tema, não? Tenrinho, chuchu, mas tão difícil de acompanhá-lo na dança! Mesmo nos meus 35 anos e muitos quilômetros de vida rodados, ainda levo uma surra dele. Sempre com amor, claro, rs.

Bom, para as interessadas, aqui vão vislumbres de uma sabedoria do amor que estou longe de dominar, mas que venho recolhendo como conchas na praia:

 1. Não entre e nem saia da vida de alguém com a mesma facilidade com que você entra e sai de um supermercado

Quem já não fez ou sofreu disso? A vida fica num tédio tal, que qualquer pessoa serve para você se envolver. A questão é que qualquer pessoa não existe. Qualquer pessoa é um ser humano com sentimentos, é profundo (mesmo que a pessoa não usufrua de sua própria profundidade), tem histórico emocional, relacional e, muito provavelmente, expectativas diferentes das suas. Por isso, acredite: um pouco mais de respeito pelo outro na hora de se relacionar pode fazer maravilhas. Qualquer pessoa agradece.

2. Não canse quem te quer bem

Essa frase eu li uma vez num artigo bem interessante. Sabe aquelas pessoas que te amam aconteça o que acontecer? Pois é, o amor delas pode ser ilimitado, mas a paciência talvez não. Cultive o carinho que essas pessoas sentem por você com um pouco mais de bom humor, menos cobranças, mais leveza, mais alegria. Já perdi quem me quisesse bem e, na parte que me coube do fim da amizade, posso dizer que esses segredinhos teriam feito toda a diferença.

3. Não, as pessoas não são substituíveis

Penso muito nesse blábláblá, de que a gente pode substituir as pessoas. “Ah, para de chorar! Supera! Ninguém é insubstituível!” – já ouviu? Eu não caio nessa, não. Sim, a gente precisa superar as perdas (mesmo porque muitas delas acontecem contra a nossa vontade), concordo, mas achar que uma pessoa que nos marca vai ser deletada da nossa existência sem deixar rasuras é uma inocência. Coleciono algumas perdas e nunca consegui encaixar a amiga nova no mesmo molde da antiga, por exemplo. Não existe. Não dá. Era outra pessoa, outra época, outra intensidade, outras afinidades, outros mergulhos. Era único. E, ao mesmo tempo em que isso pode soar bonito e poético, é também um pouco triste. Ao escrever este parágrafo agora, por exemplo, consigo pensar em, pelo menos, três amigos, com os quais eu amaria conviver outra vez. São três queridos pra mim, aos quais o acesso eu perdi totalmente. Assim, meu conselho seria: prepare-se, sua folha em branco será, inevitavelmente, rasurada. Mas não se desespere: ainda assim e, justamente pelas rasuras, haverá beleza genuína na sua história.

4. Doe-se

Não tenha medo de ser brega. Beije, abrace, fale que gosta, do que gosta, sem medo de ser feliz. Algumas pessoas acham isso pegajoso, mas tem gente que se sente amada com gestos assim e eu, por exemplo, não me importo nem um pouco de ser esse meio de amor para as pessoas. Se gosto, demonstro. E se recebo de volta, melhor ainda. Porém, não é só de pegação que vive o amor. Amor também é doar os ouvidos e a atenção para o marido contar o sonho comprido que teve na noite anterior; é doar o seu tempo – e com boa vontade – para ir à festa junina da escola do filho; é ouvir a amiga desabafando pela 37ª vez na mesma semana sobre o crush que ela não supera; é não comer a última trufa que a sua colega de trabalho vendeu pra você e deixá-la para o seu namorado;  é assistir ao terceiro filme de uma saga que você não acompanha só para estar com seus amigos preferidos. Enfim… doar-se é escolher o outro quando você poderia muito bem pensar apenas em si mesma.

5. Ame-se

Não estou falando aqui de um amor narcisista, ofendidinho, arrogante. Estou falando de dignidade mesmo.  De conhecer os próprios limites e respeitá-los; de não ter vergonha de não querer ou de não saber; de gostar da barriguinha saliente, das sobrinhas nas laterais da cintura; de reconhecer os defeitos e também valorizar as qualidades; de pedir ajuda quando não der conta sozinha de uma situação; de não se maquiar todos os dias e gostar do que vê (ou de se maquiar e detestar o que vê); de não ter vergonha de chorar e, menos ainda, não ter vergonha de amar.

Obviamente, não tenho a menor pretensão de achar que essas cinco pílulas sobre o amor esgotam o assunto. É uma descoberta constante, infinda, misteriosa e incrível… e, por mais que cada um siga sua própria via nos meandros definidos pelo amor, é sempre possível (e justamente por acreditar nisso é que escrevo este post) encontrar maneiras mais práticas de vivê-lo.


Luciana Mendes Kim trabalha como educadora, é amante da literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

A arte da autossabotagem

Michelle Kingdom - www.michellekingdom.com
Michelle Kingdom – michellekingdom.com

Um texto, dias atrás (Gente que tá atrás do relacionamento perfeito mas não se entrega a relacionamento algum – via Papo de Homem), me chamou a atenção.

A princípio, porque o texto foi escrito por um homem, e confesso, achei que ele escreveu sob um olhar atento e sensível para o tema (como se homens não fossem capaz de tal proeza. Sim, admito: meu pensamento foi pobre, limitado e enviesado, desculpa aê gente!). Mas, ao finalizar a leitura, percebi que era um post patrocinado, ou seja, o conteúdo, na realidade foi pensado e escrito para vender! A propaganda, ao meu ver, sugeria algo entre a “solução” para pessoas tímidas (óbvio! já que se referia a um app de relacionamento virtual) e uma “vantagem” para as mulheres, pois, o poder de “escolha” nesse app é colocado como sendo nosso, já que são as mulheres que “chegam” e “escolhem” os caras colocando os mais interessantes no seu “carrinho de compra”. Ok, críticas à sites de relacionamento a parte (quem sabe um dia eu não escrevo sobre isso?!), ler esse texto, sobretudo dias atrás, foi muito legal para mim. Justamente porque eu estava refletindo sobre o tema abordado no texto. Aliás, me arrisco a dizer, que foi o texto que jogou luz no que eu estava pensando e tentando compreender. Então, mesmo que ele tenha sido pensado para ser uma propaganda acabou me ajudando a dar nome a arte de dificultar (às vezes de impedir) alguma coisa para si mesmo: a autossabotagem.

O texto é escrito por um cara casado falando de seu amigo solteiro. O papo é informal: uma conversa de boteco – e entre risadas e cervejas, o cara casado observa que a cada história contada pelo seu amigo o que fica claro e evidente é sua autossabotagem. Sua busca pelo relacionamento perfeito e, consequentemente, pelas namoradas (ou candidatas) perfeitas, não o deixa viver e desenvolver qualquer relação em potencial. Mas, quem foi que disse que relacionamentos não são complicados? Porque pessoas são complicadas, logo, relacionamentos também o são. A grande questão é como eu lido com tudo isso, ou melhor, com toda essa idealização de relacionamentos e pessoas.

Infelizmente, vivemos em uma época que tudo é demasiadamente idealizado e uma das consequências é a supervalorização da perfeição (o selfie perfeito com o ângulo perfeito; a viagem perfeita com o clima perfeito no país perfeito; o trabalho perfeito com a carreira perfeita e o salário perfeito; o namoro perfeito para o projeto de casamento perfeito com filhos perfeitos). Tudo tem que ser tão “perfeito” que nada dura; muitas vezes sequer começa! Acredito que essa (auto)análise seja como uma via de mão dupla: reconhecer no outro suas falhas e imperfeições implica olhar para dentro de mim e também admitir que tenho inúmeras falhas e imperfeições. Mas, em tempos como os nossos, em que a imperfeição não é tolerada, o descarte é inevitável e acaba sendo a “única solução”.

Outra coisa que percebi com a autossabotagem é que além de não querer olhar para meus próprios defeitos, eu fico em uma zona de conforto extremamente cômoda, reclamando da vida (como se eu não fosse sujeito-ativo nela) desejando arduamente por mudança alheia, é claro! Porque convenhamos, é muito mais fácil achar que o problema está somente no outro, jamais em mim. Assim, seguimos vivendo e esperando que tudo e todos mudem, menos eu. Mas, viver não é também mudar? Crescer? Se transformar?

Pensando sobre isso, e sobre as minhas próprias idealizações, ao me deparar com o texto, percebi que muitas vezes eu também me autossaboto deixando de viver relações (nas esferas mais diferentes possíveis) que poderiam me ser tão enriquecedoras. Quem sabe?!

Então, eu oro. Oro para que Deus me ajude a ter coragem e que dia a dia eu me torne cada vez mais vulnerável. Mas, não essa vulnerabilidade que é sinônimo de fraqueza moral, mas, a vulnerabilidade que me coloca em contato com o mundo e com o outro. Que me abre e me conecta com experiências, que me faz sentir viva sendo simplesmente quem sou. Oro também para que, antes de enumerar as diversas falhas do outro Ele me ajude a enxergar a viga em meu próprio olho. E, assim, sigo tentando dia a dia me lembrar mas principalmente viver isso…

 


Carolina Selles é apaixonada por cores, histórias e sabores, é designer, graduada em Arte & Tecnologia e uma das idealizadoras do Santa Paciência.

O resgate da mulher que somos e da criança que fomos

wolf-moon_med-2
Ilustração incrível da artista Andrea Hrnjak

Não é novidade, aqui, que sou encantada pelo livro Mulheres que Correm com os Lobos. Aliás, acredito que falei dele em quase todos os meus textos do Santa Paciência! Bom, aqui vai mais uma recomendação sobre ele! É repetitivo, mas, coisa boa a gente não pode deixar passar ;)

Uma querida amiga psicóloga, a Vanessa Maichin, que escreve no blog Sou Existencialista, realiza um trabalho primoroso com mulheres. São vivências terapêuticas, baseadas nesse que é um dos meus livros favoritos. A Van, inclusive, foi quem me introduziu ao cativante mundo da busca pelo resgate da natureza selvagem e pela liberdade da mulher que foi por tanto tempo domesticada.

Participei do último encontro, realizado em Abril, e serei eternamente grata pelo presente da Vanessa, porque a vivência é, na verdade, um despertar. Mulheres que Correm com Lobos… Integrando o Espírito da Criança: O resgate da mulher que somos e da criança que fomos, é uma vivência que nos coloca em conexão com nossa criança. 

“A criança é inocência, é o esquecimento, um novo começar, um brinquedo, uma roda que gira por si mesma, um primeiro movimento, uma santa afirmação”.

(Nietzsche)

Tudo começa alguns dias antes da vivência. A Van nos dá algumas orientações pra entrarmos no clima do processo todo, com alguns exercícios que já nos incentivam a olhar pra dentro de nós com mais carinho e menos exigências. Chegando ao local do encontro, somos acolhidas e respeitadas dentro de um ambiente harmonioso. Tudo é caprichosamente preparado pra que nos sintamos queridas e bem cuidadas.

Brincamos ao som de cantigas que lembram nossa infância, recordamos momentos marcantes e compartilhamos histórias. Mas não é tão simples assim. Olhar pra nossa criança pode doer. Mas ali está a essência. No cuidado da nossa criança interior, ou do espírito da nossa criança, está o resgate da mulher selvagem que somos.

“No momento que a mulher selvagem se posiciona, ela dá espaço para a mulher que sabe o que quer! Acolhe a criança carente e ensina-lhe a dar os primeiros passos rumo a sua autenticidade! A mulher que sabe o que quer integra em seu ser a mulher forte e guerreira com sua criança leve e espontânea”.

(Vanessa Maichin)

20160430_103711
Brincando de Adoleta!

Ao longo da vivência, somos convidadas a explorar nossa experiência de infância, provocadas pela leitura de alguns contos do livro, e a Vanessa nos conduz nesse processo indicando nosso olhar a perceber novas possibilidades de ser e existir. Podemos acolher nossa criança, ouvi-la, pegá-la no colo e cuidar daqueles machucados que remédio nenhum cura, só um beijo afetuoso pode fazer isso, sabe? E quem dá esse beijo somos nós mesmas. A gente tem a oportunidade de abrir espaço pra começar a compreender a nossa história de vida. A sensação que fica é que um peso foi tirado, uma porta foi aberta e agora é preciso seguir um caminho de re-significações e novos aprendizados.

Minha experiência foi de ser apresentada à minha criança. Eu cresci escutando que nunca fui criança, que sempre fui precoce e já nasci adulta. Parar pra olhar a Talita criança me fez, de fato, enxergá-la. Ela existiu sim, o tempo todo, mas foi muito cobrada a ser tão perfeita que mais parecia uma adulta, séria, rígida, tensa, inflexível e exausta…

Olhei pra “Talitinha” e vi espontaneidade, graciosidade e alegria. Percebi que foram tiradas dela a criatividade, a vitalidade e a energia. E que já não importa mais quem fez isso, nem como ou por qual motivo, importa que agora eu olhe pra ela e resgate sua essência autêntica e livre.

“Resgatar a criança que fomos um dia é acolher sua história de vida. É compreender os significados dessa infância, é deixar doer o que precisa ser doído, é abrir espaço para nossos medos, carências, fragilidades, frustrações, angústias… É costurar, remendar, bordar e tecer nossa própria história. É abrir espaço para novas possibilidades de ser e existir… É abrir espaço para a mulher selvagem que corre com os lobos”. 

(Vanessa Maichin)

Claro que muito mais do encontro mexeu comigo e com as mulheres fortes e corajosas do grupo, mas, quero deixar aqui só um gostinho pra aguçar sua curiosidade e incitar seu desejo de se reconectar com si mesmo e participar da vivência! Foi delicioso despertar pra minha criança e descobrir como integrá-la à mulher que sou. Indico e espero que muito mais mulheres possam viver essa experiência.

P1030072
Vanessa (de cachecol laranja) e o grupo de mulheres que acolheu suas crianças!

E o próximo encontro já tem data marcada! Será no dia 25 de junho (sábado), das 10h00 às 14h00.

A Vanessa Maichin é Mestre em Práticas Clínicas pela PUCSP, tem formação em Psicoterapia Fenomenológico-Existencial e Daseinsanalyse e atuação como Professora de Pós-Graduação na UNIPAR e UNIP.

Mais informações:
Cel./WhatsApp (11) 995685159
E-mail: vanessamaichin@gmail.com

As inscrições estão abertas e as vagas são limitadas.


Talita Guedes Bittioli é uma alma encarnada lutando pra cumprir sua missão na Terra e poder um dia voltar pros braços do Pai. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Quando os amigos não são tudo

Agata Wierzbicka
Arte da ilustradora polonesa Agata Wierzbicka

 

Desde a adolescência, minhas amizades sempre foram muito intensas. Eu estava disposta a oferecer para os meus amigos tudo o que eu tinha e, em troca, eu esperava tudo deles: lealdade, confiança, presença, disponibilidade, apoio e consolo eternos. Os amigos eram a família que escolhíamos, os irmãos por afinidade. Eram os laços que nunca se desfariam, quando todo o resto poderia se desmanchar no ar. Porque eles eram os amigos e isso era o mesmo que dizer que eles eram sólidos, fixos, estáveis… enfim, eles eram os meus amigos, não importasse em que circunstâncias. E uma coisa para a qual eu não dava a mínima era essa história de ser amigO ou amigA. Eu tinha a consciência leve como o ar de que amigos homens podiam, sim, continuar sendo meus amigos sem que existisse nisso alguma conotação amorosa (ainda penso assim, com ressalvas em determinadas situações… enfim, assunto para outro post).

Com essa concepção que eu tinha – de amizade profunda, que “tudo sofre e tudo crê” (porque qual é a base de uma amizade genuína, senão o amor?) –, eu comecei a buscar nos amigos as respostas para os  dilemas da minha vida: “Será que saio para dançar escondida dos meus pais?” (eles raramente me deixavam sair para dançar) ou… “Será que eu deveria deixar esse emprego no banco, que eu detesto mas que paga bem, para voltar a dar aulas de inglês, que eu gosto mas que paga mal?”, ou ainda: “Será que a [um nome qualquer] vai com a minha cara? Porque hoje ela me disse isso e isso e assim e assim… ”. E, desse jeito, minha visão sobre o mundo ia sendo construída a partir da visão dos meus amigos sobre o mundo e as demais infinitas possibilidades que explicassem a minha vida iam sendo trancadas dentro de uma caixinha. Eu dependia dos amigos não para que me aconselhassem apenas, mas para que me dissessem exatamente o que fazer.

Além dos problemas óbvios que se criam com essa tamanha dependência que desenvolvi por meus amigos, “me abrir” com eles em crises existenciais passou a ser também um hábito (natural?). Eu depositava neles o peso da minha angústia e esperava que suas palavras me oferecessem respostas. Não raras vezes, eles me olhavam, aflitos, sem saber o que dizer para amenizar minha dor. E eu os olhava de volta, ávida por uma palavra deles que resolvesse tudo. Eles me entendiam. Eles sabiam. Eles viam de fora. E, assim, meus amigos deixavam de ser amigos para desempenhar um papel impossível, quase divino, de oráculos, sábios, videntes, deuses. Com isso, não digo que desabafar com os amigos seja algo ruim. O problema é quando esperamos que eles não só nos ouçam, mas também nos ofereçam uma solução, o que nem sempre está ao alcance deles (e nem deveria estar).

Aprender que amigos são (e devem ser, por amor a eles) limitados tem sido uma lição dura para mim. Hoje, mais do que antes, as questões existenciais se apresentam com frequência, pedindo de mim que eu tire conclusões, que eu repense, ressignifique, volte atrás, dê um passo para frente, mude, transforme, me autodomine, me auto-responsabilize (ou ‘autorresponsabilize’ tudo junto?).
É o lindo, mas espinhoso caminho da autonomia emocional… eita, expressão difícil essa!

Semana passada passei por um momento de angústia das bravas. Queria chorar no ombro de alguém e pensei em duas grandes amigas para isso (uma delas minha irmã de sangue). Bastou que eu imaginasse a reação de uma delas – uma frustração profunda por não ter uma resposta pronta, uma solução rápida para o meu problema – para que eu desistisse de contar a elas. Não. Tem que ser diferente. Não posso depender delas para me erguer. Era preciso encontrar outra forma, contar com os meus próprios recursos e, na falta deles, recorrer a uma Pessoa muito, mas muito específica.

Há alguns anos já que venho confiando em um outro Amigo. Como não tenho dificuldade para amizades profundas (para amizades mais superficiais eu tenho uma meeega dificuldade!), fiz dessa Pessoa um confidente dos mais confiáveis. Chego para Ele em oração e não conto, me derramo. Choro e falo de frustrações, de raiva, dos medos, das maldades, dos sentimentos puros, de tudo, tudinho de tudo que vai aqui nesse coração sovado pela vida. E sempre, sem exceção, recebo alívio. É um alívio parecido com ar condicionado de carro, quando chove e a gente liga o ar e os vidros vão sendo desembaçados, sabe? É assim quando conto tudo para o meu Amigo. Ele desembaça o meu olhar. Me dá perspectiva e esperança. Me devolve os recursos para avaliar, escolher e seguir o caminho por mim mesma, sem que eu precise que os amigos me sirvam de muleta.

A essa altura, você deve estar se perguntando: e seus amigos de carne, osso e sinceridade? Onde ficam numa hora dessas? Meus amigos queridos – e que para sempre serão – ficam ao meu lado, me oferecendo sua presença apoiadora (às vezes até silenciosa), conscientes de que existe Alguém do lado de dentro de mim, trabalhando para que eu me fortaleça. Meus amigos queridos, então, são convidados à minha casa, para celebrarem comigo mais uma resposta não necessariamente encontrada, mas sim buscada no lugar certo: Nele, que é a verdadeira Fonte de toda vida, de todo conhecimento e conforto.


Luciana Mendes Kim trabalha na educação, é amante da literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Não nos deem os parabéns

Dia das mulheres_2016
‘Mirror’, por Tigran Tsitoghdzyan, óleo sobre tela

 

Não gosto de receber ‘parabéns’ pelo dia das mulheres, nem flores, menos ainda um poema breguinha. E explico por quê:  minha indisposição para sorrisinhos e congratulações não se devem à data em si, que é, na verdade, um marco na história feminina e deve sim continuar no calendário como um memorial de que, um dia, mulheres se recusaram a ser exploradas no trabalho e lutaram por seus direitos como… seres humanos que são. Entretanto, com o passar do tempo, a força dessa data começou a ser diluída e, no lugar, passamos a receber gracejos e elogios por nossa fragilidade (!!), quase como uma declaração do tipo: “sinto por você ter nascido mais fraca, mas veja pelo lado bom, você é bonita!”. Aff!

Quando leio Provérbios 31.10 em diante, respiro aliviada: Salomão entendeu do que somos feitas e, acima de tudo, fez uso da palavra que resume todas as coisas, que atinge o cerne da questão feminina e que responde a pergunta sobre o que eu quero receber no dia das mulheres e em todos os outros dias do ano e da vida: DIGNIDADE (verso 25).

Pronto! Se fosse dignidade o que regesse nossas relações todos os dias do ano, a mulher não serviria de objeto sexual, não veria seu direito à educação negada em países regidos pelo Talibã, não teria medo de ser estuprada na rua quando seu carro quebrasse no meio da noite (pois é, isso aconteceu ontem mesmo), não seria alvo de piadas, nem de agressão física, nem de preconceitos de diversas naturezas.

A passagem da mulher virtuosa de Provérbios não é apenas uma homenagem (aí sim, genuína e linda e recebo-a no dia de hoje com o coração aberto e feliz) para as mulheres, mas sim uma lição para a humanidade sobre dignidade, respeito e justiça. Se fossem esses os princípios que regessem as nossas relações de fato, os poemas, os ‘parabéns’ ou qualquer outro gesto atencioso não teria esse gosto de coisa forçada, artificial, hipócrita, do tipo você-finge-que-me-respeita-e-eu-finjo-que-acredito. Se aprendêssemos com Provérbios 31, este momento seria mais um dia de celebração natural do amor e da graça de Deus, espelhados através de todos nós sobre todos nós.


Luciana Mendes Kim trabalha na educação, é amante da literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Porque eu decidi que quero ter um filho (e não foi porque bebês são fofinhos) – Capítulo V.

Sabe, não é fácil dizer por aí que não se quer ter um filho. Já recebi muito olhar torto e julgador. E quando eu dizia que não queria ter filhos pra uma mulher que ansiava ser mãe e não podia ter filhos, o olhar passava de julgador pra condenador e assassino. No começo me incomodava, depois fui deixando pra lá. Não importa pra ninguém se terei ou não um filho e isso é algo que muitos não entendem. Mas, por um tempo ainda dava explicações (como se devesse alguma, mas ok) do tipo: é muito caro, não tenho jeito com crianças, não poderia pagar escola, tenho medo de cesariana e no Brasil o parto normal é difícil e blá blá blá. Quando na verdade, a resposta era simples: eu não tinha a menor vontade de ser mãe e não queria arcar com a responsabilidade de colocar uma alma na Terra que será eterna (sim, de novo, isso é sério).

E aí, assistindo ao filme, encaro a cena lindíssima do casamento do Finn e da Annie (a que eu citei no capítulo IV, que me incomodou de forma diferente). Eles estavam no meio de uma guerra. O Finn ia pra batalha. Eles estavam (sobre)vivendo numa comunidade subterrânea. Tudo era cinza, tudo era sem vida, tudo era impessoal e frio. Mas eles estavam se casando, dançando, sorrindo. E uma palavra saltitava na minha mente: Esperança. Por que alguém que está nessas condições para tudo e celebra a construção de uma nova família, se casando? Porque tem Esperança.

“Não faltam voluntários para ajudar na decoração. Na sala de jantar, as pessoas conversam animadamente a respeito do evento. Talvez seja mais do que a festividade. Talvez seja porque estamos tão famintos para que alguma coisa boa aconteça que queremos fazer parte de tudo”. (Katniss narrando a cena do casamento, no livro).

httpblogcademeulivro.blogspot.com.br201511jogos-vorazes-esperanca-o-final.html
Distrito 13, subterrâneo. 
finn annie
Annie e Finnick.
finn e annie dançando foto
Existe Esperança no meio da guerra. 

Uma das consequências do esgotamento mental é a falta de esperança. Tudo que se sente é cansaço, uma vontade eterna de fazer nada, porque só o nada faz sentido. A gente continua com a maioria das atividades diárias por pura obrigação ou pela tentativa de sentir algum acalento (no meu caso, uma das formas de acalento é ir ao cinema!). E ainda assim, vez ou outra pifa e para, na marra. Não existe esperança. Só existe cansaço, físico, emocional e espiritual. Ou, simplesmente, cansaço, já que somos tudo isso de uma vez só.

A mistura esgotamento mental + falta de esperança na humanidade + problemas vários + falta de respostas + cansaço + a plena consciência da seriedade de colocar uma alma na Terra, tem um resultado simples: nunca ter filhos. Parece óbvio. E lógico.

Acontece que uma das minhas principais características é a resiliência. Eu tenho em mim esse instinto de sobrevivência dos lobos, como descrito por uma autora incrível, Clarissa Pinkola Estès, num livro igualmente incrível, Mulheres que Correm com os Lobos, que já indicamos aqui, inclusive:

“mesmo uma mulher que esteja morta de cansaço com suas lutas infelizes, não importa quais sejam, muito embora ela esteja com a alma exausta, ela ainda assim precisa planejar sua fuga. Ela precisa se forçar a seguir adiante seja como for. Esse período crítico assemelha-se a ficar ao relento em temperatura abaixo de zero um dia e uma noite. Para sobreviver, não se pode ceder à fadiga. Ir dormir significa morte certa”.

Eu não admito que o esgotamento mental, o cansaço e os problemas matem minha esperança no mundo. E eu não permito que a falta de esperança no mundo mingue minha vida. O tempo todo minhas lutas infelizes tentam reduzir minha fé ao pó, mas eu acredito no Criador e há muito converso com Ele sobre tudo isso, pedindo uma direção, um trilho seguro por onde caminhar.

E existe uma coisa interessante sobre orações: Deus responde. Mais que isso, Deus interage, se envolve, se relaciona. E Deus está em todos os lugares, Deus não está apenas num prédio, um espaço físico que a gente conhece pelo nome de igreja. No meu caso, quando Deus resolveu me dar uma resposta, Ele fez isso dentro da sala de cinema, enquanto eu assistia, aos prantos, um dos meus filmes favoritos.

Se você acha que a cena do casamento do Finn com a Annie foi tudo, eu te entendo, porque pensei que seria tudo, também. Foi uma cena linda e ali mesmo meu coração voltou a se aquecer. Mas aí, (alerta de spoiler!) o Finn morre na batalha. E morre com honra, com dignidade, cumprindo seu propósito, seu chamado. E quando começa a cena final do filme (sim, vai ter spoiler da cena final!), Deus me ajuda a resgatar o restinho de energia que tinha no corpo e me mostra que não importa o quão sujo o mundo seja, o quão sério seja criar um ser humano, o quão dura a caminhada pode ser, existe Esperança. A Esperança.

Depois de ler a carta que Annie escreveu pra ela, Katniss olha a foto de Annie com o bebê gracioso que ela teve com Finn, no meio da guerra, enquanto segura seu próprio bebê no colo. Em seguida, olha Peeta brincando com o filho mais velho, no campo, onde antes houvera dor e destruição.

bb finn e annie
Esperança
httpnicinefilo.blogspot.com.br201511jogos-vorazes-esperanca-o-final.html
Esperança

Eu não decidi que quero ter um filho porque bebês são fofinhos, nem porque a maternidade grita em mim, ou porque mulheres devem ser mães. Não decidi que quero ter um filho porque quero deixar um legado pro mundo, porque acho que o David será um pai encantador ou porque a sociedade diz que um casal não é família. Não decidi que quero ter um filho por mim, não decidi que quero ter um filho pelos outros, não decidi que quero ter um filho por causa da ilusão floreada da maternidade.

Eu decidi que quero ter um filho porque no dia 18 de Novembro de 2015, Deus me falou que eu ainda podia ter Esperança. A Esperança. E que Ela pode ser manifestada através de um filho.

Se vou gerar um bebê ou adotar? Não sei. Se uma dessas coisas vai acontecer em breve? Não sei. Se, afinal, serei mãe algum dia? Não sei. Mas, eu decidi que quero ter um filho. Porque eu tenho Esperança.

* As imagens usadas neste post foram tiradas aleatoriamente do Google e não me atentei em salvar os links, confesso. 


Talita Guedes Bittioli é um ser-de-infinitas-possibilidades que cuida de almas pra se sustentar, escreve pra se libertar e segue tentando percorrer um bom caminho. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

#meuamigosecreto

 

22706886479_eb5d0efd80_z

 

Original e muito propícia a iniciativa que mulheres tiveram nas redes sociais hoje, 25, Dia Internacional da Não-Violência Contra a Mulher. Usando a hashtag #meuamigosecreto para não identificar de quem falavam, essas mulheres denunciaram pessoas conhecidas delas, que praticam algum tipo de machismo – desde piadinhas ‘inofensivas’ até abusos – contra a mulher e que passam despercebidas. As declarações que li foram corajosas, tocantes. Impossível não se revoltar contra (e imaginar quem seriam) aqueles “amigos” secretos todos.

De modo geral, sou bastante desconfiada dessas campanhas em redes sociais, que costumam ser ineficientes quando o objeto contra ou a favor do qual elas se manifestam estão muito além da foto do perfil. Mas desta vez, a campanha foi ambiciosa na medida certa: alcançar os próprios contatos e, esperançosamente, atingir aquele cara, ele mesmo, o alvo da denúncia. Fiquei pensando o que eu escreveria se fosse denunciar o #meuamigosecreto. Descobri, com muito desconforto, que ele não leria o meu desabafo, porque há muitos anos me bloqueou de seu Facebook.

O exercício de pensar nessa pessoa e em tudo o que eu diria a respeito dela fez com que eu me deparasse com uma realidade: a ferida ainda sangra. E sangra tanto, que eu nem conseguiria usar palavras na minha denúncia para distinguir uma violação de outra; tudo que vem à minha mente são imagens, como um cinema mudo. E o mais triste é pensar que ele agiu dessa forma acreditando estar certo e – que absurdo! – bíblico.

Por anos pedi a Deus que me curasse da lembrança dos abusos que sofri. Por anos acreditei que havia sido curada – pelo menos, em parte (junto com o pedido da cura, eu sempre orei a Deus que esfregasse no nariz dessa pessoa todas as agressões emocionais que ele cometeu contra mim). Deus ainda não me atendeu completamente, mas acredito que seja por um propósito, por empatia, por outras mulheres, por sororidade. Não quero estar alheia às minhas irmãs. Não quero estar no patamar “deste-mal-eu-não-sofro”, ou ficar prescrevendo soluções rápidas, como se misoginia fosse fantasia de cabeça desocupada. Não! Quero ser curada sim, mas quero levar todas as mulheres comigo. E é por isso que oro. Oro por mim, por você, pela nossa ferida que sangra e que não sabemos até quando irá sangrar.

(a foto que ilustra este post foi clicada pelo artista Janssem Cardoso)


Luciana Mendes Kim trabalha com educação, é amante de literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Filmes & a temática feminina

Aproveitando que o final de semana está aí, que tal escolher um desses filmes (ou todos eles! por que não?!) para assistir?

Tenho certeza que será mais do que um entretenimento; será uma ótima reflexão.

Girl Rising

Richard Robbins, 2013 

1girlrising

trailer: https://www.youtube.com/watch?v=81x6mYNxqzU

Não tem como assistir esse filme e não ser impactada… Em alguns momentos você se indignará, ficará pensativa, em estupefação, porém em outros (talvez na maior parte do filme), sentirá um enorme constrangimento, e daqueles que só é sentido quando comparamos nossas condições, estruturas e oportunidades com essas e tantas outras meninas ao redor do mundo que não possuem sequer 1/3 do que chamamos aqui no Ocidente, ou como nossa classe média abastada define, por direitos básicos.

O filme conta a história de 9 meninas de países diversos. Tais histórias foram recontadas por escritores, mas para trazer a essência de suas experiências, de forma bela, porém real. E entre uma história e outra o documentário traz dados interessantíssimos como, por exemplo:

“Aqui está um fato perturbador. A causa número um de morte para garotas entre 15 e 19? Não é Aids. Não é fome. Não é guerra. É parto. Quando as meninas se casam jovens, a educação termina. E os ciclos anteriores continuam. Ciclos de pobreza, ciclos de violência, ciclos de ignorância (Colocar todas as crianças na escola evitaria 700 mil casos de HIV por ano). Mas uma garota que vai estudar inicia outro ciclo (Meninas que estudam 8 anos são 4 vezes menos propensas a se casar jovem). Porque ela se manterá mais saudável. Ela vai se casar mais tarde. Ela terá filhos mais saudáveis (Um filho nascido de uma mãe alfabetizada tem 50% mais chance de passar dos 5 anos). E acima de tudo, ela terá filhos estudados (Mães estudadas são duas vezes mais propensas a mandar seus filhos para à escola). E não são só as mães. Os pais também devem investir. Assim, suas filhas podem sonhar.”

E eu se fosse você, começaria por ele ;-)


Miss Representation

Jennifer Siebel Newsom, 2011

2missrepresentation

você consegue assisti-lo na íntegra aqui: https://vimeo.com/72015293

Esse documentário aborda a falta de representatividade das mulheres na grande mídia. Seja a representatividade atrás das telas, como ‘cabeças pensantes’, criadoras e geradoras de conteúdo, seja reproduzindo e representando o papel da mulher sob uma ótica distorcida, comercializada e machista.

“Mulheres detêm apenas 3% de cargos de poder em telecomunicações, entretenimento, publicações e propaganda. Isso significa que 97% de tudo o que você ‘sabe’ sobre si mesma, sobre seu país e o mundo vêm de uma perspectiva masculina. E não significa que isto esteja errado. Significa simplesmente que em uma democracia, que nós dizemos ser igualitária e com a participação de todos mais da metade da população não está participando” – Carol Jenkins (Presidente Women’s Media Center)


Pray The Devil Back To Hell

Gini Reticker, 2008

3praythedevilbacktohell

trailer: https://www.youtube.com/watch?v=bi3nvH_Po5E

O cenário deste documentário é a Libéria, país que viveu uma sangrenta guerra civil durante o regime de Charles Taylor, que em 2003 foi forçado a exilar-se na Nigéria.

E como parte dessa revolução e fim da guerra, várias mulheres se unem, deixando de lado diferenças religiosas, para protestarem pacificamente pela paz. A Libéria é abençoada por ter essas mulheres que ajudaram a definir o destino de seu país sem derramar uma gota de sangue, mas que com lágrimas, orações e súplicas trouxeram um futuro melhor à sua nação.


Persépolis

Marjane Satrapi e Vincent Paronnaud, 2008

4persepolis

você consegue assisti-lo na íntegra aqui: https://www.youtube.com/watch?v=jUXo4zw0vXA

Persépolis é uma animação francesa, baseada na história em quadrinhos homônimo e autobiográfico da Marjane Satrapi.

A animação começa antes da Revolução Iraniana, quando Marjane tinha 8 anos, mostrando como ela era igual a qualquer outra menina de sua idade, mas conforme o tempo vai passando, a nova República Islâmica toma o poder do Irã, seu país de origem, e começa a controlar como as pessoas (as mulheres em especial) deveriam se vestir e se portar, obrigando-a a expatriar-se.

O filme é bem rico também, porque ao narrar toda a história da personagem, traz as angústias, os medos, as frustrações e traumas que todo o conflito e a ruptura acabaram causando em sua vida.

 


Carolina Selles é apaixonada por cores, histórias e sabores, é designer, graduada em Arte & Tecnologia e uma das idealizadoras do Santa Paciência.

Ler opiniões diferentes do senso comum é também PENSAR!

Bruce

A questão de gênero e a decisão da Suprema Corte americana em favor da união civil gay têm suscitado reações das mais indiferentes às mais apaixonadas e contundentes. Raro, porém, tem sido ouvir uma voz ecoando contra toda a maré do senso comum, que leve à uma reflexão que possa contrabalancear – e por que não discordar? – tudo o que vem sendo dito e repetido à exaustão em todo veículo midiático de grande alcance.

Este artigo, competentemente traduzido pelo amigo Cristian Faber, trata da polêmica capa da revista americana Vanity Fair de junho (foto que ilustra este post, em que o ex-atleta olímpico Bruce Jenner aparece com sua nova identidade sexual) e o conteúdo do artigo traz à tona pontos nevrálgicos de uma questão que está longe de ser resolvida… de forma respeitosa, eu diria. Como era de se esperar, Matt Walsh, o autor do post original, recebeu críticas agressivas e muito, mas muito intolerantes da galera do bem, mas não cedeu às ameaças. Se você não concorda com o que ele escreve, precisa reconhecer, no mínimo, que o cara pensa por si próprio e tem uma coragem que é para poucos.

Pronto para encarar uma dose cavalar de argumentos que dão a cara pra bater em toda a ondinha pós-gênero que quer engolir o mundo inteiro?? Aí vai!

Chamar Bruce Jenner de mulher é um insulto às mulheres

Pais, atenção: em breve a gôndola de revistas no caixa do supermercado incluirá esta imagem profundamente perturbadora de Bruce Jenner. A foto está estampada na capa da próxima edição da revista Vanity Fair, e mostra Bruce produzido como uma boneca, com extensões de cabelo, vestindo um corset, partes do seu rosto, testa e pescoço depilados por motivos cosméticos, e seu peito modificado por pílulas de hormônio, Photoshop e silicone. A ideia é fazer um vovô de 65 anos parecer uma colegial, mas o resultado é uma versão distorcida de nenhum dos dois.

O que ele mais parece é um homem mentalmente perturbado que tem sido manipulado por gayzistas prepotentes e progressistas dissimulados. Longe de ter a aparência de uma mulher de verdade, ele me parece uma pessoa abandonada às suas próprias ilusões por uma cultura de imbecis narcisísticos. Tenho grande compaixão quando me deparo com essa tragédia – especialmente porque “transgêneros” recém operados frequentemente se arrependem da suas decisões, e em muitos casos tentam suicídio – mas poucos compartilham meu amor e preocupação com ele.

De fato, Bruce admitiu que depois da sua cirurgia de “feminização facial” teve um ataque de pânico, olhando no espelho e perguntando a si mesmo “o que foi que eu fiz comigo?” Esperamos que esse arrependimento não o leve a mais auto-mutilação, como levou muitos homens nessa situação. Eu temo o pior, porque Bruce está apressando os procedimentos para que a “transformação” coincida com a estreia de um reality show que está prestes a ser filmado. Eventualmente as cameras sumirão, e Bruce estará preso com o que ele fez consigo mesmo. Eu oro por ele quando esse momento sombrio chegar.

Em contraste, as chamadas animadas da mídia nos informam que Bruce posou para Vanity Fair para “estrear sua nova identidade”. Na entrevista acompanhando essas fotos terríveis, Bruce esquizofrenicamente refere a si mesmo na terceira pessoa, falando como se ele fosse duas pessoas diferentes.

Ele diz que ainda não decidiu se a segunda pessoa vai começar a dormir com homens, mas que não está focado nisso neste momento. Ele está apenas feliz que, por meio de extensa cirurgia plástica, altas doses de química sintética, kilos de maquiagem, e uso indiscriminado de Photoshop, ele pode finalmente ser ele mesmo. Desmantelando, mutilando, e editando a si mesmo, ele diz que é ele mesmo.

Em um segmento particularmente deprimente do artigo, Cassandra, filha de Bruce, diz que eles finalmente tem um relacionamento. Eles podem “ser meninas juntas”. Cassandra aparentemente desistiu de ter um pai, e se conformou em ter uma amiga com quem pode fofocar.

Isso é errado. Francamente, é nojento. Ao mesmo tempo em que sinto compaixão pelos problemas psicológicos de Bruce, é egoísmo fazer isso com seus filhos. Primeiro tira-se o pai deles, depois os força a lidar com esse processo devastador pro mundo todo ver.

É claro, enquanto a família carrega esse peso, a turba se estapeia para parabenizar o “heróico Bruce”. A ESPN até anunciou planos de dar-lhe o “Troféu da Coragem”. Houve um tempo em que esse tipo de coisa era dada a caras como Pat Tillman, que desistiu de fortuna e fama para sacrificar sua vida no campo de batalha, mas o significado de honra mudou muito desde então. Eu achei que tinha chegado ao fundo do poço ano passado quando deram esse troféu ao ex-jogador da NFL Michael Sam por ter alcançando o incrível feito de ser gay enquanto ainda era jogador.

Surpreendentemente, parece que a ESPN na verdade não é o árbitro mais confiável em termos de coragem.

(Falando de ESPN, noite passada, eu liguei a TV para ver o que costumava ser um dos meus programas preferidos, “Around the Horn” (programa esportivo em formato de mesa redonda da ESPN Americana), para ouvir suas análises das finais da NBA desta semana. Em vez disso, eu fui presenteado com um sermão de um escritor esportivo sobre como me certificar de estar usando os pronomes corretos quando me refiro a travestis. Eu realmente preferia saber como Lebron James e o Cavaliers estão, mas, sim, vamos ter uma lição de vocabulário transgênero. Legal! Obrigado! Sabe, se eu quisesse receber um sermão sem graça de bufões esquerdistas, eu não precisaria assistir ao maior canal de esportes do mundo. Existe Comedy Central pra isso)

A ESPN não está sozinha. Uma busca pelo Twitter e Facebook revela uma glorificação unânime, com “corajoso”, “linda” e “histórico” sendo indiscriminadamente jogados como confete.

É tudo muito triste.

Dito isso, eu não gostaria que alguém me acusasse de estar sendo crítico, então eu gostaria de oferecer, nesta ocasião gloriosa e sem precedentes do lançamento de uma revista “photoshopada”, umas poucas observações. Eu não estou interessando em destilar insultos sem embasamento – o que ainda sim seria muito menos danoso do que os elogios sem embasamento sendo lançados na direção de Bruce – então eu vou me limitar simplesmente a observar a realidade.

Neste momento, existem 5 realidades que saltam aos meus olhos:

Ideologia de gênero acaba com o feminismo

Como conservadores e cristãos fugiram apavorados da possibilidade de terem palavras sem sentido como “transfóbico” lançadas em sua direção, pode ser que em última instância, numa estranha virada do destino, as feministas é que tenham que combater a narrativa do “transgênero”. Se elas em algum momento entenderem que “ideologia de gênero” é um ataque direto à sua visão de mundo, talvez isso até cause uma guerra dentro das trincheiras progressistas.

Porque afinal, de acordo com a sabedoria feminista, não existe essa coisa de “cérebro feminino” ou “alma feminina” ou “se sentir feminina”. Pelas palavras de qualquer esquerdista que algum dia disse qualquer coisa sobre direito da mulher nas últimas 4 décadas, o modo como você se veste, pensa e sente não tem nada a ver com a sua feminilidade. Normalmente seria ofensivo e sexista acusar uma mulher de agir como, pensar como ou se sentir como uma mulher.

Mesmo assim, de repente, emoções e aparências definem uma mulher de maneira tão definitiva que até um homem pode se tornar uma, se ele alegar ter sentimentos que ele pensa serem femininos?

A coisa toda é uma grande contradição.

Feminismo e ideologia de gênero dizem duas coisas contrárias uma a outra sobre o que significa ser uma mulher. De fato, feministas criaram o termo “neurosexismo” para condenar a ideia misógina e pseudo-científica de que os cérebros do homen e da mulher são diferentes. Mas Bruce Jenner alega ter “o cérebro de uma mulher”. Então como isso funciona? Você vai me dizer que as únicas pessoas que podem ter cérebro feminino são… os homens?

Enquanto isso, feministas insistem regularmente que a ausência de útero e vagina tira dos homens o direito de terem uma opinião sobre aborto e coisas do tipo. Então um homem não pode ter opinião sobre problemas de mulher porque lhe falta a anatomia correta, mas ele pode na verdade se tornar uma, mesmo não tendo a anatomia correta?

Como é que isso pode fazer qualquer sentido?

Ideologia de gênero e feminismo não podem coexistir. Progressistas não podem ter os dois. Eles terão que escolher.

Da mina parte, eu concordo que nenhum homem pode jamais requerer feminilidade. Eu também concordo que existe sim cérebro feminino e alma feminina – e consequentemente emoções femininas, personalidade feminina e características femininas – mas o problema é que cérebro e alma femininos estão sempre contidos em corpos femininos. Um homem nunca vai nascer com o coração de um bicho preguiça, ou o fígado de um rinoceronte, ou o sistema de raízes de uma árvore, do mesmo jeito que nunca vai nascer com o cérebro de uma mulher.

Me disseram que brancos se apropriam da cultura negra quando ouvem Nikki Minaj ou usam aqueles bonés de aba reta. Não tenho certeza se essas ofensas constituem apropriação cultural indevida tanto quanto indicam um possível dano cerebral, mas esse não é o ponto. Se estamos mesmo preocupados com grupos se apropriando de outros grupos, eu acho que precisamos investigar essa coisa que chamar um homem de mulher só porque ele raspou o osso da testa, usa maquiagem e prende a genitália pra trás. Se você olhar bem, talvez encontre uma razão para achar que isso é uma apropriação indevida de feminilidade, ou pior, a degradação dela.

Há mais numa mulher do que apenas linhas faciais “feminizadas” e lingerie de babados. Bruce Jenner travestido não é bonito! Mulheres são lindas porque são mulheres. Feminilidade é bonito. Mulheres representam algo distinto e especial no mundo. Elas preenchem um vazio e desempenham um papel que nenhum homem pode.

Uma mulher não é uma mulher simplesmente por causa dos traços cosméticos que um homem possa simular. Uma mulher é uma mulher por conta da biologia, que Bruce não tem e nunca terá. Uma mulher é uma mulher por causa da sua capacidade de criar vida e abrigá-la em seu corpo até o nascimento, coisa que Bruce não pode fazer. Uma mulher é uma mulher por sua alma, mente, perspectiva, experiências e seu jeito único de pensar, de amar e de ser – todas essas coisas que Bruce pode apenas tentar simular.

Uma mulher é uma mulher. Ela mereceu esse título. Ela pagou por esse título. Ela sofre com esse título, dá vida com esse título, vive da concepção à morte e além com esse título. Ela é esse título. Ninguém deveria dizer a essa mulher que isso é uma coisa qualquer que um homem com dinheiro suficiente possa comprar. É degradante e reducionista, em como pai, marido, filho e irmão, eu não posso concordar com isso. Só posso imaginar como uma mulher se sentiria se sequer pensasse numa coisa dessas.

E note que eu digo “eu só posso imaginar” porque é o máximo que eu posso fazer. Eu não posso vivenciar os pensamentos ou sentimentos de uma mulher pelo fato de que eu não sou uma.

E Bruce também não é.

Identidade não está nos olhos de quem vê

Sendo honesto, eu não gosto do título que o site TheBlaze usou para esse artigo, e também não gosto dos títulos usados por outras publicações.

“Bruce Jenner Revela Novo Eu Feminino”

O quê?

Não tem essa de “novo eu”, ou “outro eu”, ou um “eu diferente”, ou um “eu 2.0”. O seu “eu” é você. É a sua existência. A sua pessoa; seu caráter único e irrepetível. Seu “eu” é seu corpo, mente, alma. É fisicamente, metafisicamente, espiritualmente, filosoficamente, cientificamente, racionalmente e logicamente impossível para um “eu” se transformar num “novo eu”. Um “eu” só pode ser o que já é.

“Bruce Jenner Revela Novo Eu”

“Bruce Jenner Estreia Nova Identidade”

“Bruce Jenner Faz Premier Mundial de Nova Alma”

Estamos falando de mudança de sexo como se fosse um produto da Apple! Com essa linguagem nós não apenas fizemos o “eu” mutável, como também o mercantilizamos e o transformamos num espetáculo que pode ser usado para fins lucrativos. Isso é a bastardização da nossa humanidade em escala e nível que não teriam passado nem pelas mentes mais perturbadas dos mais proféticos críticos sociais do último século!

É tudo tão vil, bizarro e ridiculamente impensável que nenhum escritor distópico de ficção científica poderia ter pensado que o colapso da sociedade ocidental se pareceria com isso. Neste momento Orwell e Huxley estão rolando na tumba com profundo arrependimento: “Cara! Um futuro apocalíptico onde pessoas são tão mimadas, vaidosas e entediadas que fingem poder estalar os dedos e reformatar suas almas do zero – por que eu não pensei nisso?”

Não há nada de autêntico nessa versão de Bruce

Depois de muitos anos e pelo menos uma dúzia de campanhas da Dove, parece que, pelo bem da agenda gay, nós abandonamos completamente a ideia de que “mulheres não devem ser photoshopadas ou rebocadas com maquiagem e silicone de modo a reforçar o padrão subjetivo de feminilidade”. Talvez a única coisa na qual os esquerdistas estiveram realmente certos, agora foi jogada no lixo porque não corrobora com a narrativa gay/transgênero.

Ou seja, você não pode mais voltar a falar por aí coisas como “beleza natural” da mulher, depois de ter chamado Bruce de “corajoso” por ter usado melhorias cosméticas e digitais pra tentar alcançar uma aproximação superficial disso. Você não pode mais amaldiçoar a indústria da moda por aparar, emagrecer, cortar, pintar e operar mulheres pelo bem do encanto físico depois de ter acabado de falar sobre como Bruce alcançou sua “verdadeira identidade” através dos mesmos métodos.

GLAAD (ONG Americana que defende homossexuais e transgêneros contra violência física e verbal) aplaudiu Bruce por ser agora seu “eu autêntico”. Tragicamente eles não estavam tentando ser irônicos. Uma imagem digitalmente modificada, alterada cosmeticamente, de pose manipulada, adulterada quimicamente, basicamente um cartoon numa capa de revista, agora é “autêntico”, de acordo com os desonestos incuráveis da militância gay.

Autêntico, pelo amor de Deus. Eu tenho mesmo que explicar o porque dessas palavras serem completamente impróprias nesse contexto?

Essa foto é a definição literal de falso. Se isso não é falso, então nada é. Você não pode chamar de “falsa” uma mulher, legitimamente atraente, por causa de algumas fotos retocadas para aumentar o que já estava lá, se Bruce não recebe esse rótulo tendo passado por cirurgias no rosto, usado uma quantidade absurda de maquiagem, e ter escondido suas mãos e enfiado seu pênis entre as pernas, para disfarçar o que nunca esteve lá. Se isso é “autêntico” então eu posso despejar um pouco de Mac and Cheese da Kraft numa tigela e chamar de “autêntica cozinha italiana”, e Taylor Swift pode fazer umas musiquinhas dance sobre brigas de namorados e chamar isso de “autêntica música country”.

A batalha pela realidade

Vão me dizer, principalmente os conservadores, para deixar esse assunto pra lá e achar algo mais importante pra comentar. Mas milhões e milhões e milhões de pessoas – na mídia e fora dela – já falaram mais sobre esse assunto e já demonstraram mais interesse por ele do que eu jamais fiz, e mesmo assim nunca ninguém os mandou calar a boca e esquecer. Enquanto conservadores justificam sua covardia miserável insistindo que isso é apenas um showzinho secundário irrelevante e que eles estão ocupados em assuntos mais sérios, você vai perceber que esquerdistas tratam “ideologia de gênero” como uma das mais importantes fronteiras culturais.

Toda vez que um transgênero usa o banheiro hoje, esquerdistas fazem um carnaval, como se os Aliados tivessem acabado de derrotar a Alemanha Nazista.

Bruce Jenner posando com roupa íntima de mulher foi manchete no país todo. A Casa Branca chamou isso de “corajoso” e “poderoso”. O Presidente dos Estados Unidos da América, líder da nação mais poderosa da Terra, veio publicamente para saudar a “coragem” de Bruce em ter seios falsos e pernas depiladas. Foi o trending topic número 1 em todas as redes sociais. O alterego feminino de Bruce Jenner ganhou mais de 1 milhão de seguidores no Twitter em 4 horas.

Todos agem como se fosse uma grande coisa. Contanto que tenham a opinião “correta”, eles tem permissão.

E eles tem razão – é uma grande coisa.

Esta é uma batalha pela realidade, gente. Acordem pro jogo!

Se progressistas podem exercer o poder de demolir e reinventar a definição mesma de “homem” e “mulher” à sua imagem ideológica, então eles alcançaram uma total e irreversível vitória cultural. Eles engolfaram o universo e remodelaram a realidade. Eles se tornaram deuses, ou pelo menos é esse o poder que estamos dando a eles. Você pode tagarelar sem parar sobre economia e política externa, mas se vivemos num país onde confusão, perversão e auto-adoração reinam supremos, qual o objetivo? A América já estará morta.

Todos nós sabemos a verdade

Última pergunta para as pessoas – especialmente homens heteros – que alegam que não há diferença real entre um “transgênero” feminino e uma mulher de verdade: Você casaria com uma mulher que era homem? Você olharia para esse “ex” homem e pensaria “Eu quero que ele seja minha esposa”?

Resposta: Não. Você não faria isso. Você não fará isso. E você sabe disso. Instintivamente, quando o que está em jogo é sua vida e amor, você reconhece a diferença entre uma mulher biológica em toda a sua glória, e um homem castrado em toda a sua loucura. Estou gastando milhares de palavras convencendo você de algo que você já sabe. E eu sei que você sabe. E todo mundo sabe que todo mundo sabe.

Então porque ainda estamos tendo essa conversa?

Isso eu não sei. Mas enquanto ela continuar, eu vou continuar lembrando você de coisas que você já sabe, porque alguém tem que fazer isso.

Bruce Jenner não é uma mulher, em nenhum sentido ou medida.

E você já sabia disso”.