E eu, que me considerava curada de todo aquele romantismo…

Numa noite dessas, tive um tempo a sós comigo mesma. Não tive dúvidas: tasquei uma taça de vinho e coloquei música alta. Como eu não devia nada a ninguém, fui selecionando no YouTube todas as músicas que eu estava a fim de ouvir, sem filtros. O resultado foi uma playlist melecada de hits românticos dos anos 80. Claro que isso não foi coincidência. Essa lista é o espelho da minha alma: sou romântica do começo ao fim de mim.

Quem acompanha o blog há algum tempo talvez se lembre dos posts, em que declaro haver encontrado cura para esse mal. Pois é, confesso que fui um pouco precipitada nessa declaração. Numa conversa bem franca com a Carol Selles, coautora do blog e amigona minha, cheguei a uma constatação difícil de encarar: pois é, Carol, certas questões da nossa vida não têm cura, só controle. Falei isso num tom bem, mas bem pessimista, depois de ter acabado de vivenciar uma crise sufocante de romantismo, dessas que nenhuma mulher dos tempos de hoje – forte, independente e segura – teria admitido em sua vida. Pois eu tenho dessas crises. De tempos em tempos. Com mais frequência do que eu gostaria.

A parte mais difícil de se lidar com uma questão indesejada na nossa vida é saber onde ela se encaixa: será que devemos insistir em curá-la? Ou talvez a solução seria trazê-la à tona em todo seu potencial? Essas duas saídas sempre foram as únicas possibilidades que enxerguei durante anos a fio. Assim, ou eu me consumia em repressão e culpa ou me entregava aos devaneios como se não houvesse amanhã. Nunca havia passado pela minha cabeça um caminho do meio, um equilíbrio… até essa noite em que fiquei sozinha e toquei as tais músicas dos anos 80. Parei e pensei: e se de repente eu puder obter algum benefício desse meu romantismo todo?

Parênteses: (para quem não vê nada de preocupante em alguém ser romântico ao extremo, dou um resumo contra o que eu luto: descontentamento, por não encontrar a paixão acesa no meu casamento o tempo todo; ilusão, ao fantasiar que existe uma realidade perfeita, em que o amor é um estado de êxtase constante; sofrimento, por nunca acreditar que sou suficientemente amada. Pois é, o romantismo exacerbado não tem nada de romântico. Ele é exigente e insaciável).

Mas voltando à ideia que cruzou minha mente: e se eu acolhesse o romantismo e tirasse vantagem dele?  Bom, essa não foi uma pergunta que eu respondi assim, num estalar de dedos. Na verdade, nem consigo concebê-la direito ainda, por soar ousada ou até mesmo imoral, num primeiro momento. Porém, tenho orado tanto, pedido tanto a Deus que me mude, que de repente me peguei pensando: “e se Deus nunca me mudar?”. Acredito muito que não escolhemos ter todas as características boas e ruins que temos em nós – muitas vieram incluídas no “pacote” ao nascermos – entretanto, acredito sim, que escolhemos o espaço que vamos dar a essas características em nossas atitudes. A escolha que fazemos a partir do material de que somos feitos é uma responsabilidade toda nossa. Sendo assim, eis algumas possibilidades para a minha questão:

1. Deixar o meu romantismo transparecer nos relacionamentos adequados

Abraçar as crianças da escola onde trabalho, beijar os meus pais, fazer cafuné no meu filho, assistir comédias românticas com o meu marido, enviar mensagens carinhosas à minha irmã… estão aí algumas das possibilidades para deixar meu romantismo fluir de um jeito saudável. Achar que romantismo se limita a conexões amorosas é reduzir seu alcance e seu potencial de construção de vínculos e de cura.

2. Ver o meu romantismo como uma das características da imagem de Deus em mim

No livro Em busca da alma feminina, o casal Stasi e John Eldredge trabalha com a ideia de que foi Deus quem colocou no coração feminino a busca por amor e relacionamento íntimo, ou seja, por romance, porque Ele próprio é amor. Por meio de vários versículos e imagens bíblicas (a noiva e o noivo do livro de Cantares, as mensagens que Ele envia pelos profetas no Antigo Testamento, a oração de Jesus em João 17, entre outras), os autores mostram como é intensa a busca de Deus por intimidade com o seu povo. O romantismo nessa perspectiva, portanto, não é algo a ser evitado, mas buscado.

O Cristianismo muda drasticamente quando descobrimos que ele também é um grande romance. Que Deus deseja compartilhar uma vida de beleza, intimidade e aventura conosco. “Eu a amei com amor eterno” (Jeremias 31.3). Todo este mundo foi criado para o romance – os rios e os vales, os prados e as praias. Flores, música, um beijo. Mas temos uma forma de nos esquecer de tudo isso, perdendo-nos no trabalho e nas preocupações. Eva – a mensagem de Deus para o mundo de uma forma feminina – convida-nos para o romance. Por meio dela, Deus faz do romance uma prioridade do universo (Stasi & John Elderedge, no livro Em busca da alma feminina). 

3. Deixar que meu romantismo me aproxime de Deus

Sempre penso no Apóstolo Paulo e seu “espinho na carne” (2 Coríntios 12.7, Bíblia). Claro que o espinho dele não era fútil como o meu, imagino. Certamente era algo mais profundo e espiritual, mas o objetivo da existência do meu romantismo é semelhante à do espinho dele: não me orgulhar. Meu romantismo me faz lembrar de que eu, sozinha, não sou capaz de salvar a mim mesma, mas quem me dá energia para vencer é Jesus. Lutar sozinha é extenuante.

4. Usar meu romantismo para aprender sobre o amor real

Claro que antes de quase todo amor concreto existe a fase da paixão. Mas achar que o amor se resume à paixão é um desperdício. Com esse meu romantismo todo, eu consigo analisar bem a paixão e, baseando-me nela, perceber o que o amor não é: imediatista, carente, ansioso, que se consome em si mesmo. O amor relaxa, confia, espera, compreende, perdoa e não tem fim (1 Coríntios 13, Bíblia).

……

Quando falei para a Carol que certas questões da vida talvez nunca tenham cura, não imaginei que esse diagnóstico pudesse abrir tantas possibilidades de crescimento.  Amo perceber o modo discreto, mas incrível, como o nosso caminho espiritual vai sendo formado: o passo seguinte sempre mais firme e mais maduro do que o anterior. Por isso me encanto e descanso ao ler as palavras do Apóstolo Paulo:

E disse-me [o Senhor]: a minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo. Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte (2 Coríntios 12. 9-10).

Não sei como vai ser encarar meu romantismo por esse novo ângulo. Serão necessárias densas doses de sabedoria e oração, para que eu não confunda esse acolhimento com sinal verde para pecar contra Deus. Ao mesmo tempo, vejo Deus me ensinando mais essa lição, me dando essa chance de exercer a liberdade com maturidade.

Ele, Deus, é quem deseja ser o principal alvo de todo o meu incurável romantismo.

Catrin Welz-Stein
Ilustração de Catrin Welz-Stein

 


Luciana Mendes Kim sou eu. Mas, depois de um certo tempo, pode me chamar de Lu. Amo algumas pessoas bem conhecidas (a Clarice Lispector e o Wim Wenders, por exemplo ) e outras tantas do meu convívio. Amo também ler ficção, ver filme parado, dançar música eletrônica, tomar chá com amigos queridos e ir ao Sesc com marido e filho. Um dia, conheci a Carol e a Talita e, juntas, criamos o Santa Paciência

E a romantização continua…

Um dos meus temas preferidos na escrita e na vida é o amor. Assim, estou sempre ligada no que é postado sobre o tema. Há duas semanas, voltou a rodar por aí um artigo do filósofo Alain de Botton, ranqueado como o texto mais lido do NY Times em 2016.  Para quem não o leu, um resumo: o filósofo acredita que essa história de encontrarmos alguém que nos faça total, substancial e paradisiacamente feliz em um casamento é lenda (assunto do nosso último post aqui do blog, aliás). Para ele, a felicidade completa em uma união seria irrealizável pelas seguintes razões:

  1. Devido à profunda intimidade que um casamento pressupõe, com o tempo, acabamos descobrindo as esquisitices mais bombásticas do nosso parceiro (e ele, descobrindo as nossas);
  2. O que nos move na escolha de um parceiro é um padrão de desajuste que vivenciamos em episódios da nossa infância, logo, tendemos para uma escolha “errada”, mesmo que puramente guiados pelos sentimentos (isso eu entendi mais ou menos, rs);
  3. Temos horror à solidão e por isso fugimos dela;
  4. Queremos engarrafar um sentimento gostoso e eternizá-lo por meio do casamento.

Segundo Botton, tudo isso nos direciona para um casamento frustrante. Mas ele não encerra o texto nesse tom pessimista:

A boa notícia é que não importa se nós achamos que nos casamos com a pessoa errada. Não precisamos abandoná-la, mas sim abandonar a ideia romântica, sobre a qual o Ocidente tem sustentado a compreensão do que é o casamento pelos últimos 250 anos: que um ser perfeito existe e pode suprir todas as nossas necessidades e satisfazer cada carência nossa.

A partir desse ponto, Alain de Botton propõe que a gente substitua essas expectativas tão sonhadoras do romantismo por algo mais pé no chão, que leve em conta que nenhum ser humano pode nos salvar de nós mesmos. Para ele, a pessoa que mais combina com a gente é aquela que lida com as diferenças do casal com gentileza e sabe negociá-las. E conclui: compatibilidade é uma conquista do amor, não seu pré-requisito.

Assim que terminei de ler esse texto, pensei: ainda bem que esse texto existe!

De fato, alguém tão influente como ele ter escrito um texto tão sincero provocou em mim uma esperança pelas pessoas que estão nesse dilema e por aquelas que ainda virão a se relacionar. Se eu tivesse lido um texto assim e realmente acreditado nele 15 ou 20 anos atrás, talvez eu tivesse sido poupada e poupado outras pessoas de muita dor. Conforme contei no post da semana passada, eu fui, pela maior parte da minha vida, uma viciada em romantizações. E meu caso parecia perdido.

Mas se engana quem pensa que a romantização não serve para nada. Ela tem uma função bastante importante, que é a de atrair duas pessoas uma à outra. Porque se fosse verdade apenas o que Alain de Botton defende, então poderíamos nos relacionar com a primeira pessoa parada no ponto de ônibus, que tudo bem, iria dar certo de qualquer jeito, concordam? E por que não é assim?

A história de Jacó, encontrada na Bíblia, é um ótimo exemplo da influência da paixão muito antes do movimento romântico que deu o tom nos séculos 18 e 19 (e 20, 21…). Naqueles tempos remotos, as pessoas que viriam a formar o povo judeu se casavam com outros da mesma família, para que a linhagem não se misturasse e se perdesse. O pai de Jacó, observando esse procedimento, o mandou viajar até a casa do tio para lá encontrar uma noiva e Jacó foi. Ao chegar lá, ele viu a sua prima mais nova, Raquel, e se apaixonou por ela (Gênesis 29.18). Quando ele encontrou o tio, o tio lhe ofereceu trabalho e perguntou o que Jacó queria como pagamento. Jacó respondeu: Eu te servirei sete anos por Raquel, tua filha mais nova (29.18) – e o tio aceitou a proposta. Jacó serviu, então, por Raquel, durante sete anos, que lhe pareceram alguns dias, de tal modo ele a amava (29.20).

Jacó trabalhou por sete anos, sonhando em se casar com Raquel. A questão é que Raquel tinha uma irmã mais velha, Lia, que também era solteira. E, segundo o costume deles, era a mais velha que deveria se casar primeiro, depois a mais nova. Então, quando os sete anos de trabalho de Jacó terminaram, o tio dele trapaceou e fez com que ele passasse a noite com Lia no lugar de Raquel. E, assim, seu casamento com Lia foi consumado. Jacó ficou muito bravo e pediu explicações ao tio, que mencionou o costume de que era a filha mais velha que devia se casar primeiro. Como a poligamia era aceita naqueles tempos, o tio de Jacó prometeu que daria também Raquel a ele em casamento, o que ele de fato fez na semana seguinte, mas Jacó teve que trabalhar mais sete anos para “pagar” por sua amada. Jacó uniu-se também a Raquel e amou Raquel mais do que a Lia (29.30).

Essa história nos mostra claramente que existe, sim, uma diferença clara entre uma pessoa com quem nos relacionamos movidos por paixão e uma pessoa com quem só nos relacionamos. A paixão nos impulsiona a nos unir a alguém, a querer nos aprofundar no conhecimento e na intimidade com esse alguém, a construir alguma coisa ao lado desse alguém. É o imã, o tempo gostoso de construção de um vínculo, uma fase que define se vamos ou não continuar a caminhada juntos. É o frio na barriga, a espera ansiosa, os sorrisos gratuitos, a cabeça nas nuvens.

Mas e quando essas sensações todas passam, seria a hora de encerrar e partir para outra?

É exatamente nesse ponto que considero a reflexão de Alain de Botton de grande utilidade pública. Porque é justamente nessa metamorfose da pura paixão para algo que não é mais pura paixão que muitos desistem, por acharem que o amor acabou. E é nesse momento que cabe a nós nos perguntar: o que será que existe do outro lado da margem da paixão? O que nos espera depois da crise, da dúvida e da decisão de permanecermos juntos?

Demorei quase dois anos para responder essa pergunta e transpor esse rio. Lembro-me das longas sessões de terapia, em que eu repetia insistentemente à psicóloga que eu não via a hora de passar para o “nível 2” da minha relação com o meu marido. E lembro-me das palavras dela, me dizendo como eu experimentaria uma conexão profunda com ele ao chegar lá. Não seria um sentimento desesperado e ansioso como a paixão. Seria algo diferente. Seria um amor doce e consistente, como uma fruta madura.

Sete anos de pastor Jacó servia
Labão, pai de Raquel, serrana bela;
Mas não servia ao pai, servia a ela,
E a ela só por prêmio pretendia.

Os dias, na esperança de um só dia,
Passava, contentando-se com vê-la;
Porém o pai, usando de cautela,
Em lugar de Raquel lhe deu a Lia.

Vendo o triste pastor que com enganos
Assim lhe era negada a sua pastora,
Como se não a tivera merecida;

Começou a servir outros sete anos,
Dizendo: Mais servira, se não fora,
Para tão longo amor, tão curta a vida.

(Soneto 29. Luís de Camões, poeta português, 1524-1580)

 

rafael-jacob-rachel
Encontro de Jacó com Raquel (1518-1519), do pintor renascentista italiano Rafael.

 


Luciana Mendes Kim trabalha como educadora, é amante da literatura, sonha um dia escrever livros e aprender a tocar acordeão. É também uma das idealizadoras do Santa Paciência.